9 principais efeitos colaterais dos corticóides

Os corticoides podem causar efeitos colaterais como aumento do peso, acne, estrias, pressão alta, fragilidade nos ossos ou dificuldade para dormir, principalmente quando utilizados em doses altas ou por longo prazo. Isto ocorre porque os corticoides alteram o efeito do hormônio cortisol, interferindo no funcionamento de células de todo o corpo como pele, tecido gorduroso ou ossos, por exemplo. 

Geralmente, esses remédios são usados para reduzir a inflamação ou diminuir a atividade do sistema imunológico do corpo relacionadas a problemas de saúde como artrite reumatóide, asma, doença pulmonar obstrutiva crônica, síndrome do intestino irritável, ou até mesmo para o tratamento de reações alérgicas graves ou reações anafiláticas. 

Os efeitos colaterais dos corticoides podem ser leves e reversíveis, desaparecendo quando se pára de usar o medicamento, ou irreversíveis, e por isso, é importante que o uso desses remédios seja sempre feito com indicação médica e consultas regulares para acompanhar o tratamento e o aparecimento de efeitos colaterais. 

9 principais efeitos colaterais dos corticóides

Alguns dos efeitos adversos mais comuns que podem ocorrer durante o tratamento são:

1. Aumento de peso

Os corticoides, principalmente quando tomados por via oral, podem fazer com que o corpo retenha mais sal, que em grandes quantidades no corpo aumenta a retenção de líquidos, o que leva ao aumento do peso.

Além disso, os corticoides causam aumento do apetite e também afetam o metabolismo e a forma como o organismo deposita a gordura levando à um aumento e redistribuição da gordura corporal, que pode se acumular principalmente no abdômen, rosto e atrás do pescoço, como ocorre na Síndrome de Cushing, o que também pode contribuir para o aumento de peso. Saiba como tratar a Síndrome de Cushing.  

2. Alterações na pele

Os corticoides podem causar alterações na pele mesmo quando utilizados em baixas doses, no entanto, é mais comum de ocorrer com doses mais altas e com o tratamento por tempo prolongado. Isto porque os corticoides inibem os fibroblastos que são células da pele responsáveis pela produção de colágeno, o que pode levar à formação de estrias vermelhas na pele, muito marcadas e largas no abdômen, coxas, seios e braços.

Além disso, o uso dos corticoides pode aumentar o risco de desenvolvimento de acne, pêlos das orelhas ou dermatite, e também fazer com que a pele fique mais fina e frágil, podendo surgir aparecimento de pequenos vasos sanguíneos finos, vermelhos ou acastanhados sobre a pele, vermelhidão no rosto, formação equimose que são marcas roxas na pele, e má cicatrização das feridas. 

3. Diabetes 

O uso dos corticoides aumenta o risco de desenvolvimento de diabetes, principalmente em pessoas que têm história na família de diabetes e risco aumentado para desenvolver essa doença. Isto ocorre os corticoides, principalmente em altas doses, levam a uma redução da produção de insulina ou aumento da resistência à insulina, o que provoca um aumento da quantidade de glicose no sangue. 

Geralmente, esse efeito colateral desaparece ao parar de usar o corticoide e só permanece quando a pessoa têm predisposição genética para a doença ou já tenha diabetes.

4. Pressão alta

Os corticoides interferem no equilíbrio da quantidade de água, sais e minerais no corpo como sódio, potássio e cálcio, provocando retenção de líquidos dentro dos vasos sanguíneos, o que pode causar ou piorar a pressão alta.

Geralmente, esse efeito colateral é mais comum com doses mais altas dos corticoides e com o uso prolongado desses remédios, podendo também ocorrer aumento do colesterol total e aterosclerose, que é o depósito de gordura nos vasos sanguíneos, aumentando o risco de pressão alta e doenças cardiovasculares. Saiba quais são as doenças cardiovasculares mais comuns e como é o tratamento.  

5. Osteoporose

O uso prolongado de corticoides pode causar osteoporose por provocar uma diminuição do número e da atividade de células responsáveis pela formação dos ossos, e aumentar a absorção dos ossos, levando a uma perda da massa óssea, deixando-os mais frágeis e aumentando o risco de fraturas.

