Dieta para refluxo: o que comer e o que evitar

A dieta para o refluxo gastroesofágico deve ser balanceada e variada, sendo importante priorizar frutas, vegetais, leguminosas, cereais integrais, como arroz integral ou macarrão integral, e proteínas magras, como tofu, peixes brancos, ovos ou frango.

No entanto, durante a dieta é recomendado evitar o consumo de alimentos de difícil digestão, que causem gases ou que causem irritação no estômago, como frituras, salgadinhos, carboidratos refinados, como pão branco, refrigerantes, macarrão branco ou doces, e alimentos com cafeína, como café ou chocolate, por exemplo.

O refluxo acontece quando o ácido do estômago sobe para o esôfago, especialmente após as refeições, causando sintomas como queimação, dor ao engolir e regurgitação. O tratamento consiste principalmente em mudar os hábitos alimentares. No entanto, em alguns casos o médico pode recomendar o uso de remédios ou, quando os medicamentos não conseguem aliviar os sintomas do refluxo, o médico pode recomendar a realização de uma cirurgia. Entenda como é feito o tratamento para refluxo.

 Dieta para refluxo: o que comer e o que evitar

Alimentos permitidos

Os alimentos que devem ser incluídos na dieta são as frutas e os vegetais frescos, sendo também aconselhado dar preferência ao consumo de carnes com baixo teor de gordura, como o frango ou peru sem pele, assim como peixes brancos e os ovos. 

Os produtos lácteos e seus derivados devem ser desnatados, sendo recomendado o consumo de queijos brancos, como o ricota e o cottage. 

Também é possível consumir cereais integrais, como pão integral, arroz integral e macarrão integral; tubérculos, como batata, aipim e batata doce; e leguminosas, como feijão, grão de bico ou lentilha.

As gorduras saudáveis, como azeite de oliva, nozes e castanhas podem ser consumidas em pequenas porções. Além disso, é possível incluir o gengibre na preparação das refeições ou na forma de chá, pois possui propriedades anti-inflamatórias, melhorando os sintomas relacionados ao esvaziamento gástrico.

O chá de camomila também é uma opção interessante para incluir na alimentação, já que melhora os sintomas de má digestão e exerce um efeito calmante e relaxante no estômago, aliviando a acidez e o refluxo. Veja outros remédios naturais que aliviam os sintomas de refluxo.

Alimentos que devem ser evitados

Os alimentos influenciam diretamente na quantidade de ácido que é produzida no estômago e, por isso, a eliminação dos alimentos que aumentam a concentração de ácido ajudam a melhorar os sintomas em algumas pessoas.

É importante mencionar que os alimentos que pioram os sintomas do refluxo podem variar de pessoa para pessoa, sendo importante identificar quais são esses alimentos e, assim, evitar o seu consumo. Os alimentos que podem piorar os sintomas do refluxo gastroesofágico são:

  • Alimentos com alto teor de gordura, já que a digestão destes alimentos é mais lenta, permanecendo por mais tempo no estômago, retardando o esvaziamento gástrico e aumentando a produção de ácido. Dessa forma, é recomendado evitar o consumo de carnes vermelhas, salsichas, mortadela, batata frita, molhos prontos, maionese, croissant, biscoitos, bolos, pizza, molhos industrializados, queijos amarelos, manteiga, margarina, banha de porco, bacon, e leite e derivados integrais;
  • Cafeína, pois podem irritar a mucosa do estômago, estimulando a produção de ácidos no estômago. Por isso é aconselhado evitar os alimentos que contenham cafeína como café, chá preto, chá verde, chá mate, refrigerantes, bebidas energéticas e chocolate;
  • Bebidas alcoólicas, principalmente as fermentadas como cervejas e vinhos, pois irritam o estômago e aumentam a produção de ácido;
  • Bebidas gaseificadas, como os refrigerantes e a água com gás, pois aumentam a pressão dentro do estômago, causando desconforto;
  • Menta e hortelã, já que podem irritar a mucosa gástrica;
  • Pimentas, molhos picantes e temperos prontos, pois também são irritantes da mucosa do estômago e favorecem o aumento da acidez, resultando nos sintomas de refluxo.

Além disso, em algumas pessoas, principalmente naquelas que também possuem esofagite, os alimentos cítricos como laranja, abacaxi, limão e o tomate podem causar dor e mal-estar, sendo importante evitar, nesses casos, esses alimentos.

Algumas pessoas também podem se sentir mal ao consumir alimentos que contenham cebola e alho ou ao consumir frutas ricas em gordura como o abacate e o coco, sendo importante manter-se atento à tolerância a esses alimentos.

