Ative as notificações para não perder as publicações de saúde e bem estar mais interessantes.

7 transtornos mentais mais comuns: como identificar e tratar

Os transtornos mentais são definidos como uma alteração de tipo intelectual, emocional e/ou comportamental, que pode dificultar a interação da pessoa no meio em que cresce e se desenvolve.

Existem diversos tipos de transtornos mentais, que são classificados em tipos, e alguns dos mais comuns incluem aqueles relacionados à ansiedade, depressão, alimentação, personalidade ou movimentos, por exemplo.

7 transtornos mentais mais comuns: como identificar e tratar

Os principais transtornos mentais que tendem a surgir são:

1. Ansiedade

Os transtornos de ansiedade são muito comuns, presentes em cerca de 1 a cada 4 pessoas que vão ao médico. Eles são caracterizados por uma sensação de desconforto, tensão, medo ou mau pressentimento, que são muito desagradáveis e costumam ser provocados pela antecipação de um perigo ou algo desconhecido.

As formas mais comuns de ansiedade são a ansiedade generalizada, a síndrome do pânico e as fobias, e são muito prejudiciais tanto por afetar a vida social e emocional da pessoa, como por provocar sintomas desconfortáveis, como palpitação, suor frio, tremores, falta de ar, sensação de sufocamento, formigamentos ou calafrios, por exemplo, e pelo maior risco de desenvolver depressão ou vícios pelo álcool e medicamentos.

O que fazer: é recomendada a realização de psicoterapia com o psicólogo, além de acompanhamento com o psiquiatra que, em alguns casos, poderá indicar o uso de remédios que aliviam os sintomas, como antidepressivos ou ansiolíticos. Também é orientada a realização de atividade física e, além disso, pode ser útil o investimento em métodos naturais ou atividades de lazer como meditação, dança ou yoga, desde que orientados pelo médico. Saiba mais sobre as diferentes formas de tratar a ansiedade.

2. Depressão

A depressão é definida como o estado de humor deprimido que persiste por mais de 2 semanas, com tristeza e perda do interesse ou do prazer nas atividades, podendo ser acompanhada de sinais e sintomas como irritabilidade, insônia ou excesso de sono, apatia, emagrecimento ou ganho de peso, falta de energia ou dificuldade para se concentrar, por exemplo. Entenda como saber se é tristeza ou depressão.

O que fazer: para tratar a depressão, é indicado o acompanhamento com o psiquiatra, que irá indicar o tratamento de acordo com a gravidade do quadro e os sintomas apresentados. A principal forma de tratar a depressão é a combinação de psicoterapia com o psicólogo e uso de medicamentos antidepressivos prescritos pelo psiquiatra, que incluem Sertralina, Amitriptilina ou Venlafaxina, por exemplo.

3. Esquizofrenia

A esquizofrenia é o principal transtorno psicótico, caracterizado como uma síndrome que provoca distúrbios da linguagem, pensamento, percepção, atividade social, afeto e vontade.

Este transtorno é mais comum em jovens, no final da adolescência, mas pode surgir em outras idades, e alguns dos sinais e sintomas mais comuns são alucinações, alterações do comportamento, delírios, pensamento desorganizado, alterações do movimento ou afeto superficial, por exemplo. Conheça os principais tipos de esquizofrenia e como idnetificar os sintomas.

O que fazer: é necessário o acompanhamento psiquiátrico, que indicará o uso de medicamentos antipsicóticos, como Risperidona, Quetiapina, Clozapina e Olanzapina, por exemplo. Além disso, é fundamental a orientação à família e o seguimento com outros profissionais da área de saúde, como psicologia, terapia ocupacional e nutrição, por exemplo, para que o tratamento seja completamente eficaz.

4. Transtornos alimentares

A anorexia nervosa é um dos transtornos alimentares mais comuns e se caracteriza pela perda de peso intencional, provocada pela recusa à alimentação, distorção da própria imagem e medo de engordar.

Já a bulimia que também é relativamente frequente, consiste em comer grandes quantidades de comida e, em seguida, tentar eliminar as calorias de formas prejudiciais, como pela indução do vômito, uso de laxantes, exercício físico muito intenso ou jejum prolongado.

Os distúrbios alimentares são mais comuns em jovens, e têm sido cada vez mais frequentes pela cultura de valorização estética. Apesar da anorexia e bulimia serem os transtornos alimentares mais conhecidos, existem outros problemas relacionados à alimentação como a ortorexia, em que existe preocupação excessiva por comer alimentos saudáveis. Saiba quais são os principais transtornos alimentares.

O que fazer: não existe um tratamento simples para curar os transtornos alimentares, sendo necessário o tratamento psiquiátrico, psicológico e nutricional, e os medicamentos costumam ser indicados somente em casos de doenças associadas, como ansiedade ou depressão. Grupos de apoio e aconselhamento podem ser boas formas de complementar o tratamento e obter bons resultados.

