Acidose tubular renal: o que é, sintomas, causas e tratamento

agosto 2022

A acidose tubular renal é um grupo de doenças que surgem quando os rins não conseguem remover substâncias ácidas do sangue para serem eliminados na urina, devido a defeitos na capacidade dos túbulos renais de realizar suas funções, causando acúmulo de acidez na corrente sanguínea, resultando em sintomas como fraqueza muscular, diminuição dos reflexos, ou atraso no desenvolvimento da criança.

A acidose tubular renal, ou ATR, pode afetar tanto crianças como adultos, podendo ser causada por doenças hereditárias, como síndrome de Falconi ou anemia falciforme, mas também pode surgir como consequência de outras condições de saúde que podem afetar os rins, como artrite reumatóide ou lupus, por exemplo.

O tratamento da acidose tubular renal é feita pelo nefrologista que pode indicar o uso de remédios para diminuir a acidez do sangue, diuréticos ou até corticóides, o que depende da gravidade dos sintomas e do tipo de acidose tubular renal.

Sintomas de acidose tubular renal

Os principais sintomas de acidose tubular renal são:

  • Atraso no desenvolvimento e crescimento;
  • Dificuldade para criança ganhar peso;
  • Raquitismo;
  • Desidratação leve;
  • Pedra nos rins;
  • Infecções urinárias recorrentes;
  • Fraqueza ou paralisia muscular;
  • Arritmia cardíaca;
  • Diminuição dos reflexos;
  • Atraso no desenvolvimento da linguagem;
  • Maior fragilidade nos ossos e aumento do risco de fraturas;
  • Dor óssea;
  • Perda auditiva;
  • Cegueira.

A acidose tubular renal, muitas vezes, não causa sintomas, no entanto à medida que a doença evolui podem surgir alguns sintomas, principalmente se não houver maturação do sistema excretor. 

Além disso, os sintomas variam de acordo com o tipo de acidose tubular renal, sendo importante consultar o pediatra ou o nefrologista para que seja feito o diagnóstico, identificada a causa e o tipo de acidose, para iniciar o tratamento mais adequado.

Como confirmar o diagnóstico

O diagnóstico da acidose tubular renal é feito pelo pediatra ou nefrologista através da avaliação dos sintomas, histórico de saúde e exames de sangue e de urina. 

No exame de sangue são avaliadas a concentração de bicarbonato, cloreto, sódio e potássio e também é feita a medição do pH sanguíneo. Além disso, o médico pode solicitar a avaliação dos níveis de aldosterona no sangue ou outros hormônios que possam estar relacionados à acidose tubular renal.

Já no exame de urina, são medidas a acidez da urina, além dos níveis de bicarbonato, amônia e hidrogênio.

Além disso, pode ser indicada a realização de ultrassom dos rins, para verificar a presença de pedra nos rins, ou raio-X das mãos ou dos pés, por exemplo, para que o médico possa verificar se há alterações ósseas que podem interferir no desenvolvimento da criança.

Tipos de acidose tubular renal

A acidose tubular renal pode ser classificada em diferentes tipos, sendo os principais:

  • Acidose tubular renal distal ou tipo 1: afeta o túbulo renal distal, que é responsável pelo transporte de sódio, cloreto e potássio do sangue para a urina. Esse tipo de ATR é mais comum em em adultos, causado por outras condições de saúde, mas também pode afetar crianças;
  • Acidose tubular proximal ou tipo 2: afeta o túbulo renal proximal, levando a uma falta de capacidade de reabsorver o bicarbonato de sódio da urina, aumentando sua eliminação, resultando em aumento da acidez do sangue. Esse tipo de ATR é mais comum em recém nascidos devido a condições hereditárias;
  • Acidose tubular renal hipercalemica ou tipo 4: esse tipo de ATR é causado por uma deficiência do hormônio aldosterona ou por alterações nos rins que não respondem a esse hormônio. A aldosterona é responsável por agir nos rins aumentando a eliminação de potássio, e quando esse íon não é eliminado de forma adequada através da urina, tem seus níveis aumentados no sangue, sendo essa condição chamada de hipercalemia.

Além disso, outro tipo de ATR é a acidose tubular renal mista ou tipo 3, que é uma combinação da ATR distal e proximal (tipo 1 e tipo 2),causada pela deficiência de uma enzima, a anidrase carbônica, responsável por regular a acidez do sangue.

