Creatinina alta: o que significa, sintomas e o que fazer

A creatinina alta no sangue acontece devido a alterações nas funções dos rins, podendo ser causada por situações simples, como desidratação, consumo de grandes quantidades de proteína, do suplemento de creatina, ou por problemas mais sérios, como infecção renal, diabetes descompensada e pressão alta, podendo provocar sintomas, como cansaço excessivo, náuseas e vômitos, por exemplo.

A creatinina é uma substância produzida pelos músculos e que é eliminada pelos rins, através da urina. Por isso, avaliar os níveis de creatinina no sangue e na urina é uma forma de verificar as funções dos rins.

Os valores de creatinina no sangue variam de acordo com o laboratório e com o sexo da pessoa. Assim, o nível adequado de creatinina no sangue para mulheres é entre 0,60 a 1,2 mg/dL e, entre 0,70 e 1,3 mg/dL, para os homens. Conheça  os valores de referência da creatinina.

Creatinina alta: o que significa, sintomas e o que fazer

As principais causas da creatinina alta no organismo são:

1. Atividade física excessiva

A realização de atividade física de forma intensa e excessiva, como no caso de atletas e fisiculturistas, pode levar ao aumento da quantidade de creatinina no sangue, não estando necessariamente relacionada com alterações renais, mas sim com a quantidade de massa muscular que a pessoa possui, uma vez que a creatinina é produzida nos músculos.

O que fazer: quando o aumento da creatinina está relacionado com o percentual de massa muscular da pessoa, não é necessário tratamento, já que não há sinais indicativos de alterações renais.

2. Desidratação

A desidratação aumenta a concentração da urina nos rins, o que dificulta o funcionamento desse órgão e diminui a filtração do sangue, aumentando a concentração de creatinina no organismo.

O que fazer: é recomendado beber bastante água e chás, fracionados em pequenas quantidades e em intervalos curtos, e consumir frutas e vegetais frescos. Além disso, em alguns casos, pode ser necessário ingerir o soro caseiro, que é preparado com água, açúcar e sal. Veja como preparar o soro caseiro.

3. Alta ingestão de proteína

Alguns atletas e praticantes de atividades físicas consomem altas quantidades de proteína, como carne, ovo, peixe e frango, aumentando  o consumo de creatina fosfato nos músculos, uma enzima que, quando utilizada pelos músculos, produz a creatinina, causando o aumento dessa substância no sangue.

O que fazer: é recomendado consumir no máximo 1,2 g/Kg de peso corporal, de proteína por dia. Uma pessoa com 60 Kg pode consumir o máximo de 72 g de proteína por dia, o equivalente a 100 g de sobrecoxa de frango, 100 g de queijo ricota, 120 g de salmão e 100 g de iogurte por dia, por exemplo.

Além disso, é aconselhado passar por uma consulta com um nutricionista para avaliar o estado de saúde geral e as necessidades nutricionais individuais, ajudando, assim, na elaboração de um plano alimentar personalizado.

4. Consumo elevado do suplemento creatina

O consumo excessivo do suplemento creatina também pode aumentar os níveis de creatinina no sangue, isso acontece porque a creatina é convertida em creatinina no organismo.

O que fazer: é recomendado passar por uma consulta com um médico, ou nutricionista, para que seja recomendada a quantidade adequada de creatina, de acordo com cada objetivo. Saiba a quantidade de creatina geralmente recomendada.

5. Pressão alta

A pressão alta pode causar lesões nos vasos sanguíneos, diminuindo a circulação de sangue e atrapalhando a capacidade do rins de filtrar o sangue, podendo, assim, causar o acúmulo de creatinina no sangue.

O que fazer: para tratar a pressão alta, o médico pode prescrever alguns medicamentos, como diuréticos e vasodilatadores. Além disso, pode ser recomendado também a prática de exercícios físicos e uma dieta saudável e variada. Veja como fazer uma dieta saudável e variada para pressão alta.

6. Pré-eclâmpsia

A pré-eclâmpsia é uma complicação da gravidez em que há alterações nos vasos sanguíneos, diminuindo a circulação sanguínea e aumentando a pressão arterial, o que pode causar lesão nos rins e acúmulo de creatinina no sangue, colocando em risco a vida da mãe e do bebê.

O que fazer: o obstetra pode recomendar que a gestante beba bastante água, mantenha uma dieta com baixo teor de sal e, em casos mais graves, pode ser necessário que a gestante fique internada para observação e para receber medicamentos para controle da pressão. Veja como é o tratamento da pré-eclâmpsia.

7. Infecção nos rins

A infecção nos rins pode ser causada por bactérias, vírus ou fungos, que podem estar presentes naturalmente no sistema urinário. O aumento da creatinina geralmente acontece quando a infecção é crônica, ou seja, quando o tratamento não foi eficaz, permitindo a permanência da bactéria nos rins e favorecendo as lesões nesse órgão.