Cardápio da dieta para refluxo

A tabela a seguir traz o exemplo de um cardápio de 3 dias da dieta para refluxo.

Refeição

Dia 1

Dia 2

Dia 3

Café da manhã

1 copo de leite desnatado s/ açúcar + 2 fatias de pão integral com 1 fatia de queijo ricota + 1 pera pequena

1 iogurte desnatado com 1 col de sopa de aveia e 1/2 banana cortada em rodelas

1 copo de leite de amêndoas + 1 ovo mexido + 1 fatia de pão integral + 1/2 mamão papaia pequeno

Lanche da manhã

1 manga pequena + 2 nozes

1 ameixa fresca média +2 col. sopa de amendoim torrado s/ sal

1 fatia média de melão + 2 castanhas do Pará

Almoço/ Jantar

1 posta de robalo assado com 2 batatas médias + 4 col de sopa de vagem, cenoura e abobrinha cozidos e temperados com 1 col. sobremesa de azeite + 1 goiaba pequena

1 peito de frango médio grelhado + 3 col. sopa de arroz integral + 2 col. sopa de feijão + 1 pires de salada de alface, rúcula e espinafre, temperada com 1 colher de sobremesa de azeite de oliva + 4 morangos pequenos

3 col de sopa de quinoa + 4 col sopa de  chicória refogada em  col. de chá de azeite + 1 sobrecoxa de frango sem pele  ensopado + 1 pêssego

Lanche da tarde

1 maçã assada com 1 col. de sobremesa de manteiga de amendoim

Chá de gengibre sem açúcar + 3 torradas integrais com  2 fatias pequenas de queijo ricota

1 iogurte desnatado com 1 colher de sopa de semente de chia + 1 caqui médio

As quantidades incluídas no cardápio podem variar de acordo com a idade, gênero, atividade física e se a pessoa possui ou não alguma outra doença. Por isso, é recomendado passar por uma consulta com um nutricionista para que o plano alimentar seja adequado às necessidades individuais.

Outros cuidados que devem ser seguidos

Além da alimentação, é importante manter uma série de cuidados para evitar o refluxo, como por exemplo:

  • Evitar fazer refeições de grandes volumes, fracionando-as em pequenas porções ao longo do dia, a cada 2 ou 3 horas;
  • Evitar beber líquidos durante as refeições;
  • Evitar comer de 3 horas antes de deitar;
  • Aumentar o consumo de frutas e legumes;
  • Evitar fazer exercícios logo após as refeições;
  • Mastigar bem os alimentos e fazer as refeições em um local tranquilo;
  • No caso de estar acima do peso, é recomendado ir ao nutricionista para que seja elaborado um plano nutricional adequado para auxiliar na perda de peso;
  • Dormir em um ângulo de 45 graus, colocando uma almofada ou elevando a cabeceira da cama, diminuindo, assim, o refluxo durante a noite;
  • Evitar o uso de roupa apertada e de cintas, pois podem aumentar a pressão no estômago, favorecendo o refluxo.

Além disso, também é importante parar de fumar e diminuir o estresse, pois são fatores que aumentam o risco de refluxo. 

Veja a seguir algumas dicas para tratar o refluxo de forma natural:

Esta informação foi útil?
Atualizado por Karla S. Leal, Nutricionista - em Outubro de 2021. Revisão clínica por Tatiana Zanin, Nutricionista - em Outubro de 2021.

Bibliografia

  • MAHAN, L. Kathleen et al. Krause: Alimentos, Nutrição e Dietoterapia. 13.ed. São Paulo: Elsevier Editora, 2013. 594-598.
  • LUTZ, Carrol; PRZYTULSKI, Karen. Nutrición y dietoterapia. 5.ed. México: McGraw Hill, 2011. 416-417.
  • YEH Ann et al. Integrative Treatment of Reflux and Functional Dyspepsia in Children. Children An Open Access Journal from MDPI. 1. 2; 119-133, 2014
  • FEDERAÇÃO BRASILEIRA DE GASTROENTEROLOGIA. Projeto diretrizes - Refluxo Gastroesofágico: Diagnóstico e Tratamento. 2003. Disponível em: <https://amb.org.br/files/_BibliotecaAntiga/refluxo-gastroesofagico-diagnostico-e-tratamento.pdf>. Acesso em 04 Out 2021
  • REVISTA DA ASSOCIAÇÃO MÉDICA BRASILEIRA. Doença do refluxo gastroesofágico: tratamento não farmacológico. 2012. Disponível em: <https://www.scielo.br/j/ramb/a/H5rHmySgjghkZ7HWMwjc3nd/?format=pdf&lang=pt>. Acesso em 04 Out 2021
Mais sobre este assunto: