Soluço constante: o que pode ser e o que fazer

outubro 2022

O soluço constante é pode surgir devido ao consumo excessivo de bebidas com gases, ou alimentos que aumentam a produção de gases, mas também pode ocorrer devido a condições de saúde, como refluxo gastroesofágico, pneumonia ou doenças neurológicas, por exemplo.

Na maioria das vezes, os soluços são inofensivos e passam em poucos minutos ou com estímulos, como prender a respiração, soprar ou beber água gelada, por exemplo, entretanto, o soluço constante é caracterizado por vários episódios de soluços durante o dia, durante vários dias seguidos. Veja algumas formas caseiras de parar o soluço.  

Quando o soluço se torna constante, dura mais de 48 horas, é importante investigar a causa, pois pode haver alguma alteração importante a nível neurológico, comprometimento do trato gastrointestinal ou respiratório, sendo necessária a avaliação do clínico geral para determinar sua causa e indicar o tratamento adequado.

As principais causas de soluço constante são:

1. Consumo excessivo de bebidas com gases

O consumo excessivo de bebidas com gases, como refrigerantes, água com gás ou cerveja, por exemplo, aumentam a quantidade de gás carbônico no estômago, promovendo sua dilatação.

Essa dilatação do estômago pode irritar o nervo frênico e vago, que inervam o diafragma, levando ao surgimento do soluço constante.

O que fazer: deve-se evitar consumir bebidas com gases frequentemente ou em excesso, dando preferência para bebidas sem gás, como água, sucos naturais ou chás, por exemplo. Além disso, para ajudar a parar o soluço, pode-se prender a respiração, soprar ou beber água gelada, por exemplo.

2. Alimentos que aumentam a produção de gases

O consumo excessivo de alimentos que aumentam a produção de gases, como repolho, brócolis, feijão, ervilha e arroz integral, por exemplo, também podem provocar a dilatação do estômago e estimular o nervo frênico, resultando em soluços constantes. Veja a lista completa de alimentos que causam gases

Além disso, consumir de forma excessiva alimentos apimentados ou muito condimentados, também pode provocar soluços constantes.

O que fazer: a adoção de uma dieta equilibrada e a redução do consumo de alimentos que aumentam a produção de gases, e comidas apimentadas pode ajudar a diminuir a frequência das crises de soluço. Saiba como fazer uma dieta equilibrada.

3. Engolir muito ar

Algumas situações, como comer muito depressa, mascar chicletes frequentemente, falar muito ou falar enquanto come, por exemplo, podem levar a pessoa a engolir muito ar e provocar a dilatação do estômago, resultando em soluções constantes. 

Além disso, engolir muito ar, que é chamado cientificamente de aerofagia, também pode provocar outros sintomas, como sensação de barriga inchada, peso no estômago, arrotos frequentes ou excesso de gases intestinais.

O que fazer: deve-se comer devagar, evitar mascar chicletes e evitar falar enquanto come, para evitar engolir muito ar, e reduzir os episódios de soluço. Veja outras formas de tratar a aerofagia

4. Problemas gastrointestinais

O soluço constante pode ser causado por problemas gastrointestinais, como esofagite de refluxo ou refluxo gastroesofágico, que podem causar irritação no esôfago devido a à volta do conteúdo do estômago para o esôfago e em direção à boca. Essa irritação no esôfago pode resultar em espasmos ou contrações no diafragma e soluços. 

Além disso, outros sintomas da esofagite de refluxo ou refluxo gastroesofágico podem estar presentes, como azia ou sensação de queimação constante, que piora após as refeições, queimação que pode atingir a garganta e peito, além do estômago, ou regurgitação dos alimentos. Saiba identificar os sintomas de refluxo gastroesofágico e esofagite.

O que fazer: deve-se consultar o gastroenterologista para que seja diagnosticado o problema gastrointestinal e iniciar o tratamento, que pode ser feito com remédios como omeprazol ou esomeprazol. Além disso, também é recomendada a adoção de uma dieta mais adequada e mudanças no estilo de vida, como evitar deitar-se após as refeições, por exemplo. Veja como fazer dieta para refluxo gastroesofágico.  

Assista o vídeo a seguir com a nutricionista Tatiana Zanin com dicas para aliviar a esofagite de refluxo:

5. Alterações no sistema respiratório 

O soluço constante pode surgir devido a alterações no sistema respiratório, seja por doenças, como pneumonia, ou aumento da frequência respiratória após um exercício físico extenuante, por exemplo, diminuindo a concentração de gás carbônico (CO2) na corrente sanguínea.

