Ative as notificações para não perder as publicações de saúde e bem estar mais interessantes.
O que você precisa saber?

Como a alimentação pode melhorar o autismo

A alimentação para autismo deve ser isenta de caseína, glúten e soja.  Essa dieta promove alterações cerebrais que diminuem a euforia e a agressividade dos autistas, sendo uma ótima forma de complementar o tratamento do autismo infantil e adulto.

Os autistas tendem a ter algumas deficiências nutricionais, que quando são supridas também ajudam a controlar melhor a doença. A maior parte dos autistas possui:

  • Deficiência em zinco;
  • Excesso de cobre;
  • Deficiência em cálcio e magnésio;
  • Deficiência em ômega 3;
  • Deficiência de fibras;
  • Deficiência em antioxidantes.

O autista é incapaz de tirar o total proveito das terapias comportamentais se tiver um cérebro desnutrido, inflamação gastrointestinal ou acúmulo de compostos tóxicos - fatores que prejudicam a comunicação cerebral. Por isso, a alimentação é fundamental.

O que o autista deve comer

Algumas dicas do que se pode comer no autismo são:

  • Alimentos ricos em ômega 3 como sardinha, salmão, cavala, nozes, amêndoas, avelãs, cajus, pinhões, sementes de linhaça, sementes de abóbora, sementes de chia;
  • Alimentos ricos em antioxidantes, como frutas e legumes orgânicos.
Alimentos ricos em ômega 3Alimentos ricos em ômega 3
Alimentos antioxidantes de origem biológicaAlimentos antioxidantes de origem biológica

É importante que a alimentação do paciente autista seja anti-inflamatória e, por isso, os ômega 3 e os antioxidantes são fundamentais. Além disso, deve-se também preferir carnes magras e cereais integrais.

O que o autista não deve comer

Algumas dicas do que não comer ou evitar no autismo são:

  • Alimentos industrializados e não orgânicos, pois contribuem para aumentar a toxidade no organismo;
  • Alimentos com corantes alimentares, pois estão associados a alterações do comportamento e a hiperatividade nas crianças;
  • Alimentos com trigo, cevada, centeio e aveia, pois a dieta sem glúten pode ajudar a reduzir os sintomas;
  • Leite e seus derivados, pois o paciente autista pode beneficiar de uma dieta sem caseína;
  • Soja.
Não comer industrializadosNão comer industrializados
Não tomar leite e derivados com caseínaNão tomar leite e derivados com caseína

A dieta sem glúten, sem caseína e sem soja de todas as abordagens dietéticas é a que tem revelado efeitos mais positivos no maior número de crianças com autismo. Como esta dieta é muito específica é importante o acompanhamento de um nutricionista.

Veja como garantir a quantidade de cálcio que a criança precisa: Alimentos ricos em cálcio sem leite

Mais sobre este assunto:
Carregando
...