Leucemia aguda: o que é, sintomas e tratamento

Revisão médica: Dr. Arthur Frazão
Oftalmologista
maio 2022

A leucemia aguda é uma alteração sanguínea que acontece devido a alterações na medula óssea, que passa a liberar na corrente sanguínea glóbulos brancos pouco maduros, sendo também identificada grande quantidade de células imaturas na medula óssea. De acordo com o tipo de glóbulo branco afetado, ou seja, com a linhagem celular atingida, a leucemia aguda pode ser classificada em mieloide ou linfoide, que pode ser diferenciada através de exames laboratoriais.

A leucemia aguda é mais comum em crianças e adultos jovens e é caracterizada pela presença de mais de 20% de blastos no sangue, que são células sanguíneas jovens, e pelo hiato leucêmico, que corresponde à ausência de células intermediárias entre os blastos e os neutrófilos maduros.

O tratamento da leucemia aguda é feito por meio de transfusões sanguíneas e de quimioterapia em ambiente hospitalar até que não sejam mais detectados sinais clínicos e laboratoriais relacionados à leucemia.

Tipos de leucemia aguda

A leucemia aguda pode ser classificada em dois tipos principais de acordo com o tipo de célula que é afetada:

  • Leucemia mieloide aguda (LMA), em que as células da linhagem mieloide, que é a linhagem responsável por dar origem aos leucócitos, dentre outras células sanguíneas. Esse tipo de leucemia pode ser classificado em alguns subtipos de acordo com as células imaturas circulantes no sangue e características da medula óssea;
  • Leucemia linfóide aguda (LLA), em que as células da linhagem linfóide é atingida, resultando no aparecimento de linfócitos imaturos na corrente sanguínea.

É importante que o tipo de leucemia aguda seja identificada para que o melhor tratamento possa ser iniciado logo em seguida, prevenindo o desenvolvimento de complicações e aumentando as chances de cura.

Sintomas da leucemia aguda

A principal característica desse tipo de leucemia é o desenvolvimento rápido, de forma que os sintomas podem surgir e evoluir em um curto espaço de tempo, sendo os principais:

  • Fraqueza, cansaço e indisposição;
  • Sangramento pelo nariz e/ou manchas roxas na pele;
  • Aumento do fluxo menstrual e tendência a sangramento nasal;
  • Febre, suor noturno e emagrecimento sem causa aparente;
  • Dor nos ossos, tosse e dor de cabeça.

Na presença desses sinais e sintomas, é importante que o médico seja consultado para que sejam realizados exames que ajudem a confirmar o câncer, identificar o tipo e, assim, iniciar o tratamento mais adequado.

Causas da leucemia aguda

A leucemia aguda acontece como consequência de alterações na medula óssea, que têm como resultado a liberação de células imaturas na corrente sanguínea, podendo ser linhagem linfoide ou mielóide.

As alterações na medula óssea que resultam na leucemia estão relacionadas com a genética, podendo ser identificada alteração nos genes FLT-3, NPM1, IDH e PML-RARA, no caso da leucemia mieloide aguda, por exemplo. A causa genética de leucemia linfoide aguda ainda não é muito bem esclarecida, no entanto parece estar relacionada com alterações no DNA causadas pela exposição à radiação, realização de tratamento com quimioterápicos anteriormente ou doenças genéticas.

Além disso, as mutações relacionadas com a LMA também podem ser favorecidas pelo uso de medicamentos imunossupressores, doenças genéticas, exposição à radiação e realização de quimioterapia, por exemplo.

Como é feito o diagnóstico

O diagnóstico da leucemia aguda deve ser feito pelo médico a partir da avaliação inicial dos sinais e sintomas apresentados, sendo também importante que sejam realizados exames que permitam avaliar a saúde geral da pessoa, bem como verificar se há algum sinal de leucemia. Assim, os principais exames que podem ser indicados em caso de suspeita de leucemia são:

  • Hemograma completo, que indica leucocitose, plaquetopenia e a presença de várias células jovens (blastos), seja da linhagem mieloide ou linfoide;
  • Exames bioquímicos, como dosagem de ácido úrico e LDH, que normalmente se encontram aumentados devido ao aumento da presença de blastos no sangue;
  • Coagulograma, em que são verificadas a produção de fibrinogênio, D-dímero e o tempo de protrombina;
  • Mielograma, em que são verificadas as características da medula óssea.

Além desses exames, podem ser solicitados pelo hematologista a pesquisa de mutações por meio de técnicas moleculares, como NPM1, CEBPA ou FLT3-ITD, para poder indicar a melhor forma de tratamento.

Tratamento para leucemia aguda

O tratamento para leucemia aguda é definido pelo hematologista e/ ou oncologista de acordo com os sintomas, resultado dos exames, idade da pessoa, presença de infecções, risco de metástase e de recidiva. O tempo de tratamento pode variar, começando os sintomas a diminuir após 1 a 2 meses do início da poliquimioterapia, por exemplo, podendo o tratamento durar cerca de 3 anos.

