Ative as notificações para não perder as publicações de saúde e bem estar mais interessantes.
O que você precisa saber?

Dieta para gases: alimentos que devem ser evitados e o que consumir

A dieta para combater os gases intestinais deve ser de fácil digestão, que permita o funcionamento correto do intestino e que mantenha o equilíbrio da flora intestinal, pois dessa forma é possível diminuir a produção de gases e a sensação de mal estar, a distensão e a dor abdominal.

Existem alguns alimentos que favorecem a formação de gases, como o feijão, o brócolis e o milho, pois são fermentados no intestino. No entanto, essa dieta deve ser personalizada, já que a tolerância aos alimentos podem variar de uma pessoa para outra. Por isso, é importante que o nutricionista seja consultado para seja realizada uma avaliação completa e seja indicado um plano alimentar de acordo com as suas necessidades.

Dieta para gases: alimentos que devem ser evitados e o que consumir

Alimentos que causam gases

Os alimentos que provocam o aumento na produção de gases no intestino são:

  • Feijão, milho, ervilha, lentilha, grão-de-bico;
  • Brócolis, repolho, cebolas, couve-flor, pepino, couve-de-bruxelas, nabo;
  • Leite integral e derivados, principalmente devido ao seu alto teor de gordura e presença de lactose;
  • Ovos:
  • Sorbitol e xilitol, que são edulcorante artificiais;
  • Alimentos ricos em fibras, como a aveia, farelo de aveia, cevada e arroz integral, pois esses alimentos têm a capacidade de fermentar no intestino;
  • Refrigerantes e outras bebidas com gás.

Além disso, o consumo de alimentos ricos em molho e gorduras, como os embutidos, carnes vermelhas e frituras, também devem ser evitados. Saiba mais sobre os alimentos que causam gases.

Como identificar os alimentos que causam gases

Como os alimentos que produzem gases podem variar de uma pessoa para outra, é importante que a pessoa faça um diário alimentar, pois assim é possível identificar a possível causa da produção de ases e, assim, evitar o seu consumo. Veja como é feito um diário alimentar.

O ideal é eliminar um alimento ou um grupo de alimentos para avaliar os efeitos da falta desse alimento no organismo. Esse processo pode ter início com o leite e derivados, seguido dos grãos e vegetais com o objetivo de identificar o responsável pela produção dos gases.

Caso alguma fruta seja responsável pelo aumento da produção de gases, pode-se consumir a fruta sem a casca, para diminuir a quantidade de fibras, ou assá-la. No caso das leguminosas, pode-se deixar o alimento em remolho por cerca de 12 horas, mudar a água algumas vezes, e depois cozinhar em outra água em fogo baixo. Essas técnicas podem funcionar para algumas pessoas, diminuindo a propriedade desse alimento de causar gases.

Alimentos que reduzem os gases

Além de retirar os alimentos que estimulam a formação de gases, também é importante incluir na dieta produtos que melhoram a digestão e a saúde da flora intestinal, como:

  • Tomate e chicória;
  • Iogurte kefir ou iogurte natural com bífido bactérias ou lactobacilos, que são bactérias boas para o intestino e atuam como probióticos;
  • Consumir chás de erva-cidreira, gengibre, erva-doce ou carqueja.

Além disso, outras dicas que ajudam a diminuir a produção de gases são evitar beber líquidos durantes as refeições, comer devagar, mastigar bem e fazer atividade física regularmente, pois são dicas que aceleram a digestão e melhoram o trânsito intestinal, reduzindo a produção de gases pelas bactérias. Conheça outras estratégias para eliminar os gases intestinais.

Opção de cardápio

A tabela a seguir indica uma opção de dieta para evitar a formação de gases intestinais:

RefeiçãoDia 1Dia 2Dia 3
Café da manhã1 copo de suco de abacaxi sem açúcar + 2 fatias de pão branco com requeijão light1 xícara de café + 1 wrap com queijo branco pobre em gordura + 2 fatias de tomate e alface + 1 xícara de mamão em cubos

1 copo de suco de mamão com 2 panquecas, preparadas com farinha de amêndoas, com requeijão light

Lanche da manhã1 maçã cozida com canela1 banana média1 laranja ouo tangerina
Almoço/ jantar1 peito de frango grelhado acompanhado de 4 colheres de sopa de arroz branco + 1 xícara de cenoura e feijão verde cozido temperado com 1 colher de chá de azeite de oliva + 1 xícara de morango para sobremesa1 filé de peixe assado no forno com batatas, fatias de tomate e de cenoura e um pouco de azeite de oliva + 1 fatia de melão para sobremesa1 peito de peru em tiras + 4 colheres de sopa de purê de abóbora + 1 xícara de abobrinha, cenoura e berinjelas cozidas salteadas em um pouco de azeite de oliva + 2 fatias de abacaxi para sobremesa
Lanche da noiteIogurte natural com 1/2 banana em rodelas240 mL de vitamina de mamão com leite de amêndoa1 xícara de café + torradas com manteiga de amendoim

No caso de algum dos alimentos incluídos no cardápio ser responsável pela produção de gases, não é recomendado consumi-lo, isso porque a dieta e as quantidades mencionadas variam de acordo com a tolerância da pessoa, idade, sexo, atividade física e se a pessoa possui alguma outra doença associada ou não. Por isso, o mais recomendado é procurar orientação de um nutricionista para que seja feita uma avaliação completa e seja elaborado um plano nutricional adequado às suas necessidades.

Combinação de alimentos que causam gases

Algumas das combinações que aumentam a formação de mais gases são:

  1. Feijão + repolho;
  2. Arroz integral + ovo + salada de brócolis;
  3. Leite + fruta + edulcorante a base de sorbitol ou xilitol;
  4. Ovo + carne + batata inglesa ou batata doce.

Essas combinações fazem com que a digestão seja mais lenta, fazendo com que o alimento seja fermentado por mais tempo no intestino, formando mais gases. Além disso, as pessoas que já possuem prisão de ventre também devem evitar esses alimentos, já que quanto mais lento o trânsito intestinal, maior é a produção de flatulências.

Veja no vídeo a seguir mais dicas para aliviar os gases intestinais:

Bibliografia >

  • MAHAN, L. Kathleen et al. Krause: Alimentos, Nutrição e Dietoterapia. 13.ed. São Paulo: Elsevier Editora, 2013. 610-612.
  • MENDES, André G.. Intervenção Farmacêutica em Patologias Digestivas com Indicação Terapêutica de Medicamentos Não Sujeitos a Receita Médica. Tese de Mestrado, 2013. Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias.
  • COZMA-PETRUT Anamaria; LOGHIN Felicia et al. Diet in irritable bowel syndrome: What to recommend, not what to forbid to patients!. World Journal of Gastroenterology. 23. 21; 3771–3783, 2017
Esta informação foi útil?   
Sim  /  Não

Ficou alguma dúvida. Deixe aqui a sua questão para que possamos melhorar o nosso texto:

Atenção! Só poderemos responder diretamente se deixar o seu email.
Irá receber um email com um link que deverá aceder para confirmar que o email lhe pertence.
Mais sobre este assunto:

Publicidade
Carregando
...
Fechar Simbolo de finalizado

Pode perguntar

Fechar
É hora de acabar com todas as suas dúvidas!
Erro
Erro
Erro
Marque a caixa de verificação acima.
Enviar Mensagem