O que fazer: pode-se adotar medidas que estimulam o nervo vago e aumentam os níveis de CO2 no sangue, como soprar algo, beber água fria, prender a respiração por alguns segundos ou respirar dentro de um saco de papel, por exemplo. 

No entanto, quando o soluço não para com essas medidas, deve-se procurar atendimento médico para que sejam identificadas as possíveis causas e iniciado o tratamento  mais adequado.

6. Doenças neurológicas

Algumas doenças neurológicas, como trauma ou tumor cerebral, meningite, encefalite ou AVC, podem afetar partes do cérebro que transmitem informações para o abdômen, incluindo o músculo diafragma, causando sua contração ou espasmos, resultando em soluços constantes.

Além disso, outras doenças que podem causar danos nos nervos, como a esclerose múltipla ou a diabetes descontrolada, podem resultar em uma alteração no controle dos músculos respiratórios, levando a soluços constantes.

O que fazer: deve-se fazer o tratamento da doença que está causando os soluços, indicado pelo neurologista, reumatologista ou endocrinologista. Além disso, o médico pode indicar o uso de remédios que ajudam a aliviar os soluços constantes, como a clorpromazina, por exemplo. Nos casos graves que não melhoram com remédios, o médico pode fazer aplicações de anestésico no nervo frênico, para ajudar a aliviar os soluços.

7. Cirurgia na região do abdômen

O soluço constante pode surgir após procedimentos cirúrgicos na região do tórax ou abdômen, já que pode causar algum tipo de estimulação ou irritação na região do diafragma.

Essas causas estão muito relacionadas à ocorrência dos soluços, no entanto ainda não se sabe o que realmente leva à ocorrência desses espasmos. Conheça outras causas do soluço

O que fazer: deve-se consultar o médico responsável pela cirurgia, que pode indicar o uso de remédios para aliviar os soluços, como baclofeno, clorpromazina ou metoclopramida, por exemplo.

Soluço constante no bebê

O soluço no bebê é uma situação comum, pois neste período os seus músculos torácicos e o diafragma ainda estão se desenvolvendo e se adaptando, além de que é comum que o seu estômago se encha de ar após a amamentação. 

Assim, a presença de soluço não costuma ser preocupante, sendo recomendado adotar algumas medidas que ajudam a passar mais rápido, como deixar o bebê de pé ou colocá-lo para arrotar. Veja outras dicas do que fazer para parar o soluço no bebê

Entretanto, caso o soluço dure mais que 24 horas ou atrapalhe a alimentação, amamentação ou o sono, é importante consultar o pediatra, já que pode se tratar de algo mais sério, como infecções ou inflamações.

Esta informação foi útil?

Atualizado por Flávia Costa - Farmacêutica, em outubro de 2022. Revisão médica por Drª. Ana Luiza Lima - Cardiologista, em fevereiro de 2016.

Bibliografia

  • KOHSE, E. K.; et al. Chronic Hiccups: An Underestimated Problem. Anesth Analg. 125. 4; 1169-1183, 2017
  • REICHENBACH, Z. W.; et al. Chronic Hiccups. Curr Treat Options Gastroenterol. Jan 23. 2020
Mostrar bibliografia completa
  • STEGER, M.; et al. Systemic review: the pathogenesis and pharmacological treatment of hiccups. Aliment Pharmacol Ther. 42. 9; 1037-50, 2015
  • BREDENOORD, A. J. Management of belching, hiccups, and aerophagia. Clin Gastroenterol Hepatol. 11. 1; 6-12, 2013
  • LEUNG, A. K. C.; et al. Hiccups: A Non-Systematic Review. Curr Pediatr Rev. 16. 4; 277-284, 2020
  • QUIROGA, J. B.; GARCÍA, J. U.; GUEDES, J. B. Hiccups: a common problem with some unusual causes and cures. British Journal of General Practice. 66. 652; 584-586, 2016
  • ROUSE, S.; WODZIAK, M. Intractable Hiccups. Curr Neurol Neurosci Rep. 18. 8; 51, 2018
Revisão médica:
Drª. Ana Luiza Lima
Cardiologista
Médica Cardiologista, formada pela Universidade Federal de Pernambuco, em 2008 com registro profissional nº CRM/PE – 16886. 

Tuasaude no Youtube

  • Pare de sofrer com esofagite AGORA!

    07:47 | 394786 visualizações
  • REFLUXO GASTROESOFÁGICO - tratamento natural

    05:19 | 2671701 visualizações