Possíveis causas

A acidose tubular renal é causada por uma perda da capacidade dos túbulos renais de eliminar ácidos do sangue através da urina ou de absorver o bicarbonato de sódio da urina, resultando em aumento da acidez do sangue, chamada de acidose.

Alguns fatores genéticos, hereditários ou outras doenças podem contribuir para o desenvolvimento da acidose tubular renal, como:

Além disso, a acidose tubular renal também pode ser causada pelo uso de remédios, como lítio, anfotericina B, ácido valpróico, ifosfamida, espironolactona, amilorida, atenolol, propranolol, captopril, enalapril, anti-inflamatórios não esteróides, tetraciclinas ou antivirais, por exemplo. 

A acidose tubular renal também pode surgir devido à exposição ou intoxicação por metais pesados, como chumbo, por exemplo. 

Como é feito o tratamento

O tratamento da acidose tubular renal é feito com a orientação do nefrologista ou do pediatra, no caso das crianças, e depende do tipo de ATR e dos níveis de íons no sangue e da gravidade dos sintomas.

Assim, o médico pode indicar o uso de bicarbonato de sódio ou citrato de potássio para corrigir a acidez do sangue, para evitar danos nos ossos, músculos ou desenvolvimento de pedras nos rins, por exemplo.

Além disso, o médico pode indicar o uso de diuréticos tiazídicos, como hidroclorotiazida ou indapamida, por exemplo, para aumentar a absorção de bicarbonato de sódio da urina para o sangue, especialmente no tratamento da ATR tipo 2.

Em alguns casos, o médico pode indicar também o uso de suplementos de vitamina D ou fósforo, ou uso de corticóides, o que depende do tipo de acidose tubular renal.

É importante que o tratamento seja feito conforme a recomendação do médico para evitar a ocorrência de complicações relacionadas ao excesso de ácido no organismo, como deformações ósseas, aparecimento de calcificações nos rins e falência renal, por exemplo.

Acidose tubular renal em crianças

As crianças diagnosticadas com ART podem ter uma vida completamente normal e com qualidade de vida desde que realizem o tratamento corretamente para evitar complicações. No entanto, é possível que se tornem mais suscetíveis a infecções devido à maior fragilidade do sistema imunológico.

Em alguns casos, os sintomas da acidose tubular renal podem desaparecer entre os 7 e 10 anos devido à maturação do rins, não sendo necessário realizar tratamento, apenas acompanhamento médico para avaliar se os rins estão funcionando corretamente.

Esta informação foi útil?

Atualizado por Flávia Costa - Farmacêutica, em agosto de 2022.

Bibliografia

  • GIGLIO, S.; et al. Distal renal tubular acidosis: a systematic approach from diagnosis to treatment. J Nephrol. 34. 6; 2073-2083, 2021
  • ALEXANDER, R. T.; BITZAN, M. Renal Tubular Acidosis. Pediatr Clin North Am. 66. 1; 135-157, 2019
Mostrar bibliografia completa
  • PALMER, B. F.; et al. Renal Tubular Acidosis and Management Strategies: A Narrative Review. Adv Ther. 38. 2; 949-968, 2021
  • HAQUE, S.K.; et al. Proximal renal tubular acidosis: a not so rare disorder of multiple etiologies. Nephrol Dial Transplant. 27. 12; 4273-87, 2012
  • MUSTAQEEM, R.; ARIF, A. IN: STATPEARLS [INTERNET]. TREASURE ISLAND (FL): STATPEARLS PUBLISHING. Renal Tubular Acidosis. 2022. Disponível em: <https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK519044/>. Acesso em 01 ago 2022
  • EMMETT, M.; ET AL IN: UPTODATE. Overview and pathophysiology of renal tubular acidosis and the effect on potassium balance. 2022. Disponível em: <https://www.uptodate.com/contents/overview-and-pathophysiology-of-renal-tubular-acidosis-and-the-effect-on-potassium-balance>. Acesso em 01 ago 2022
  • SIMOES E SILVA, Ana C.; LIMA, Cristina J. C. A.; SOUTO, Marcelo F. O. Acidose Tubular Renal em Pediatria. Jornal Brasileiro de Nefrologia. Vol. 29. 1 ed; 38-47, 2007
  • MENEGUSSI, J. et. al. Abordagem diagnóstica de um paciente com acidose tubular renal hipercalêmica. Jorna Brasileiro de Nefrologia. Vol. 40. 4 ed; 410-417, 2018
Equipe editorial constituída por médicos e profissionais de saúde de diversas áreas como enfermagem, nutrição, fisioterapia, análises clínicas e farmácia.