Emoções: o que são, principais tipos e como identificar

Revisão médica: Dr. Gonzalo Ramirez
Clínico Geral e Psicólogo
abril 2022

As emoções são uma resposta do corpo a estímulos externos que envolvem experiências pessoais, comportamentais e fisiológicas, gerando um sentimento de prazer ou de descontentamento. As emoções geralmente são espontâneas e se manifestam através de reações físicas como choro, sorriso, tremores e até quando se fica de rosto vermelho.

As emoções humanas podem ser consideradas positivas ou negativas e são naturais ou aprendidas através do convívio com outras pessoas. Quando essas emoções geram transtornos ou prejudicam as relações pessoais e de trabalho, existem maneiras de aprender a lidar melhor com elas, como a psicoterapia, por exemplo. Entenda como funciona a psicoterapia.  

Além disso, existem diversos tipos de emoções, sendo que cada pessoa as expressa de forma diferente, de acordo com o seu temperamento, personalidade e motivação.

Principais tipos de emoções

As principais emoções básicas são:

1. Alegria

A alegria é uma emoção que se caracteriza pelos sentimentos de felicidade, contentamento, satisfação, sensação de bem-estar e gratidão. Uma pessoa alegre pode ser resultado de alguma situação como ganhar um presente, comprar uma casa, encontrar com amigos, receber uma promoção no trabalho ou estar com a família, por exemplo.

Uma pessoa alegre pode sentir-se animado, esperançoso, com energia, inspirado, divertido e consegue desenvolver melhor as atividades do dia-a-dia, como trabalhar, por exemplo. Esta emoção costuma se alterar ao longo da vida, ou seja, uma pessoa pode se sentir mais alegre em determinadas situações, entretanto, pode variar com a tristeza.

Como identificar: a alegria pode ser identificada através de expressões faciais, como o sorriso, ou corporais, como uma postura mais relaxada ou uma forma mais agradável de falar, por exemplo.

2. Tristeza

A tristeza é um tipo de emoção caracterizada pelo sentimento de decepção, falta de esperança ou de interesse, insatisfação, ou desânimo, e que ocorre, principalmente, devido a situações de perda, como a de um familiar ou de um trabalho, ou o diagnóstico de uma doença crônica, por exemplo.

Geralmente, a tristeza tende a ser sentida por um período curto e transitório, podendo dar origem a outros tipos de emoções como culpa, vergonha, isolamento ou sensação de vazio.

No entanto, quando a tristeza é profunda, não tem motivos para existir e é contínua, é necessário consultar um psiquiatra, pois pode se tornar uma depressão e isto requer o uso de medicamentos específicos, como os antidepressivos. Confira mais como diferenciar a tristeza da depressão.  

Como identificar: a tristeza pode ser identificada através de sinais como choro, vontade excessiva de dormir ou perda de entusiasmo para trabalhar e sair de casa, por exemplo.

3. Medo

O medo é uma reação natural do corpo que surge quando existe alguma situação de ameaça ou perigo, e que desencadeia uma resposta de sobrevivência do organismo para lutar ou fugir da situação, e por isso, se caracteriza pelo aumento dos batimentos cardíacos, respiração rápida ou contração dos músculos.

No entanto, o medo pode ser desencadeado por situações que normalmente não causam essa emoção, como lugares fechados, animais ou objetos, podendo se transformar em fobia, que é o medo exagerado. A ansiedade também pode causar medo, pois leva a pessoa a sentir antecipadamente que algum acontecimento ruim vai acontecer. Saiba identificar os sintomas de ansiedade

Como identificar: o medo pode ser percebido através de sinais, como espanto, arregalar os olhos, tremor, suor excessivo, tentativa de correr ou se esconder da ameaça, por exemplo.

4. Nojo

O nojo é uma emoção que pode ser comparada à repulsa ou sentimento de aversão e isto acontece frequentemente com determinados alimentos e cheiros. As pessoas podem ter nojos por objetos diferentes de acordo com a cultura e suas próprias experiências.

Este tipo de emoção pode ser uma resposta do corpo a determinadas situações, como a gravidez ou pode ser resultado de tratamentos com quimioterapia, mas também pode ser causada por um cheiro, gosto ou visão desagradáveis, por exemplo.

Como identificar: o nojo pode ser percebido através de sinais como franzir o nariz, curvar os lábios, afastar-se do objeto ou de pessoas, náuseas ou vômitos, por exemplo.

