Doenças que se pode pegar na piscina ou na banheira

setembro 2020

As piscinas e banheiras de hotel podem representar um grande risco para a saúde, principalmente quando não são higienizadas corretamente ou quando muitas pessoas fazem uso ao mesmo tempo, podendo em resultar em doenças de pele ou intestinais, como a giardíase, criptosporidíase ou micose.

Antes de ir à piscina, por exemplo, é preciso prestar atenção em alguns fatores que podem indicar se a piscina está própria ou imprópria para uso, como características da água e presença de qualquer mancha no azulejo, por exemplo. É importante também evitar engolir água para evitar o máximo de doenças.

Principais doenças

1. Criptosporidíase

A criptosporidíase ou criptosporidiose é uma das principais doenças que podem ser adquiridas devido ao uso de piscinas ou banheiras pouco cuidadas. Essa doença é causada pelo parasita Cryptosporidium sp., que pode ser encontrado na água da piscina ou da banheira devido às más condições de higiene ou à resquícios de fezes de pessoas, sendo mais comum de acontecer em pessoas que frequentam piscinas públicas com más condições de manutenção.

A infecção por esse parasita causa uma gastroenterite severa, sendo principalmente caracterizada por diarreia crônica e persistente, além de dor abdominal, náuseas, febre e perda de peso.

O que fazer: É recomendado ir ao infectologista ou clínico geral para que seja feito o diagnóstico e o tratamento. Além disso, é recomendado repousar e melhorar as condições de higiene.

2. Otite externa

A otite externa é caracterizada pela inflamação dos ouvidos que pode ser causada por bactérias, que podem proliferar facilmente no ouvido devido ao ambiente úmido e quente. Assim, a otite externa causada é mais comum de acontecer em pessoas que ficam muito tempo na piscina.

Os principais sintomas da otite externa são dor de ouvido, coceira no ouvido e na orelha, vermelhidão e inchaço da região. Saiba mais sobre a otite externa.

O que fazer: É importante ir ao otorrinolaringologista quando os primeiros sintomas de otite aparecerem para que possa ser feito o tratamento com antibióticos, que devem ser utilizados de acordo com a recomendação médica.

3. Giardíase

A giardíase é uma doença infecciosa causada pelo parasita Giardia lamblia, que pode ser encontrado na água, principalmente em locais em que o saneamento é precário ou inexistente, e entrar no organismo da pessoa por meio da ingestão de água contaminada. A infecção por esse parasite é caracterizada por sintomas gastrointestinais, como diarreia, cólicas e inchaço abdominal. Conheça outros sintomas da giardíase.

O que fazer: Caso haja suspeita de infecção por Giardia lamblia, é importante ir ao clínico geral ou infectologista para que seja feito o diagnóstico e iniciado o tratamento, que normalmente é feito com o uso de Metronidazol. Veja quais são os principais remédios para cada tipo de verme.

4. Candidíase inguinal

A candidíase inguinal ou candidíase na virilha corresponde a proliferação de fungos da espécie Candida sp na virilha, resultando em coceira e vermelhidão da região. Esse tipo de fungo pode se proliferar facilmente em ambientes úmidos, sendo comum de ser adquirida em piscinas ou banheiras mal higienizadas.

O que fazer: Nesses casos, é importante consultar um dermatologista para que sejam feitos exames de diagnóstico e possa ser iniciado o tratamento.

5. Micoses

As micoses são doenças provocadas por fungos que, para se proliferarem, precisam de um ambiente úmido e quente, sendo a piscina e a banheira ótimos lugares para a sua proliferação. Os principais sintomas de micose são coceira na pele e presença de lesões descamativas que podem aparecer no rosto, braços, virilhas e couro cabeludo, por exemplo. Saiba mais sobre as micoses.

O que fazer: Ao serem notados sinais característicos de infecção por fungos, é importante ir ao dermatologista para que seja feito o diagnóstico e o tratamento iniciado, que normalmente é feito com o uso de medicamentos antifúngicos em forma de pomada ou creme, por exemplo.

6. Legionelose

A legionelose é uma infecção causada pela bactéria Legionella pneumophilia, que se desenvolve em ambientes com água, úmidos e pouco limpos. Assim, a água e as bordas da piscina e as banheiras proporcionam um ótimo local para proliferação dessa bactéria, que pode entrar no organismo por meio da ingestão de água contaminada, por exemplo.

A infecção por Legionella pneumophilia pode ser percebida por meio de alguns sintomas, como por exemplo tosse, dor no peito, febre alta, vômitos e diarreia. Veja como identificar a legionelose.

O que fazer: É importante que logo nos primeiros sintomas da infecção, a pessoa seja encaminhada para o hospital para que sejam feitos exames que possam confirmar o diagnóstico. O tratamento para essa doença é feito em ambiente hospitalar e com o uso de antibióticos, como Ciprofloxacino e Azitromicina, por exemplo.

7. Irritação química

Os produtos que são utilizados para limpar a banheira ou a piscina ou purificar a água, podem causar irritação na pele e mucosa das pessoas, o que resulta em coceira, ardência nos olhos ou nas regiões genitais e vermelhidão na pele.

O que fazer: Assim que surgirem os primeiros sinais de irritação na pele, é preciso sair da piscina ou da banheira e tomar banho com água corrente. Caso os sintomas não desapareçam, é recomendado tomar um antialérgico e ir ao alergologista caso os sintomas sejam frequentes e constantes.

Como evitar

Para evitar as doenças que podem ser contraídas na piscina ou na banheira de hotéis, é importante prestar atenção no estado geral do ambiente:

  • Verificar se a água está límpida, sendo possível ver o fundo da piscina, por exemplo;
  • Verificar se os azulejos estão limpos, sem qualquer sinal de mancha mais escura. Além disso, os azulejos da piscina não podem estar escorregadios ou pegajosos;
  • Verificar se o motor de filtragem da água está funcionando, no caso das piscinas;
  • Verificar se há qualquer mancha na banheira.

É importante também evitar engolir qualquer quantidade de água e não frequentar a piscina caso esteja doente. Além disso, no caso das piscina, quanto mais pessoas frequentando ao mesmo tempo, maior o risco de doenças, assim, se possível, evitar frequentar piscinas muito cheias ou que aparentemente não possuem manutenção adequada.

Esta informação foi útil?

Atualizado por Equipe Editorial do Tua Saúde, em setembro de 2020.
Equipe editorial constituída por médicos e profissionais de saúde de diversas áreas como enfermagem, nutrição, fisioterapia, análises clínicas e farmácia.