Alergia alimentar: o que é, sintomas, causas e tratamento

Revisão clínica: Tatiana Zanin
Nutricionista
agosto 2022

A alergia alimentar é uma reação inflamatória a alguma substância presente num alimento, bebida ou aditivo alimentar consumido. Pode levar ao aparecimento de sintomas em diferentes partes do corpo como mãos, rosto, boca e olhos, além de também poder afetar o sistema gastrointestinal e respiratório.

Na maioria dos casos os sintomas de alergia alimentar são leves, sendo observada coceira e vermelhidão na pele, inchaço nos olhos e coriza, por exemplo. No entanto, quando a reação do organismo é muito grave, os sintomas podem colocar a vida em risco, já que pode haver sensação de falta de ar e dificuldade para respirar.

Dessa forma, é importante que seja identificado o alimento responsável pela alergia para que o seu consumo possa ser evitado e, assim, diminuir o risco de complicações. Porém, caso se tenha contato com o alimento causador da alergia, o médico pode indicar o uso de anti-histamínicos para aliviar os sintomas e desconforto.

Sintomas de alergia alimentar

Os principais sintomas de alergia alimentar são:

  • Coceira e vermelhidão na pele;
  • Placas avermelhadas e inchadas na pele;
  • Inchaço nos lábios, língua, orelhas ou olhos;
  • Aftas;
  • Nariz entupido e escorrendo;
  • Sensação de desconforto na garganta;
  • Dor abdominal e excesso de gases;
  • Diarreia ou prisão de ventre;
  • Ardor e queimação ao evacuar.

Os sintomas de alergia alimentar podem surgir em poucos minutos ou horas após o consumo do alimento, bebida ou aditivo alimentar responsável por desencadear a reação inflamatória no organismo, e podem variar de pessoa para pessoa.

Apesar dos sintomas aparecerem com mais frequência nas mãos, rosto, olhos, boca e corpo, a reação inflamatória pode ser tão grave que pode afetar o sistema gastrointestinal, podendo a pessoa sentir náuseas, vômitos e desconforto abdominal, ou o sistema respiratório, resultando em dificuldade para respirar e falta de ar, sendo essa situação conhecida como choque anafilático, que deve ser imediatamente tratada para evitar mais complicações. Saiba como identificar o choque anafilático e o que fazer.

Dessa forma, para evitar o desenvolvimento dos sintomas mais graves de alergia alimentar, é importante que assim que surgirem os primeiros sintomas de alergia a pessoa tome o medicamento indicado pelo alergologista. Nos casos em que a pessoa sentir desconforto na garganta ou dificuldade para respirar, a recomendação é a de que vá ao pronto socorro ou hospital mais próximo para que sejam tomadas as medidas necessárias para promover o alívio dos sintomas.

Principais causas

A alergia alimentar pode ser desencadeada por qualquer substância presente no alimento ou aditivo alimentar, sendo mais comum de acontecer em pessoas que possuem histórico na família de alergia.

Apesar de poder ser causada por qualquer alimento, os sintomas de alergia alimentar estão na maioria dos casos relacionados com o consumo de frutos do mar, amendoim, leite de vaca, soja e oleaginosas, por exemplo. Veja mais detalhes sobre as principais causas de alergia alimentar.

Qual a diferença entre alergia e intolerância alimentar?

A principal diferença entre a alergia e a intolerância alimentar é o tipo de resposta do corpo frente a determinado a alimento. Na alergia alimentar, há o desenvolvimento de uma resposta inflamatória poucos minutos após o contato com as substâncias presentes no alimento, de forma que os sintomas aparecem imediatamente e são mais generalizados.

Por outro lado, na intolerância alimentar, os sintomas são devidos a alterações no processo de digestão do alimento, resultando principalmente em sintomas gastrointestinais.

Como é feito o diagnóstico

O diagnóstico da alergia alimentar deve ser feito pelo alergologista inicialmente por meio da análise dos sintomas que a pessoa pode relatar após consumir determinado alimento. No entanto, para confirmar qual é o agente causador da alergia, pode ser indicada a realização de testes de alergia na pele ou no sangue.

Geralmente, quando não existem suspeitas sobre o que pode estar causando a alergia, o médico começa por testar os alimentos mais alergênicos como o amendoim, morango ou camarão, sendo o diagnóstico feito por exclusão de partes até que se chegue ao alimentos responsável.

O teste de alergia na pele consiste na observação dos sintomas que aparecem na pele após a aplicação de diferentes extratos de alimentos conhecidos por causar alergia, deixando atuar durante cerca de 24 a 48 horas. Após esse tempo, o médico irá então observar se o teste deu positivo ou negativo, observando se ocorreu vermelhidão, urticária, coceira ou bolhas na pele. Veja como é feito o teste de alergia na pele.

Por outro lado, o teste de sangue consiste na colheita de um pouco de sangue que vai para analisar em laboratório, através do qual se identifica a presença de alergênios no sangue, o que indica se houve ou não reação de alergia. Este exame de sangue, é geralmente feito após a realização de um teste de provocação oral, que consiste em ingerir uma pequena quantidade do alimento que causa alergia, observando-se depois se surgem ou não sintomas de alergia.

Tratamento da alergia alimentar

O tratamento para a alergia alimentar depende da gravidade dos sintomas apresentados, que podem variar de pessoa para pessoa, sendo porém este geralmente feito com remédios anti-histamínicos como Allegra ou Loratadina ou com corticoides como a Betametasona, que servem para aliviar e tratar os sintomas da alergia. Veja como é feito o tratamento da alergia alimentar.

Além disso, nos casos mais graves onde ocorre choque anafilático e falta de ar, o tratamento é feito com a injeção de adrenalina, podendo também ser necessário o uso de uma máscara de oxigênio para ajudar na respiração.

Esta informação foi útil?

Atualizado por Manuel Reis - Enfermeiro, em agosto de 2022. Revisão clínica por Tatiana Zanin - Nutricionista, em agosto de 2022.

Bibliografia

  • FERREIRA, Jaqueline M.S.F; PINTO, Flávia C.H. Alergia alimentar: definições, epidemiologia e imunopatogênese. Rev Bras Nutr Clin. Vol.27, n.3. 193-198, 2012
  • ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ALERGIA E IMUNOLOGIA. Alergia Alimentar. Disponível em: <http://asbai.org.br/alergia-alimentar-4/>. Acesso em 28 ago 2020
Mostrar bibliografia completa
  • SOCIEDADE BRASILEIRA DE PEDIATRIA. Alergia Alimentar - Abordagem prática. Disponível em: <https://www.sbp.com.br/fileadmin/user_upload/pdfs/alergia_alimentar.pdf>. Acesso em 28 ago 2020
  • SOCIEDADE BRASILEIRA DE PEDIATRIA E ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ALERGIA E IMUNOLOGIA. Consenso Brasileiro sobre Alergia Alimentar. 2018. Disponível em: <https://www.sbp.com.br/fileadmin/user_upload/aaai_vol_2_n_01_a05__7_.pdf>. Acesso em 06 jan 2020
  • WELFORT, Virgínia R.S. Alergia alimentar. Revista Médica de Minas Gerais. Vol.21, n.3. S1-S144, 2011
Revisão clínica:
Tatiana Zanin
Nutricionista
Formada pela Universidade Católica de Santos em 2001, com registro profissional no CRN-3 nº 15097.