7 transtornos mentais mais comuns: como identificar e tratar

5. Estresse pós traumático

O estresse pós traumático é a ansiedade que surge após ser exposto a alguma situação traumática, como um assalto, uma ameaça de morte ou perda de um ente querido, por exemplo. Geralmente, a pessoa afetada revive persistentemente o ocorrido com recordações ou sonhos, e apresenta intensa ansiedade e sofrimento psicológico. Confira como saber se é estresse pós traumático.

O que fazer: o tratamento é feito com psicoterapia, onde o psicólogo procura ajudar a perceber quais são os eventos que estão provocando os medos involuntários e como podem liberar as memórias traumáticas desses eventos. No entanto, em alguns casos, pode também ser necessário recorrer ao psiquiatra para que seja indicado  o uso de medicamentos, como antidepressivos ou ansiolíticos para aliviar os sintomas.

5. Somatização

A somatização é um transtorno em que a pessoa apresenta múltiplas queixas físicas, referentes a diversos órgãos do corpo, mas que não são explicadas por nenhuma alteração clínica. Geralmente, são pessoas que constantemente vão ao médico com muitas queixas, e na avaliação médica, exame físico e realização de exames, nada é detectado.

Na maioria dos casos, as pessoas com transtorno de somatização apresentam ansiedade e alterações do humor, além de poderem apresentar impulsividade. Quando além de sentir a pessoa chega a simular ou provocar intencionalmente sintomas, a doença passa a ser chamada de transtorno factício.

O que fazer: é necessário um acompanhamento psiquiátrico e psicológico, de forma que a pessoa consiga amenizar os sintomas. Remédios como antidepressivos ou ansiolíticos podem ser necessários em alguns casos. Saiba mais sobre a somatização e as doenças psicossomáticas.

6. Transtorno bipolar

O transtorno bipolar é a doença psiquiátrica que provoca oscilações imprevisíveis no humor, variando entre depressão, que consiste em tristeza e desânimo, e mania, impulsividade e característica excessivamente extrovertida. Entenda como identificar e tratar o transtorno bipolar.

O que fazer: o tratamento costuma ser feito com medicamentos estabilizadores do humor, como carbonato de lítio, que deve ser recomendado pelo psiquiatra.

7. Transtorno obsessivo-compulsivo

Também conhecido com o TOC, este transtorno provoca pensamentos obsessivos e compulsivos que prejudicam a atividade diária da pessoa, como exagero em limpeza, obsessão por lavar as mãos, necessidade de simetria ou impulsividade por acumular objetos, por exemplo.

O que fazer: o tratamento para transtorno obsessivo-compulsivo é orientado pelo psiquiatra, com a ingestão de remédios antidepressivos, como Clomipramina, Paroxetina, Fluoxetina ou Sertralina, sendo também recomendado fazer terapia cognitivo-comportamental. Saiba mais detalhes sobre como identificar e tratar esta doença.

Outros transtornos mentais

Além dos transtornos indicados anteriormente, também existem outros que são descritos pelo Manual Diagnóstico e Estatístico dos Transtornos Mentais (DSM-5), como:

  • Transtornos psicóticos, como esquizofrenia ou transtorno delirante;
  • Transtornos de personalidade, como dos tipos paranoide, anti social, borderline, histriônica ou narcisista, por exemplo;
  • Transtornos relacionados ao uso de substâncias, como drogas ilícitas, álcool, medicamentos ou cigarros, por exemplo;
  • Transtornos neurocognitivos, como delirium, Alzheimer ou outras demências;
  • Transtorno do neurodesenvolvimento, como deficiências intelectuais, transtornos da comunicação, autismo, déficit de atenção e hiperatividade ou alterações dos movimentos;
  • Disfunções sexuais, como ejaculação precoce ou retardada;
  • Transtorno do sono-vigília, como insônia, hipersonolência ou narcolepsia;
  • Transtornos parafílicos, relacionados ao desejo sexual.

Em caso de suspeita de algum transtorno mental é muito importante consultar um psicólogo ou psiquiatra, para que seja realizada a avaliação necessária, identificado o diagnóstico e iniciado o tratamento mais adequado.

Esta informação foi útil?

Sua opinião é importante! Escreva aqui como podemos melhorar o nosso texto:

Ficou alguma dúvida? Clique aqui para ser respondido.
Verifique o email de confirmação que lhe enviamos.

Bibliografia

  • American Psychiatric Assciation. Manual de diagnóstico e estatística das perturbações mentais. 5.ed. Portugal: Climepsi, 2013.
Mais sobre este assunto:

Carregando
...
Fechar Simbolo de finalizado

Pode perguntar

Fechar
É hora de acabar com todas as suas dúvidas!
Erro
Erro
Erro
Marque a caixa de verificação acima.
Enviar Mensagem