O tratamento para leucemia mieloide aguda pode ser feito por meio da quimioterapia, que é combinação de medicamentos, transfusão de plaquetas e uso de antibióticos para diminuir o risco de infecções, já que o sistema imunológico se encontra comprometido. Em relação ao tratamento para a leucemia linfoide aguda, pode ser feito por meio de uma poliquimioterapia, que é feito com altas doses de medicamentos para eliminar o possível risco da doença alcançar o sistema nervoso central.

Caso haja recidiva da doença pode-se optar pelo transplante de medula óssea pois, neste caso, nem todos se beneficiam da quimioterapia. Entenda quando o transplante de medula óssea é indicado.

Leucemia aguda tem cura?

A cura na leucemia diz respeito à ausência de sinais e sintomas característicos da leucemia no período de 10 anos após o fim do tratamento, sem que haja recaídas.

Em relação à leucemia mieloide aguda, a cura é possível, devido a diversas opções de tratamento, no entanto à medida do avanço da idade, a cura ou controle da doença pode ser mais difícil; quando mais nova for a pessoa, maior é chance de cura.

No caso da leucemia linfoide aguda, a possibilidade de cura é maior em crianças, cerca de 90%, e 50% de cura em adultos até 60 anos de idade, no entanto para aumentar as chances de cura e evitar recidiva da doença, é importante que seja descoberto o mais breve possível e o tratamento iniciado logo em seguida.

Mesmo após o início do tratamento, a pessoa deverá realizar exames periódicos para verificar se há ou não recidiva e, caso haja, retomar o tratamento imediatamente para que as chances de remissão completa da doença sejam maiores.

Esta informação foi útil?

Atualizado por Equipe Editorial do Tua Saúde, em maio de 2022. Revisão médica por Dr. Arthur Frazão - Oftalmologista, em fevereiro de 2016.

Bibliografia

  • INABA, H.; MULLIGHAN, C. G. Pediatric acute lymphoblastic leukemia. Haematologica. 105. 11; 2524-2539, 2020
  • MALARD, F.; MOHTY, M. Acute lymphoblastic leukaemia. Lancet. 395. 10230; 1146-1162, 2020
Mostrar bibliografia completa
  • HUNGER, S. P.; MULLIGHAN, C. G. Acute Lymphoblastic Leukemia in Children. N Engl J Med. 373. 16; 1541-52, 2015
  • BHOJWANI, D.; YANG, J. J.; PUI, C. H. Biology of childhood acute lymphoblastic leukemia. Pediatr Clin North Am. 62. 1; 47-60, 2015
  • VELLOSO, Elvira D. R. P.; MOTTA, Carlos Henrique A. S.; FURTADO, Juliana B. et al. Alterações citogenéticas e moleculares em leucemia mieloide aguda: revisão e descrição de casos. einstein. Vol 9. 2 ed; 184-189, 2011
  • HELMAN, Ricardo et al.. Leucemia mieloide aguda: atualidade brasileira de diagnóstico e tratamento. Einstein. Vol.9, n.2. 179-183, 2011
  • MINISTÉRIO DA SAÚDE/ SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE. Diretrizes Diagnósticas e Terapêuticas da Leucemia Mieloide Aguda do Adulto. PORTARIA Nº 705, DE 12 DE AGOSTO DE 2014. Disponível em: <http://conitec.gov.br/images/Protocolos/DDT/LeucemiaMieloideAguda-Adulto.pdf>. Acesso em 04 mai 2022
  • HEMORIO. Manual do paciente- Leucemia mieloide aguda (Edição Revisada). 2010. Disponível em: <http://www.hemorio.rj.gov.br/Html/pdf/manuais_2010/Leucemia_mieloide_aguda.pdf>. Acesso em 04 mai 2022
  • CONDUTAS DO INCA/MS / INCA/MS – GUIDELINES. Leucemia Mielóide Aguda em Adultos. Revista Brasileira de Cancerologia. vol. 3, n. 48. pp. 313-315, 2002. Disponível em: http://www1.inca.gov.br/rbc/n_48/v03/pdf/condutas2.pdf
  • AMERICAN CANCER SOCIETY. What’s New in Acute Myeloid Leukemia (AML) Research?. Disponível em: <https://www.cancer.org/cancer/acute-myeloid-leukemia/about/new-research.html>. Acesso em 07 abr 2020
  • ST. JUDE CHILDREN'S RESEARCH HOSPITAL. Acute Myeloid Leukemia (AML). Disponível em: <https://www.stjude.org/disease/acute-myeloid-leukemia.html>. Acesso em 04 mai 2022
  • GALDINO, Marcus Vinicius de M.; MORAIS, Alanna Michely B.. Caracterização de leucemia mielóide aguda em adultos: uma revisão bibliográfica. Temas em Saúde. Vol. 16, n. 3. pp. 353-361, João Pessoa, 2016. Disponível em: http://temasemsaude.com/wp-content/uploads/2016/09/16321.pdf
Revisão médica:
Dr. Arthur Frazão
Clínico geral
Médico generalista, especialista em Oftalmologia pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte, em 2008, com registro profissional no CRM/PE 16878