5. Raiva

A raiva é uma emoção poderosa caracterizada pelo sentimento de agitação, hostilidade, frustração, irritação ou ressentimento, e assim como o medo, pode ter um importante papel de sobrevivência, preparando o corpo para uma situação de luta ou de fuga, e ser causada por diferenças ou desentendimentos entre as pessoas, pelo sentimento de injustiça e frustração.

Além disso, a raiva pode também ser construtiva, pois pode motivar a encontrar soluções para problemas ou situações que geram incômodo ou desconforto.

No entanto, quando a raiva é excessiva é necessário descobrir a causa, pois isso pode prejudicar o relacionamento entre as pessoas e provocar situações conflituosas. O psicólogo é um profissional que pode ajudar as pessoas a entenderem porque essa emoção é muito sentida e poderá recomendar a terapia cognitivo comportamental. Veja mais como é feita a terapia cognitivo comportamental.

Como identificar: a raiva pode ser observada através de alguns sinais como testa franzida tendência a falar mais alto, encarar a outra pessoa, ter um comportamento agressivo, violento, bater ou chutar objetos, ou até mesmo brigar. 

6. Surpresa

A surpresa é uma emoção que surge em resposta a uma situação inesperada, podendo ser negativa ou positiva, como ao receber uma notícia boa ou desagradável, ou levar um susto, por exemplo.

Geralmente, a surpresa é uma emoção rápida e tem como função no corpo reorientar a atenção da pessoa e redirecionar o foco, e se caracteriza por susto, espanto ou tensão muscular, e da mesma forma que o medo e a raiva, pode preparar o corpo para situações de ameaça.

Como identificar: a surpresa pode ser identificada com sinais como arregalar os olhos, levantar as sobrancelhas, abrir a boca, gritar ou ficar com a respiração ofegante. 

Outros tipos de emoção

Existem outras emoções, chamadas secundárias, que tem como base as emoções básicas universais e incluem: 

  • Otimismo;
  • Desprezo;
  • Vergonha;
  • Culpa;
  • Orgulho;
  • Insegurança;
  • Desespero;
  • Confusão;
  • Espanto;
  • Compaixão;
  • Confiança.

Essas emoções secundárias podem variar de acordo com a cultura ou estímulos, além da interpretação pessoal das situações do dia a dia.

Consequências das emoções

As diferentes emoções são provocadas por situações externas e algumas reações que manifestam as emoções incluem:

  • Dor de barriga;
  • Chorar ou rir;
  • Tremer, principalmente as pernas;
  • Corar;
  • Perder a voz;
  • Sentir a respiração ou o coração acelerado.

Dependendo da emoção e do comportamento, é importante a pessoa aprender a lidar com a reação, especialmente quando esta é negativa. Saiba como controlar as emoções negativas

Esta informação foi útil?

Atualizado por Manuel Reis - Enfermeiro, em abril de 2022. Revisão médica por Dr. Gonzalo Ramirez - Clínico Geral e Psicólogo, em abril de 2022.

Bibliografia

  • LAWRENCE, E. M.; et al. Happiness and longevity in the United States. Social Science & Medicine. 145. 115-119, 205
  • TRAMPE, Debra; QUOIDBACH, Jordi; TAQUET, Maxime. Emotions in Everyday Life. PLoS One. Vol.10, n.12. e0145450, 2015
Mostrar bibliografia completa
  • VERY WELL MIND. The 6 Types of Basic Emotions and Their Effect on Human Behavior. Disponível em: <https://www.verywellmind.com/an-overview-of-the-types-of-emotions-4163976>. Acesso em 20 dez 2019
  • COWEN, Alan S.; KELTNER, KELTNER, Dacher . Self-report captures 27 distinct categories of emotion bridged by continuous gradients. Proc Natl Acad Sci U S A. Vol.114, n.38. E7900-E7909, 2017
  • LINDNER, Evelin G. O que são emoções?. RBSE – Revista Brasileira de Sociologia da Emoção. Vol. 12, n.36. 822-845, 2013
Revisão médica:
Dr. Gonzalo Ramirez
Clínico Geral e Psicólogo
Clínico geral pela UPAEP com cédula profissional nº 12420918 e licenciado em Psicologia Clínica pela UDLAP nº 10101998.