Dor de ouvido em bebê: sintomas e remédios

junho 2022

A dor de ouvido no bebê pode ser notada através de alguns sinais e sintomas, como o fato do bebê colocar a mão na orelha muitas vezes, balançar a cabeça para o lado repetidamente, aumento da irritabilidade e choro frequente, por exemplo.

Essa situação é bastante desconfortável e pode acontecer como consequência de infecções no ouvido, entrada de água no ouvido, presença de objetos no canal auditivo ou aumento da pressão no ouvido, o que é comum de acontecer em viagens de avião.

Dependendo da causa, a dor de ouvido no bebê pode passar sem que seja feito tratamento, no entanto caso a dor seja persistente e sejam notados outros sintomas como febre e presença de secreção no ouvido, é importante que o pediatra seja consultado, pois assim é possível que seja feita uma avaliação, identificada a causa e iniciado o tratamento, caso seja necessário, que pode envolver o uso de remédios anti-inflamatórios, analgésicos e antibióticos, no caso de infecção por bactérias.

Sintomas de problema no ouvido do bebê

A dor de ouvido no bebê pode ser percebida por meio de alguns sinais e sintomas que o bebê pode apresentar, podendo variar de bebê para bebê de acordo com a causa, sendo os principais:

  • Irritabilidade;
  • Choro;
  • Falta de apetite;
  • Febre que não passa de 38.5ºC, em alguns casos;
  • Dificuldade para mamar e o bebê pode inclusive rejeitar a mama;
  • Colocar a mãozinha na orelha muitas vezes;
  • Dificuldade em repousar a cabeça de lado;
  • Balançar a cabeça para os lados muitas vezes.

Além disso, no caso da dor de ouvido ser causada pela perfuração do tímpano, pode haver também mal cheiro na orelha e pus, o que em alguns casos pode causar perda auditiva momentânea, mas que se não for devidamente tratada pode tornar-se permanente.

Principais causas

A principal causa de dor de ouvido em bebê é a otite, que corresponde à inflamação do canal auditivo devido à presença de vírus ou bactérias no ouvido, ou acontecer devido à entrada de água no ouvido, o que também favorece a inflamação e causa dor de ouvido no bebê.

Além da otite, outras situações que podem causar dor de ouvido no bebê são a presença de objetos no ouvido, aumento da pressão no ouvido devido a viagens de avião e outras doenças infecciosas como gripe, caxumba, sarampo, pneumonia e virose, por exemplo. Confira outras causas de dor de ouvido e o que fazer.

Remédios para dor de ouvido no bebê

Os remédios para dor de ouvido no bebê devem ser indicados pelo pediatra de acordo com os sinais e sintomas apresentados pelo bebê e causa da dor. Assim, alguns dos remédios que podem ser indicados pelo médico são:

  • Analgésicos e antipiréticos, como Dipirona ou Paracetamol, para alívio da doe e da febre;
  • Anti-inflamatórios, como Ibuprofeno, para alívio da inflamação e dor;
  • Antibióticos, como Amoxicilina ou Cefuroxima, somente devem ser utilizados quando a infecção é causada por bactérias.

É importante que os remédios só sejam dados ao bebê após indicação do pediatra, pois assim o remédio mais adequado seja indicado, a frequência de uso e a dose, evitando efeitos adversos.

Opções de tratamento caseiro

Um remédio caseiro complementar para dor de ouvido em bebê é passar uma fralda de pano, com o ferro de passar roupa e colocar perto do ouvido do bebê depois de morno. É necessário ter em atenção a temperatura da fralda para não queimar o bebê.

Além disso, durante todo o tratamento, é importante oferecer muitos líquidos e comidas pastosas, como sopas, purês, iogurtes e frutas amassadas ao bebê. Este cuidado é importante, pois muitas vezes a dor de ouvido está relacionada à dor de garganta e o bebê pode sentir dor ao engolir e, quanto menos irritação houver na garganta, melhor ele irá se alimentar e mais rápido irá se recuperar.

Esta informação foi útil?

Atualizado por Marcela Lemos - Biomédica, em junho de 2022. Revisão médica por Dr.ª Sani Santos Ribeiro - Pediatra e Pneumologista infantil, em junho de 2022.
Revisão médica:
Dr.ª Sani Santos Ribeiro
Pediatra e Pneumologista infantil
Médica formada pela Universidade Federal do Rio Grande com CRM nº 28364 e especialista em Pediatria pela Sociedade Brasileira de Pediatria.