O que fazer: o nefrologista pode recomendar o uso de medicamentos, como analgésicos, anti-inflamatórios e antibióticos para o tratamento de infecção nos rins. Saiba como é o tratamento da infecção renal.

Além disso, o consumo de cranberry também pode ser indicado, por ser uma fruta rica em polifenóis, compostos bioativos antioxidantes que dificultam a aderência de bactérias que causam infecção no trato urinário, prevenindo e combatendo a infecção nos rins.

8. Diabetes descompensada

A diabetes descompensada acontece quando os níveis de glicose no sangue estão altos e não são tratados de acordo com a orientação do médico, podendo causar complicações, como alterações nas funções dos rins, que pode levar ao aumento dos níveis de creatinina no sangue.

O que fazer: neste caso, o tratamento indicado varia de acordo com os sintomas apresentados, podendo ser recomendado o uso de insulina. Além disso, pode ser recomendado também uma alimentação com baixo teor de carboidratos simples e gordura. Veja como deve ser a alimentação para ajudar no tratamento da diabetes.

9. Insuficiência renal

A insuficiência renal é uma situação caracterizada pela alteração no funcionamento dos rins, de forma que esses órgãos perdem a capacidade de filtrar corretamente o sangue, resultando no acúmulo de creatinina no sangue.

A insuficiência renal pode ser causada devido a diminuição da circulação sanguínea, como no caso de pressão alta, desidratação, uso excessivo de suplementos proteicos ou como consequência do uso frequente de medicamentos. Conheça outras causas de insuficiência renal.

O que fazer: para tratar a insuficiência renal, o médico pode indicar o uso de medicamentos anti-hipertensivos, como furosemida, espironolactona, minoxidil  e hidralazina. Nos casos mais graves, pode ser necessário também fazer um transplante de rins e hemodiálise.

Além disso, pode ser indicado também diminuir o consumo de proteínas, de sal e de alimentos ricos em fósforo e potássio. Veja como deve ser a alimentação para insuficiência renal.

Veja no vídeo a seguir mais dicas de alimentação para quem tem problema nos rins:

Sintomas de creatinina alta

Quando a creatinina no sangue está acima dos valores normais de referência indicados pelo laboratório, é possível que surjam alguns sinais e sintomas como por exemplo:

  • Cansaço excessivo;
  • Perda de apetite;
  • Náuseas e vômitos;
  • Sensação de falta de ar;
  • Coceiras no corpo;
  • Inchaço nas pernas e nos braços.

Esses sintomas são mais frequentes em pessoas que possuem os níveis de creatinina muito acima do valor normal de referência, além de ser mais comum também em pessoas que possuem histórico de alterações renais na família, que tenham mais de 50 anos ou que têm doenças crônicas, como diabetes e pressão alta, por exemplo.

Como é feito o diagnóstico

Para diagnosticar a creatinina alta no organismo, geralmente o nefrologista ou o clínico geral, avalia os sinais e sintomas apresentados pela pessoa, assim como o estado geral de saúde e o histórico de doenças.

Além disso, o médico também recomenda um exame de sangue para dosar a quantidade de creatinina no organismo. Caso os níveis de creatinina no sangue estejam acima do valor recomendado, o médico pode solicitar o exame de urina de 24 horas e o exame de clearance de creatinina, pois assim é possível saber se a alteração nos níveis de creatinina está relacionada ou não com os rins e, assim, ser possível iniciar o tratamento mais adequado. Entenda como é feito o clearance de creatinina.

Esta informação foi útil?
Atualizado por Equipe Editorial do Tua Saúde, em março de 2022. Revisão médica por Dr.ª Clarisse Bezerra - Médica de Saúde Familiar, em outubro de 2020.

Bibliografia

  • CLEVELAND CLINIC. Diagnostics: Creatinine Clearance Test. Disponível em: <https://my.clevelandclinic.org/health/diagnostics/16380-creatinine-clearance-test>. Acesso em 03 mar 2022
  • SOCIEDADE BRASILEIRA DE NEFROLOGIA. O alarme renal da creatinina. Disponível em: <https://www.sbn.org.br/noticias/single/news/o-alarme-renal-da-creatinina/>. Acesso em 15 out 2020
  • SOCIEDADE BRASILEIRA DE NEFROLOGIA. Biomarcadores na Nefrologia. Disponível em: <https://arquivos.sbn.org.br/pdf/biomarcadores.pdf>. Acesso em 28 nov 2019
  • SZWARCWALD, Célia L. et al. Valores de referência para exames laboratoriais de colesterol, hemoglobina glicosilada e creatinina da população adulta brasileira. Revista Brasileira de Epidemiologia. Vol 22. 2 ed; 2019
  • MALTA, Deborah C. et al. Avaliação da função renal na população adulta brasileira, segundo critérios laboratoriais da Pesquisa Nacional de Saúde. Revista Brasileira de Epidemiologia. Vol 22. 2 ed; 2019
Mais sobre este assunto: