Ative as notificações para não perder as publicações de saúde e bem estar mais interessantes.
O que você precisa saber?

Perda de energia e cansaço constante são sinais de depressão

Perda de energia, falta de vontade para realizar atividades que davam prazer e cansaço constante podem indicar depressão. Além disso, pode ocorrer perda de peso sem razão aparente e dificuldade em dormir, porque ocorre diminuição da serotonina, que é o hormônio do prazer e do bem-estar.

Geralmente, os sinais de depressão estão presentes por mais de 2 semanas, sendo necessário ir no psiquiatra para iniciar o tratamento e curar a doença.

Na maioria dos casos, é necessário tomar antidepressivos, ansiolíticos e fazer sessões de psicoterapia com um psicólogo para recuperar e evitar recaídas.

Sintomas de depressão

Os principais sinais que podem indicar depressão, incluem:

Perda de energia e cansaço constante são sinais de depressão
Perda de energia e cansaço constante são sinais de depressão

1. Perda de energia e cansaço constante

A perda de energia e o desinteresse por atividades que antes eram interessantes e que davam prazer podem indicar depressão. Além disso, a falta de motivação para cozinhar, trabalhar ou conviver com os amigos também estão presentes devido ao cansaço constante.

2. Sensação de tristeza profunda

A sensação de tristeza profunda exagerada para a situação manifesta-se através de um rosto triste, olhos caídos, sem brilho e tronco curvado. É frequente ter crises de choro, prevalecendo pessimismo, sentimentos de culpa e baixa autoestima.

Além disso, devido à baixa autoestima, é normal ter sentimento de inutilidade e, por isso, isolar-se dos amigos e família e, em casos mais graves, quando se perde a esperança é normal pensar no suicídio.

3. Irritabilidade ou lentidão

Perda de energia e cansaço constante são sinais de depressão
Perda de energia e cansaço constante são sinais de depressão

Devido à tristeza profunda é comum manifestar irritabilidade, ataques de raiva e ansiedade, causando sintomas como tremores, gritos e suores de forma exagerada.
No entanto, em alguns momentos devido ao cansaço frequente e tristeza pode-se apresentar lentificação que afeta o pesamento e a fala.

Além disso, pode surgir dificuldade de concentração e perdas de memória, com momentos de enorme desconcentração que afeta o trabalho e a escola.

4. Dores no corpo

A depressão pode causar dor de cabeça, devido às noites mal dormidas e às alterações do humor. Além disso, pode ocorrer sensação de aperto no peito e peso nas pernas.

Também é frequente queda de cabelo, unhas fracas, pernas inchadas e dor nas costas e estômago, além de vômitos e tremores, que por vezes são efeitos colaterais dos remédios para tratar a depressão.

5. Problemas de sono e alterações de peso

É normal apresentar insônia, principalmente acordando de madrugada e não voltando a adormecer, acordando com muito cansaço e mal-estar.

Além disso, outro sintoma físico de depressão é a perda de mais de 5% do peso corporal sem razão aparente. Em alguns casos, pode ocorrer aumento de peso, manifestando especial desejo para comer doces.

Perda de energia e cansaço constante são sinais de depressão
Perda de energia e cansaço constante são sinais de depressão

Como é feito o diagnostico da depressão

Para diagnosticar a depressão é necessário ter pelo menos 5 sintomas, dos 9 que indicamos a seguir, que devem estar presentes durante pelo menos 2 semanas seguidas:

  1. Humor deprimido, que pode se manifestar por: tristeza, sentir-se vazio, sem esperança, choro fácil. Nas crianças a irritabilidade pode indicar depressão;
  2. Perda do prazer nas atividades que antes apreciava muito;
  3. Emagrecimento ou aumento do peso, perdendo pelo menos 5% do peso em apenas 1 mês, sem estar de dieta. Aumento ou diminuição do apetite na maior parte dos dias;
  4. Ter dificuldade para dormir, apresentando insônia ou ter excesso de sono, e dormir muitas horas, mesmo durante o dia;
  5. Pode sentir-se agitado ou, pelo contrário, com lentificação dos movimentos;
  6. Sentir-se sempre cansado e com falta de energia;
  7. Sentir-se inútil ou sempre culpado de tudo, de forma inapropriada;
  8. Dificuldade de concentração e de tomar decisões;
  9. Ter pensamentos de morte, como ter medo de morrer ou pensar em suicídio, ou mesmo tentativa de suicídio anterior. 

O diagnóstico é feito pelo psiquiatra que precisa de conversar com o doente e com a família. O médico também deve indicar a gravidade da depressão, como sendo leve, moderada ou grave, para adequar o tratamento.

Teste online de depressão

Se acha que pode estar com depressão, faça o teste a seguir e veja qual o seu risco:

  1. 1. Sinto que gosto de fazer as mesmas coisas de antes
    Sim
    Não
  2. 2. Dou risadas espontaneamente e me divirto com coisas engraçadas
    Sim
    Não
  3. 3. Existem momentos durante o dia em que me sinto alegre
    Sim
    Não
  4. 4. Sinto que tenho um pensamento rápido
    Sim
    Não
  5. 5. Gosto de cuidar da minha aparência
    Sim
    Não
  6. 6. Me sinto animado com coisas boas que estão por vir
    Sim
    Não
  7. 7. Sinto prazer quando assisto um programa na televisão ou leio um livro
    Sim
    Não
Imagem que indica que o site está carregando

Tratamento para depressão

O tratamento para depressão pode ser feito com a ingestão de antidepressivos, como Amitriptilina, Lexapro, Fluoxetina e Pondera, porém também pode ser necessário suplementação de vitamina B6 e ômega 3. O médico também pode recomendar o uso de ansiolíticos para dormir melhor e controlar a ansiedade, como Alprazolam.

Além dos medicamentos receitados pelo médico é importante adotar novos hábitos de vida, como praticar atividade física regularmente, alimentar-se de forma adequada, ingerindo muitos vegetais e frutas porque são ricos em vitaminas e minerais, como banana ou tomate, por exemplo. Veja uma lista completa de alimentos que ajudam a sair da depressão mais rápido.

Fazer sessões de psicoterapia com um psicólogo experiente é fundamental porque ajuda a desenvolver estratégias para aumentar a autoestima, vencer a angústia e controlar a ansiedade. O tratamento tem de ser feito durante pelo menos 6 meses e mesmo que os sintomas já não estejam presentes é fundamental manter o tratamento para evitar recaídas.

Gostou do que leu?   
Sim  /  Não

Se ficou com alguma dúvida ou encontrou algum erro escreva aqui para que possamos melhorar o texto.

Enviar Carregando elementos na página
Mais sobre este assunto:


Publicidade
Carregando
...
Fechar