Ative as notificações para não perder as publicações de saúde e bem estar mais interessantes.
Fechar Coronavírus: Informações sobre COVID-19 Ler mais
O que você precisa saber?

O que é hipóxia, o que causa e tratamento

A hipóxia é uma situação que ocorre quando a quantidade de oxigênio transportada para os tecidos do corpo é insuficiente, causando sintomas como dor de cabeça, sonolência, suor frio, dedos e boca arroxeados e até desmaios. Esta alteração pode acontecer por causa de doenças cardíacas, como o infarto agudo do miocárdio, doenças pulmonares, como asma e edema agudo do pulmão, mas também pode surgir devido anemia e pela altitude elevada.

O tratamento da hipóxia depende da causa, da gravidade e da condição de saúde de uma pessoa, no entanto, na maior parte dos casos, consiste na administração de oxigênio por meio de máscaras ou pela intubação orotraqueal. Esta situação pode gerar sequelas no corpo, por isso ao surgirem os sintomas, é recomendado ligar imediatamente para a ambulância do SAMU, no 192.

O que é hipóxia, o que causa e tratamento

Principais sintomas

Os sintomas da hipóxia variam de uma pessoa para outra, pois depende da gravidade da falta de oxigenação nos tecidos do corpo, mas podem ser:

  • Dor de cabeça;
  • Sonolência;
  • Aumento dos batimentos cardíacos;
  • Suor frio;
  • Falta de ar;
  • Tontura;
  • Confusão mental;
  • Desmaio;
  • Dedos e boca arroxeados, chamado de cianose;

A cianose surge porque os vasos sanguíneos das extremidades do corpo se contraem para enviar mais sangue e mais oxigênio para os principais órgãos do corpo e por causa disso também ocorre o aumento da pressão arterial. Saiba mais o que é cianose e como é classificada.

No entanto, à medida que a hipóxia piora a pressão arterial diminui e a pessoa pode perder a consciência, por isso ao surgirem os primeiros sintomas é necessário ligar imediatamente para a ambulância do SAMU, no 192, para que seja realizado o atendimento médico de urgência, evitando possíveis complicações.

O que causa hipóxia

A hipóxia acontece quando a quantidade de oxigênio nos tecidos é insuficiente e isto pode ser causado por vários motivos como insuficiência respiratória, asma, enfisema pulmonar, edema agudo de pulmão e pneumonia, pois fazem com que a entrada de oxigênio nos pulmões fique prejudicada. Algumas alterações neurológicas provocadas pelo traumatismo craniano podem causar hipóxia, pois compromete as funções de respiração.

A hemoglobina, presente no sangue, é responsável pelo transporte de oxigênio para os órgãos do corpo e está em baixa quantidade em pessoas que têm anemia, podendo provocar a hipóxia dos tecidos do corpo, mesmo que a respiração esteja mantida. Outra causa da hipóxia pode ser a intoxicação por produtos como o cianeto, dióxido de carbono e drogas psicoativas.

Além disso, algumas doenças cardíacas, como o infarto agudo do miocárdio, prejudicam a circulação sanguínea impedindo o oxigênio de ser transportado para os tecidos do corpo. Em locais muito altos ou profundos, a quantidade de oxigênio é bastante reduzida, por isso se uma pessoa estiver nestes locais também poderá sofrer de hipóxia.

Quais são os tipos

Os tipos de hipóxia estão relacionados com a causa da falta de oxigênio no corpo, podendo ser:

  • Hipóxia respiratória: resulta da diminuição da oferta de oxigênio aos pulmões, ocasionada pela ausência ou redução da respiração, seja por alguma doença ou por obstrução das vias aéreas;
  • Hipóxia anêmica: ocorre quando a quantidade de hemoglobina no sangue é muito baixa, levando a diminuição de oxigênio que é transportado na corrente sanguínea;
  • Hipóxia circulatória: surge em situações em que a perda de sangue faz com que as trocas gasosas no pulmão não sejam realizadas de forma correta, como na insuficiência cardíaca;
  • Hipóxia de órgãos específicos: acontece quando a artéria de algum órgão fica obstruída, impedindo a passagem de sangue e diminuindo a quantidade de oxigênio no local, como consequência da aterosclerose, por exemplo.

