Corticoides: o que são, para que servem, tipos e efeitos colaterais

novembro 2022
  1. Para que servem
  2. Tipos
  3. Efeitos colaterais
  4. Contra-indicações

Os corticoides são remédios usados para reduzir a produção de substâncias inflamatórias no corpo ou diminuir a atividade do sistema imunológico, pois são esteroides sintéticos, semelhantes ao cortisol produzido naturalmente pelas glândulas supra-renais, com ação anti-inflamatória potente e imunossupressora.

Por isso, os corticoides, também conhecidos como corticosteroides ou cortisona, são normalmente indicados para problemas de saúde como artrite reumatoide, asma, doença pulmonar obstrutiva crônica, síndrome do intestino irritável, dermatite, urticária, ou até mesmo para o tratamento de reações alérgicas graves ou reações anafiláticas.

Os corticoides devem ser usados somente com indicação médica e consultas regulares para acompanhar o tratamento e o aparecimento de efeitos colaterais. Além disso, o uso desses remédios não deve ser interrompido por conta própria, devendo ser orientado pelo médico a redução das doses de forma gradual, quando são usados em altas doses ou por tempo prolongado.

Para que servem

Os corticoides são indicados para o tratamento de doenças inflamatórias, alérgicas ou autoimunes, como:

Além disso, os corticoides podem ser indicados para o tratamento de reações alérgicas ou anafiláticas a medicamentos, alimentos ou picadas de inseto, por exemplo, ou doença do soro.

Tipos de corticoides

Existem vários tipos de corticoides, que são utilizados de acordo com o problema a tratar e que incluem:

1. Corticoides tópicos

Os corticoides tópicos são cremes, pomadas, gel ou loções dermatológicas, como hidrocortisona, betametasona, mometasona, fludroxicortida ou dexametasona, normalmente indicados pelo médico para o tratamento de reações alérgicas ou doenças na pele, como dermatite seborreica, dermatite atópica, urticária ou eczema, por exemplo.

2. Corticoides orais

Os corticoides orais, como a prednisona ou a prednisolona, podem ser encontrados na forma de comprimidos, xarope ou soluções orais, indicadas para o tratamento de várias doenças endócrinas, ósseas, musculares, reumáticas, do colágeno, dermatológicas, alérgicas, oftálmicas, respiratórias, hematológicas ou câncer, por exemplo.

3. Corticoides injetáveis

Os corticoides injetáveis, como a dexametasona ou a hidrocortisona, são indicados para tratar casos de alterações osteomusculares, condições alérgicas e dermatológicas, doenças do colágeno, tratamento paliativo de tumores malignos, reações alérgicas ou anafiláticas a medicamentos, alimentos ou picadas de inseto, por exemplo.

4. Corticoides inalatórios

Os corticoides inalatórios, como fluticasona, budesonida ou beclometasona, são dispositivos, também conhecidos como "bombinha", que reduzem a inflamação nos pulmões, sendo normalmente indicados para o tratamento da asma, doença pulmonar obstrutiva crônica e outras alergias respiratórias.

Os corticoides inalatórios devem ser usados diariamente, conforme orientação médica, sendo importante enxaguar a boca ou escovar os dentes imediatamente após a inalação. Além disso, deve-se limpar o inalador com uma escova ou pincel macio para retirar os resíduos do medicamento. Veja o passo a passo de como usar a bombinha da asma corretamente.

5. Corticoides em spray nasal

Os corticoides em spray nasal, como a fluticasona ou a mometasona, são usados para tratar a rinite e congestão nasal intensa, pois ajudam a aliviar a coceira nasal, sensação de nariz entupido, espirros constantes, além de sintomas como lacrimejamento excessivo e vermelhidão nos olhos.

Esses spray nasais devem ser aplicados diretamente dentro das narinas, e o tipo de corticoide, as doses e o tempo de tratamento devem ser orientados pelo médico.

6. Corticoides colírio oftalmológico

​​Os corticoides na forma de colírio oftalmológico, como a prednisolona ou a dexametasona, por exemplo, podem ser indicados para o tratamento de problemas oftálmicos, como conjuntivite ou uveíte, reduzindo a inflamação, irritação e vermelhidão no olho.

O tipo de colírio corticoide a utilizar depende da condição a ser tratada, e deve ser usado apenas sob indicação do oftalmologista.

Possíveis efeitos colaterais

Os efeitos colaterais dos corticoides são mais comuns nos casos em que a pessoa usa o corticoide por períodos prolongados e incluem:

  • Cansaço e insônia;
  • Aumento dos níveis de açúcar no sangue;
  • Alterações no sistema imunológico, podendo diminuir a habilidade do organismo para combater infecções;
  • Agitação e nervosismo;
  • Aumento do apetite;
  • Má digestão;
  • Úlcera no estômago;
  • Inflamação do pâncreas e esófago;
  • Reações alérgicas locais;
  • Catarata, aumento da pressão intraocular e olhos salientes.

Além disso, os corticoides podem causar acne, estrias, pressão alta ou fragilidade nos ossos. Veja todos os efeitos colaterais dos corticoides.

Quem não deve usar

O uso de corticoesteroides está contraindicado em pacientes com hipersensibilidade à substância e outros componentes que estejam presentes nas fórmulas e em pessoas com infecções fúngicas sistêmicas ou infecções não controladas.

Além disso, os corticoides devem ser usados com cautela em pessoas com hipertensão, insuficiência cardíaca, insuficiência renal, osteoporose, epilepsia, úlcera gastroduodenal, diabetes, glaucoma, obesidade ou psicose, devendo ser utilizados apenas sob orientação do médico, nestes casos.

É seguro usar na gravidez?

O uso de corticoides na gravidez não é recomendado, uma vez que pode pôr em risco o bebê ou a mãe. Assim, o uso de corticoides no tratamento de doenças na grávida só deve ser feito sob orientação do obstetra e quando os benefícios para a mulher superam os potenciais riscos para o bebê.

Esta informação foi útil?

Atualizado e revisto clinicamente por Flávia Costa - Farmacêutica, em novembro de 2022.

Bibliografia

  • PEREIRA, Ana Líbia Cardozo et. al. Uso sistêmico de corticosteróides: revisão da literatura. Med Cutan Iber Lat Am. 35(1). 35-50, 2007
  • NETO, Herberto José Chong et. al. Corticosteroides intranasais. Rev. bras. alerg. imunopatol. 33(2). 51-56, 2010
Mostrar bibliografia completa
  • CARVALHO, Raquel Lima Gouveia. Corticosteroides tópicos no tratamento das dermatites. Trabalho de conclusão de curso, 2016. UNIVERSIDADE DE RIO VERDE (UniRV) FACULDADE DE FARMÁCIA.
Revisão clínica:
Flávia Costa
Farmacêutica
Formada em Farmácia pelo Centro Universitário Newton Paiva em 2003. Mestre em Ciências Biomédicas pela UBI, Portugal.