Ative as notificações para não perder as publicações de saúde e bem estar mais interessantes.
O que você precisa saber?

Dor nas pernas: causas mais comuns e o que fazer

A dor nas pernas pode ter diversas causas, como má circulação, dor ciática, excesso de esforço físico ou neuropatia e, por isso, para identificar a sua causa deve-se observar o local exato e as características da dor, assim como se as duas pernas são afetadas ou somente uma e se a dor piora ou melhora com o repouso.

Normalmente a dor na perna que não melhora com o repouso indica problemas de circulação, como doença vascular periférica, enquanto dor nas pernas ao acordar pode ser sinal de câimbra noturna ou de falta de circulação. Já a dor nas pernas e nas costas pode ser sintoma de problemas na coluna ou compressão do nervo ciático, por exemplo. 

Causas mais comuns de dor nas pernas 

Dor nas pernas: causas mais comuns e o que fazer

Algumas possíveis causas de dor nas pernas são:

1. Alterações musculares ou nos tendões

A dor nas pernas de causa osteo muscular não segue o trajeto dos nervos e pioram ao movimentar as pernas. Algumas alterações que podem ser a causa da dor incluem miosite, tenossinovite, abscesso da coxa e fibromialgia. A dor muscular pode surgir após um esforço físico repentino, como depois de praticar exercício físico intenso ou ao usar um sapato desconfortável. Nestes casos, a dor geralmente surge no final do dia e é, muitas vezes, sentida como "cansaço nas pernas". Outra causa comum de dor nas pernas de origem muscular são as cãibras que normalmente ocorrem durante a noite e são muito frequentes durante a gravidez. 

A dor na região da batata de perna também pode ser causada pela síndrome compartimental, que causa dor intensa na perna e inchaço, que surgem de 5-10 minutos após iniciar atividade física e a região permanece dolorida por longos períodos. A dor na região anterior da perna também pode ser causada pela tendinite do tibial anterior, que acontece em atletas e pessoas que praticam atividade física muito intensa, como corredores de longa distância. 

O que fazer: Tomar um banho morno e deitar com as pernas elevadas porque isso facilita a circulação sanguínea, reduzindo o cansaço. O repouso também é importante, mas não há necessidade de repouso absoluto, sendo indicado apenas evitar os treinos e grandes esforços. Em caso de tendinite o uso de gelo e pomadas anti-inflamatórias podem auxiliar a cura mais rápida. 

2. Problemas articulares

Especialmente nos idosos, a dor nas pernas pode estar relacionada a problemas ortopédicos como artrite ou artrose. Nestes casos outros sintomas devem estar presentes como dor nas articulações e rigidez nos primeiros 15 minutos da manhã. A dor pode não estar presente todos os dias mas tende a piorar ao realizar esforços, e reduz com o repouso. A deformidade dos joelhos pode indicar artrose, enquanto que uma aparência mais avermelhada e quente pode indicar artrite. No entanto, a dor no joelho também pode estar presente após uma queda, doenças do quadril ou diferença no comprimento das pernas. 

O que fazer: aplicar uma compressa quente sobre a articulação afetada, como joelho ou tornozelo, durante cerca de 15 minutos. Além disso, é recomendado consultar o ortopedista pois pode ser necessário tomar anti-inflamatórios ou fazer fisioterapia. 

3. Alterações da coluna vertebral 

Quando a dor nas pernas se agrava com a movimentação da coluna, pode ser causada por lesões vertebrais. A estenose do canal vertebral pode causar dor moderada ou intensa com sensação de peso ou cãibra na região lombar, glúteos, coxas e pernas durante ao caminhar. Nesse caso a dor só alivia ao sentar ou inclinar o tronco para frente, a sensação de dormência pode estar presente. A espondilolistese também é uma possível causa de dor nas costas que irradia para as pernas, nesse caso a dor é em sensação de peso na coluna lombar, a pessoa caminha com dor mas a esta alivia durante o repouso. A hérnia de disco também causa dor nas costas que irradia para as pernas, a dor é aguda, intensa  e pode irradiar para glúteos, posterior da perna, lateral da perna e do tornozelo e planta do pé.

O que fazer: colocar uma compressa morna no local da dor pode aliviar os sintomas, mas o médico pode recomendar a toma de anti-inflamatórios e recomendar que se faça fisioterapia. 

4. Dor ciática

Quando a dor nas pernas é provocada por alterações do nervo ciático a pessoa pode sentir dor no fundo das costas, glúteos e parte detrás da coxa, podendo haver também sensação de formigamento ou fraqueza nas pernas. A dor pode ser lancinante, em forma de pontada ou choque que se instala subitamente no fundo das costas e irradia para as pernas, afetando glúteos, parte posterior da coxa, lateral da perna, tornozelo e pé. 

Se achar que a dor é provocada pelo nervo ciático, responda as seguintes questões:

  1. 1. Dor em formigamento, dormência ou choque na coluna, glúteo, perna ou planta do pé.
    Sim
    Não
  2. 2. Sensação de queimação, fisgada ou perna cansada.
    Sim
    Não
  3. 3. Fraqueza numa ou nas duas pernas.
    Sim
    Não
  4. 4. Dor que piora ao ficar muito tempo parado.
    Sim
    Não
  5. 5. Dificuldade para caminhar ou ficar muito tempo na mesma posição.
    Sim
    Não
Imagem que indica que o site está carregando

O que fazer: colocar uma compressa morna no local da dor, deixando atuar por 20 minutos, além de evitar esforços, levantar objetos pesados e, em alguns casos, pode ser preciso fazer fisioterapia. Confira alguns exemplos de exercícios que pode fazer em casa para combater a dor ciática no vídeo a seguir: 

EXERCÍCIOS PARA CURAR NERVO CIÁTICO INFLAMADO

1.9 milhões visualizações

5. Má circulação sanguínea

A dor nas pernas causada por má circulação afeta principalmente idosos e pode surgir em qualquer hora do dia, mas piora após passar algum tempo sentado ou de pé, na mesma posição. Os pés e os tornozelos podem ficar inchados e com uma coloração arroxeada, indicando dificuldade no retorno do sangue para o coração.

