Ative as notificações para não perder as publicações de saúde e bem estar mais interessantes.
O que você precisa saber?

Psicose: o que é, sintomas e tratamento

A psicose é um transtorno psicológico em que o estado mental da pessoa se encontra alterado, fazendo com que viva em dois mundos simultaneamente, no mundo real e no seu imaginário, porém não consegue diferenciá-los e muitas vezes eles se fundem.

O principal sintoma da psicose são os delírios. Ou seja, a pessoa em estado de psicose não consegue distinguir a realidade da fantasia e, por isso, não sabe situar-se no tempo e no espaço e possui muitas cismas. Um psicótico pode cismar que o vizinho de baixo o quer matar, mesmo tendo consciência de que não mora ninguém no apartamento de baixo.

Psicose: o que é, sintomas e tratamento

Principais sintomas

Comumente uma pessoa psicótica apresenta-se agitada, agressiva e impulsiva mas os principais sintomas da psicose incluem:

  • Delírios;
  • Alucinações como ouvir vozes;
  • Discurso desorganizado, saltando entre vários temas de conversa;
  • Comportamento desorganizado, podendo passar períodos muito agitados ou muito lentos;
  • Mudanças bruscas de humor ficando muito feliz num momento e depressivo logo a seguir;
  • Confusão mental;
  • Dificuldade para se relacionar com outras pessoas;
  • Agitação;
  • Insônia;
  • Agressividade e autoagressão.

A psicose geralmente aparece em jovens ou adolescentes e pode ser passageira, sendo chamada de perturbação psicótica breve, ou estar relacionada a outras doenças psiquiátricas como transtorno bipolar, Alzheimer, epilepsia, esquizofrenia, ou depressão, sendo comum também em usuários de drogas. 

Como é feito o tratamento

O tratamento para psicose deve ser direcionado pelo psiquiatra e consiste na toma de medicamentos antipsicóticos e estabilizadores de humor como risperidona, haloperidol, lorazepam ou carbamazepina.

Muitas vezes além dos medicamentos é necessário o internamento num hospital psiquiátrico onde podem ser realizados tratamentos com aparelhos elétricos para eletroconvulsoterapia. No entanto, o Ministério de Saúde só aprova esta terapia em situações específicas como risco iminente de suicídio, catatonia ou síndrome neuroléptica maligna, por exemplo.

O internamento pode demorar de 1 a 2 meses até que a pessoa esteja melhor e possa receber alta porque já não é capaz de colocar a sua vida e a dos outros em risco mas para manter a pessoa sob controle o psiquiatra pode ainda manter os medicamentos que poderão ser tomados durante anos.

Além disso, as sessões semanais com o psicólogo ou psiquiatra poderão ser úteis para reorganizar as ideias e se sentir melhor, desde que a pessoa tome os remédios de forma correta.

No caso de uma psicose no pós-parto o médico também pode prescrever medicamentos e quando a psicose coloca a vida do bebê em risco a mãe pode ser afastada deste, sendo necessário até mesmo o internamento hospitalar. Geralmente após o tratamento os sintomas desaparecem e a mulher volta ao normal, mas existe o risco dela ter uma novo quadro psicótico num outro pós-parto.

Principais causas

A psicose não tem uma única causa mas diversos fatores relacionados entre si podem levar ao seu surgimento. Alguns fatores que contribuem para o desenvolvimento de uma psicose são:

  • Doenças que afetam o sistema nervoso central como Alzheimer, AVC, AIDS, Parkinson;
  • Insônia grave, onde a pessoa leva mais de 7 dias sem dormir;
  • Uso de substâncias alucinógenas;
  • Uso de drogas ilícitas;
  • Momento de grande stress;
  • Depressão profunda.

Para chegar ao diagnóstico de uma psicose o psiquiatra deve observar a pessoa pessoalmente tentando identificar os sintomas apresentados mas também poderá solicitar exames de sangue, raio-x, tomografia e ressonância magnética para tentar identificar se existe alguma alteração que possa estar causando a psicose ou despistar outras doenças.


Bibliografia

  • ELETROCHOQUE: TERAPIA NECESSÁRIA OU RETROCESSO?. Deutsche Welle Brasil. Link: <www.dw.com>. Acesso em 13 Jun 2019
  • American Psychiatric Association. Manual de diagnóstico e estatística das perturbações mentais. 5.ed. Portugal: Climepsi, 2013.
  • Pawel D. Mankiewicz, John O’Leary & Olivia Collier. That hour served me better than any hour I have ever had before’: Service users’ experiences of CBTp in first episode psychosis. Counselling Psychology Review. 2018
Esta informação foi útil?   
Sim  /  Não

Se ficou com alguma dúvida ou encontrou algum erro escreva aqui para que possamos melhorar o texto. Não lhe iremos responder directamente. Se quiser uma resposta clique em Contato.

Enviar Carregando elementos na página
Mais sobre este assunto:


Publicidade
Carregando
...
Fechar

Pode perguntar

Fechar
É hora de acabar com todas as suas dúvidas!
Erro
Erro
Erro
Marque a caixa de verificação acima.
Enviar Mensagem