Também existe um tipo de hipóxia relacionada a malformações cardíacas congênitas, como a tetralogia de Fallot, que faz com que as artérias defeituosas não sejam capazes de conduzir o oxigênio para órgãos importantes do corpo, como o cérebro, por exemplo. Veja mais como é feito o tratamento para tetralogia de Fallot.

O que é hipóxia, o que causa e tratamento

Como é feito o tratamento

O tratamento para a hipóxia é baseado, principalmente, na administração de oxigênio através de máscaras, cateteres nasais ou tendas de oxigênio, características de ventilação não-invasiva. No entanto, nos casos mais graves é indicado introduzir um tubo pela boca para ofertar oxigênio diretamente aos pulmões, conhecida como intubação orotraqueal.

Se a hipóxia for causada por anemia, a administração de oxigênio não terá efeitos satisfatórios, pois mesmo que se aumente a quantidade de oxigênio no corpo, existe uma quantidade insuficiente de hemoglobinas, não sendo capazes de oxigenar todos os tecidos, por isso é preciso fazer transfusão de sangue para fornecer mais hemoglobina para corrente sanguínea. Saiba mais como é feita uma transfusão de sangue.

Da mesma forma, quando as doenças cardíacas graves provocam a hipóxia, acontecem falhas na circulação do sangue e somente garantir a respiração não é o suficiente, sendo necessário corrigir os problemas primeiramente, como cirurgia, por exemplo.

Possíveis sequelas

A hipóxia pode causar sequelas ao corpo e dependem do tempo em que a pessoa esteve sem respirar e do período em que o corpo não teve a quantidade de oxigênio necessária para manter as suas funções vitais. As alterações do sistema nervoso central representam as principais consequências da hipóxia, levando ao comprometimento dos movimentos do corpo e prejudicando as atividades como andar, falar, comer e enxergar.

Em alguns casos, quando a hipóxia é muito grave e a pessoa não tem condições de respirar sozinha, é necessário fazer a intubação, ou seja, precisa ser introduzidos aparelhos para ajudar o processo de respiração, sendo que muitas vezes, o médico indica o coma induzido. Confira o que é coma induzido e outras indicações.

Diferença de hipóxia e hipoxemia

Por vezes a hipóxia é confundida com o termo hipoxemia, entretanto, se referem a situações diferentes. A hipoxemia é definida como a baixa concentração de oxigênio no sangue, ou seja, quando a saturação de oxigênio, medida por meio da oximetria de pulso, fica no valor baixo de 90%, já a hipóxia se caracteriza como a redução da oxigenação nos tecidos do corpo. Geralmente, os sintomas são muito parecidos, pois a hipóxia pode acontecer como consequência da hipoxemia.

Bibliografia >

  • Longo, DL et al.. Harrison’s Principles of Internal Medicine. 19th ed. New York: McGraw-Hill, 2015. 287-290.
  • Samuel J., Franklin C.. Common Surgical Diseases. 1.ed. New York: Springer, 2008. 391-394.
  • CLINICAL PROCEDURES FOR SAFER PATIENT CARE. Signs and Symptoms of Hypoxia. 2015. Disponível em: <https://opentextbc.ca/clinicalskills/chapter/5-3-causes-of-hypoxemia-2/>. Acesso em 27 Dez 2019
  • SOCIEDADE BRASILEIRA DE PEDIATRIA. Insuficiência Respiratória Aguda. 2017. Disponível em: <https://www.sbp.com.br/fileadmin/user_upload/Terapia_-_Insuficiencia_Respiratoria_Aguda.pdf>. Acesso em 27 Dez 2019
  • GUYTON Arthur, HALL John. Tratado de fisiologia médica. 13.ed. Brasil: Elsevier, 2017. 554-556.
Esta informação foi útil?   
Sim  /  Não

Ficou alguma dúvida. Deixe aqui a sua questão para que possamos melhorar o nosso texto:

Atenção! Só poderemos responder diretamente se deixar o seu email.
Irá receber um email com um link que deverá aceder para confirmar que o email lhe pertence.
Mais sobre este assunto:

Publicidade
Carregando
...
Fechar

Pode perguntar

Fechar
É hora de acabar com todas as suas dúvidas!
Erro
Erro
Erro
Marque a caixa de verificação acima.
Enviar Mensagem