Ative as notificações para não perder as publicações de saúde e bem estar mais interessantes.
O que você precisa saber?

O que é Vertigem e principais causas

A vertigem é um tipo de tontura, caracterizada por perda do equilíbrio corporal, com a sensação de que o ambiente ou próprio corpo se movem ou rodam, geralmente, acompanhada por náuseas, vômitos, suor e palidez, podendo também surgir com zumbido ou diminuição da audição.

Na maioria das vezes, a vertigem é causada por doenças relacionadas ao ouvido, chamadas de síndromes vestibulares periféricas, ou popularmente labirintites, que incluem doenças como vertigem posicional paroxística benigna (VPPB), neurite vestibular, doença de Ménière e intoxicação por remédios, por exemplo. Entretanto, também podem surgir devido a uma alteração neurológica mais grave, que incluem AVC, enxaqueca ou tumor cerebral.

Também é importante lembrar que existem diversas outras causas de tontura, relacionadas tanto a causas cardiovasculares, como queda de pressão ou arritmias, a distúrbios do equilíbrio, por doenças ortopédicas ou alterações da visão, ou até por causas psicológicas. Por isso, sempre que sintomas de vertigem ou tontura forem persistentes, é importante passar pela avaliação do clínico geral. 

Assim, entre as principais causas de vertigem, estão:

O que é Vertigem e principais causas

1. Vertigem Paroxística Posicional Benigna (VPPB)

É uma causa comum de vertigem, provocada pelo descolamento e movimentação dos otólitos, que são pequenos cristais que se localizam nos canais do ouvido, responsáveis por parte do equilíbrio. A vertigem costuma durar alguns segundos ou minutos, geralmente, desencadeada por alterações na posição da cabeça, como olhar pra cima ou para o lado.

O tratamento das crises é feito com remédios que funcionam como supressores vestibulares, como anti-histamínicos, antieméticos e sedativos. Entretanto, o tratamento para esta doença é feito com manobras fisioterapêuticas de reposicionamento dos otólitos, através de movimentos que utilizam a gravidade, como a manobra de Epley, por exemplo.

2. Outras labirintites

A doença de Ménière é uma causa ainda não esclarecida de labirintite, provavelmente por excesso de líquido nos canais do ouvido, e causa sintomas de vertigem, zumbido, sensação de ouvido cheio e diminuição da audição. Já a neurite vestibular causa uma vertigem aguda e intensa, que melhora em algumas semanas, e é provocada pela inflamação do nervo da região do ouvido, chamado de nervo vestibular. 

Estas doenças devem ser tratadas pelo otorrinolaringologista, que poderá orientar uso de medicamentos para aliviar e prevenir os sintomas, como corticóides no caso da neurite ou diuréticos no caso da doença de Ménière, por exemplo.

Outra doença que deve ser lembrada é a enxaqueca vestibular, quando a vertigem é provocada por uma enxaqueca, que dura minutos a horas, a depender da intensidade da crise, e é acompanhada por outros sintomas de enxaqueca, como dor de cabeça latejante, visão de pontos brilhantes e náuseas. O tratamento deve ser orientado pelo neurologista, com analgésicos e medicamentos para prevenir as crises.

3. Toxicidade por uso de medicamentos

Certos medicamentos pode ter efeito tóxico para regiões do ouvido, como cóclea e vestíbulo, e alguns deles são antibióticos, antiinflamatórios, diuréticos, antimaláricos, quimioterápicos ou anticonvulsivantes, por exemplo. 

Em algumas pessoas, substâncias como álcool, cafeína e nicotina podem desencadear ou piorar as crises, que consistem em tontura, zumbido e diminuição da audição. Para tratar, pode ser necessária a interrupção ou modificação do medicamento utilizado, quando indicado pelo médico.

O que é Vertigem e principais causas

4. Causas neurológicas

Tumor cerebral, traumatismo crânio-encefálico e AVC são causas neurológicas de vertigem, que costumam cursar de forma mais grave, persistente e sem melhora com o tratamento. Além disso, podem ser acompanhados de outros sinais e sintomas, como dor de cabeça, alteração da visão, diminuição da força muscular e dificuldades na fala, por exemplo.

O tratamento é orientado pelo neurologista de acordo com as necessidades, os sintomas e a gravidade da doença de cada pessoa.

5. Infecções

Infecções bacterianas ou virais da orelha interna, geralmente após uma otite, causam uma quadro abrupto de vertigem e diminuição da audição. Após confirmação da infecção pela avaliação médica, o tratamento é efetuado com corticóides e antibióticos, podendo ser necessária uma drenagem cirúrgica da secreção acumulada.

Como diferenciar vertigem de outros tipos de tontura?

A tontura não vertiginosa costuma causar sensações referidas pelas pessoas como "fraqueza súbita", "flutuação", "iminência de desmaio", "visão escurecida" ou "visão com pontos brilhantes", já que é comum ser causada por falta de oxigenação do cérebro devido a situações como queda de pressão, anemia ou alterações cardíacas, por exemplo.

Ela também pode ser referida como a sensação de "instabilidade" ou de que "irá cair a qualquer momento", quando há alguma situação que causa desequilíbrio, como osteoartrose, artrite, perda da sensibilidade dos pés por diabetes, além de dificuldades visuais ou auditivas.

Já na vertigem, há a sensação de que o ambiente ou próprio corpo estão "rodando" ou "balançando", associada a perda do equilíbrio, náuseas e vômitos. Apesar dessas diferenças, pode ser difícil compreender qual tipo de tontura se trata, por isso é importante passar pela avaliação médica, para que seja feito o diagnóstico correto. Saiba identificar os sinais para diferenciar as principais causas de tontura.

Mais sobre este assunto:


Carregando
...