Somos REDE D'OR
icon de informação icon de telefone 3003-3230
Número disponível apenas em território brasileiro, com custo de chamada local.

Videolaringoscopia: o que é, quando fazer e como é feita

Revisão médica: Dr.ª Clarisse Bezerra
Médica de Saúde Familiar
novembro 2022
  1. Quando fazer
  2. Preparo
  3. Como é feita

A videolaringoscopia é um exame realizado pelo otorrinolaringologista para avaliar as estruturas da boca, orofaringe, hipofaringe, laringe e cordas vocais, sendo indicado para investigar as causas de tosse crônica, rouquidão, dor ou dificuldade para engolir, por exemplo.

Este exame é feito introduzindo um fino tubo de fibra ótica ou digital, chamado laringoscópio, através da boca, permitindo observar e avaliar de forma detalhada as estruturas da boca, orofaringe, hipofaringe, laringe e cordas vocais, e diagnosticar condições de saúde, como pólipos ou nódulos nas cordas vocais, laringite crônica ou leucoplasias, por exemplo. Entenda o que é a leucoplasia e como é feito o tratamento.

A videolaringoscopia pode ser realizada gratuitamente pelo SUS, desde que tenha indicação médica, mas também pode ser realizada em clínicas particulares, e os resultados devem ser analisados pelo otorrinolaringologista.

Imagem ilustrativa número 1

Quando fazer o exame

A videolaringoscopia é um exame que tem como objetivo visualizar e identificar alterações presentes na cavidade oral, orofaringe, hipofaringe e laringe que sejam indicativos de doença ou que não conseguem ser identificadas em um exame normal sem aparelho. Assim, a videolaringoscopia pode ser indicada para investigar:

  • Nódulos nas cordas vocais;
  • Pólipos nas cordas vocais;
  • Cistos intracordais;
  • Sulcos vocais;
  • Tosse crônica;
  • Tosse com sangue;
  • Rouquidão;
  • Disfonia;
  • Afonia;
  • Dificuldade ou dor para engolir;
  • Sensação de caroço na garganta;
  • Laringites crônicas;
  • Papilomatose laríngea, ou HPV na laringe;
  • Leucoplasias;
  • Paralisia das cordas vocais;
  • Edema de Reinke;
  • Dificuldade respiratória em crianças;
  • Alterações causadas por refluxo gastroesofágico;
  • Alterações que possam ser indicativas de câncer ou infecções.

Além disso, o otorrinolaringologista pode indicar a realização desse exame para tabagistas crônicos, pessoas com histórico familiar de câncer de cabeça e pescoço, ou para pessoas que trabalham com a voz, como cantores, palestrantes e professores, por exemplo, que podem apresentar alterações nas cordas vocais com mais frequência.

A videolaringoscopia também pode ser indicada para retirar corpos estranhos ou fazer cauterização de lesões nos vasos sanguíneos, por exemplo.

Videolaringoscopia e laringoscopia

A videolaringoscopia e a laringoscopia são procedimentos que permitem a visualização da cavidade oral, orofaringe, hipofaringe, laringe e cordas vocais.

No entanto, a videolaringoscopia, também conhecida como laringoscopia indireta, é feita no consultório médico, utilizando anestésico local, e a pessoa sentada, acordada, sendo que o médico pode pedir durante o procedimento que a pessoa emita sons para verificar a mobilidade da laringe.

Já a laringoscopia, também chamada de laringoscopia direta, geralmente é feita em hospitais, com a pessoa deitada, e feita com sedação, permitindo visualizar diretamente a laringe.

Como se preparar para o exame

Como a videolaringoscopia é feita no consultório médico, muitas vezes como exame de rotina, não são necessários cuidados especiais para sua realização, nem restrições de atividades.

No entanto, é importante informar ao médico se a pessoa apresenta alguma alergia à anestésicos ou outros remédios

Como é feita a videolaringoscopia

A videolaringoscopia é um exame rápido e simples, feito no próprio consultório médico, com a pessoa sentada de forma confortável, e não causa dor devido à aplicação de anestesia local, no entanto pode se sentir um leve desconforto durante a realização do exame.

Para fazer a videolaringoscopia, o otorrinolaringologista deve seguir alguns passos, como:

  1. Aplicar o anestésico local na forma de spray;
  2. Solicitar a pessoa para abrir a boca, para permitir inserir o laringoscópio;
  3. Inserir o laringoscópio pela boca, que é um aparelho que possui uma microcâmera acoplada em sua extremidade ligada a uma fonte de luz, para visualizar por meio de uma tela de computador as estruturas ali presentes;
  4. Captar, registrar e amplificar as imagens e os sons obtidos, que são utilizados pelo médico para realizar o diagnóstico e acompanhar a pessoa durante o tratamento, por exemplo.

Durante o exame a pessoa deve respirar normalmente e falar ou emitir sons apenas quando solicitado pelo médico.

Esse exame pode ser feito tanto com a colocação do aparelho na boca ou no nariz, mas isso depende do médico, indicação do exame e do paciente. No caso das crianças, por exemplo, é feito com um equipamento flexível para que a criança não sinta desconforto.

Cuidados após o exame

A videolaringoscopia pode causar um pequeno desconforto durante sua realização do procedimento. Apesar disso, a pessoa sai do consultório médico com o resultado em mãos e não precisa ter cuidados específicos após a realização do exame, podendo voltar à sua rotina normal.

Esta informação foi útil?

Atualizado por Flávia Costa - Farmacêutica, em novembro de 2022. Revisão médica por Dr.ª Clarisse Bezerra - Médica de Saúde Familiar, em fevereiro de 2020.

Bibliografia

  • CHEMSIAN, R. V.; et al. Videolaryngoscopy. Int J Crit Illn Inj Sci. 4. 1; 35–41, 2014
  • HANSEL, J.; et al. Videolaryngoscopy versus direct laryngoscopy for adults undergoing tracheal intubation. Cochrane Database Syst Rev. 4. 4; CD011136, 2022
Mostrar bibliografia completa
  • GUIMARÃES, V.F.. Estabilização de imagens de videolaringoscopia. Dissertação de Mestrado do programa de Pós-graduação Interunidades em Bioengenharia, 2008. Universidade de São Paulo, São Carlos.
  • PIGNATARI, Shirley S.N.; ANSELMO-LIMA, Wilma T. Tratado de Otorrinolaringologia da ABORL e CCF. 3.ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2018.
Revisão médica:
Dr.ª Clarisse Bezerra
Médica de Saúde Familiar
Formada em Medicina pelo Centro Universitário Christus e especialista em Saúde da Família pela Universidade Estácio de Sá. Registro CRM-CE nº 16976.