Uma situação um pouco mais grave é o surgimento de trombose, que acontece quando um pequeno coágulo consegue interromper uma parte da circulação para as pernas. Nesse caso, a dor é localizada, mais frequentemente, na panturrilha, e existe dificuldade para movimentar os pés. Esta é uma situação que pode acontecer após alguma cirurgia ou quando se usa anticoncepcional sem orientação médica.

O que fazer: Deitar de barriga para cima com as pernas elevadas durante 30 minutos pode ajudar, mas o médico pode indicar o uso de remédios para melhorar a circulação, assim como o uso de meias de compressão elástica. Já em caso de suspeita de trombose deve-se ir rapidamente ao hospital.

6. Dor do crescimento

A dor na perna na criança ou adolescente pode ser causada pelo rápido crescimento ósseo, o que pode acontecer por volta dos 3-10 anos, não sendo uma alteração grave. A localização da dor é mais próxima do joelho mas pode afetar toda a perna, chegando até o tornozelo, sendo comum que a criança se queixe à noite antes de ir dormir ou depois de ter realizado algum tipo de atividade física mais intensa. Saiba mais sobre a dor do crescimento na criança

O que fazer: Colocar pedrinhas de gelo dentro de uma meia e colocar na região dolorida, deixando atuar por 10-15 minutos pode ajudar no alívio da dor. Os pais também podem realizar uma massagem com creme hidratante ou óleo de amêndoas e  deixar a criança descansando. Não há necessidade de cessar a atividade física, somente diminuir a sua intensidade ou frequência semanal. 

Outras causas menos comuns

Outras causas menos comuns hemocromatose, gota, doença de Paget, osteomalácea ou tumores. Quando a dor nas pernas está mais relacionada ao cansaço e falta de energia o médico pode suspeitar de fibromialgia, síndrome da fadiga crônica ou dor miofacial, por exemplo. Por isso, para saber exatamente o que está causando dor nas pernas pode ser preciso uma avaliação médica ou fisioterapêutica.

Dor nas pernas na gravidez

A dor nas pernas na gravidez é um sintoma muito comum e normal, principalmente no início da gravidez, pois há um grande aumento de produção de estrogênio e progesterona, que provocam dilatação das veias das pernas, aumentando o volume de sangue nas pernas da mulher. O crescimento do bebê no útero, assim como o aumento de peso da grávida, levam a compressão do nervo ciático e da veia cava inferior levando ao inchaço e dor nas pernas.

Para aliviar este desconforto, a mulher pode deitar de barriga para cima, com os joelhos dobrados, fazendo um exercício de alongamento da coluna e descansar com as pernas elevadas.

Como é feito o diagnóstico

O médico poderá observar os sintomas e examinar o indivíduo, observando as curvaturas da coluna, extremidades ósseas, poderá realizar exames de provocação de dor, e também a palpação do abdômen para avaliar se há dor na região abdominal ou pélvica. A realização de exames de sangue, exame do líquido sinovial pode ser útil se houver suspeita de sinovite ou artrite, e os exames de imagem como raio X ou ressonância magnética podem ser solicitados em caso de suspeita de alterações na coluna. Com base nos resultados, pode-se chegar ao diagnóstico e indica-se o tratamento mais indicado para cada caso.

Quando ir ao médico

É aconselhado ir no médico quando a dor nas pernas é muito intensa ou quando existem outros sintomas. Também é importante ir ao médico:

  • Quando a dor na perna é localizada e muito intensa;
  • Quando há rigidez da panturrilha;
  • Em caso de febre;
  • Quando os pés e tornozelos estão muito inchados;
  • Em caso de suspeita de fratura;
  • Quando não permite o trabalho;
  • Quando dificulta a caminhada.

Na consulta deve-se referir a intensidade da dor, quando ela surgiu e o que foi feito para tentar amenizar. O médico poderá solicitar exames para indicar o tratamento adequado, que por vezes pode incluir uso de medicamentos ou fisioterapia.


Bibliografia

  • KISNER, Carolyn; COLBY Lynn Allen. Exercícios terapêuticos: Fundamentos e Técnicas. 6ª.ed. São Paulo: Manole, 2016.
  • Mark Dutton. Fisioterapia ortopédica: exame, avaliação e intervenção. 2ª.ed. Porto Alegre: Artmed, 2010.
  • TEIXEIRA, Manoel Jacobsen, et al. Dor nos membros inferiores. Rev. Med. (São Paulo). Vol.80. 2.ed; 391-414, 2001
Gostou do que leu?   
Sim  /  Não

Se ficou com alguma dúvida ou encontrou algum erro escreva aqui para que possamos melhorar o texto. Não lhe iremos responder directamente. Se quiser uma resposta clique em Contato.

Enviar Carregando elementos na página
Mais sobre este assunto:
Carregando
...
Fechar

Pode perguntar

Fechar
É hora de acabar com todas as suas dúvidas!
Erro
Erro
Erro
Marque a caixa de verificação acima.
Enviar Mensagem