Além disso, os corticoides diminuem a absorção de cálcio pelos ossos, que é um mineral fundamental para fortalecer, aumentar a resistência e manter a saúde dos ossos, e por isso, aumenta o risco de osteoporose. 

6. Alterações no estômago e intestino

Os corticoides podem causar alterações no estômago ou no intestino, aumentando o risco de efeitos gastrointestinais, como azia, gastrite, refluxo gastroesofágico ou sangramento gastrointestinal, principalmente quando tomados junto com anti-inflamatórios não esteróides como ibuprofeno, ácido acetilsalicílico ou naproxeno, por exemplo.

Além disso, os corticoides também podem causar efeitos colaterais em outros órgãos relacionados ao sistema gastrointestinal e aumentar o risco de desenvolvimento de pancreatite ou fígado gorduroso. Veja como é feito o tratamento da gordura no fígado.  

7. Infecções mais frequentes 

Pessoas que tomam pelo menos 20mg/dia de prednisona têm maior risco de desenvolver infecções, já que o tratamento com estes medicamentos deixa o sistema imunológico mais enfraquecido, tornando o organismo mais suscetível a infecções por fungos, bactérias, vírus ou parasitas, podendo gerar infecções graves.

8. Alterações nos olhos

O uso de corticoides pode causar alterações nos olhos e aumentar o risco de desenvolvimento de catarata nos dois olhos ou levar ao aumento da pressão intraocular, e em alguns casos, aumenta o risco de glaucoma, especialmente em pessoas que têm história na família de glaucoma. 

Além disso, os corticoides podem causar dificuldade para enxergar ou visão embaçada e, por isso é recomendado realizar o exame para avaliar a a saúde dos olhos e pressão ocular regularmente enquanto a pessoa estiver em tratamento com corticoide.

9. Alterações do humor e do sono

Os corticoides podem causar alterações do humor e do sono como irritabilidade, ansiedade, euforia, dificuldade para dormir ou insônia, e em alguns casos, pode ocorrer também depressão, perda de memória ou diminuição da concentração.

Além disso, o tratamento com doses de prednisona acima de 20 mg por dia administradas por um período de tempo prolongado, pode causar psicose.

Efeitos colaterais na gravidez

Os corticoides não devem ser usados por grávidas, a não ser que o médico recomende, depois de avaliar a relação entre os riscos e os benefícios do medicamento. 

Nos primeiros 3 meses de gestação, existem maiores chances do bebê desenvolver alterações na boca, como fenda palatina, de ocorrer nascimento prematuro ou de o bebê nascer com baixo peso. Saiba o que é a fenda palatina e como tratar.  

Efeitos colaterais em bebês e crianças

O uso de corticoides por bebês e crianças pode levar a atraso no crescimento ou osteoporose, devido à diminuição da absorção de cálcio pelo intestino, além de desenvolvimento de catarata e aumento da quantidade de pelos no corpo, especialmente nos braços, pernas e costas.

Esta informação foi útil?

Bibliografia

  • MANTECORP FARMASA. PREDSIM® (prednisolona). 2015. Disponível em: <http://www.anvisa.gov.br/datavisa/fila_bula/frmVisualizarBula.asp?pNuTransacao=14666652017&pIdAnexo=8198599>. Acesso em 26 Jun 2019
  • YASIR, M.; GOYAL, A.; BANSAL, P.; ET AL. IN: STATPEARLS [INTERNET]. TREASURE ISLAND (FL): STATPEARLS PUBLISHING. Corticosteroid Adverse Effects. 2021. Disponível em: <https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK531462/>. Acesso em 15 Jul 2021
  • BAID, S.; NIEMAN, L. K. Glucocorticoid excess and hypertension. Curr Hypertens Rep. 6. 6; 493-9, 2004
  • BROWN, E. S.; CHANDLER, P. A. Mood and Cognitive Changes During Systemic Corticosteroid Therapy. Prim Care Companion J Clin Psychiatry. 3. 1; 17-21, 2001
  • SCHACKE, H.; et al. Mechanisms involved in the side effects of glucocorticoids. Pharmacol Ther. 96. 1; 23-43, 2002
  • HUSHER, D.; et al. Dose-related patterns of glucocorticoid-induced side effects. Ann Rheum Dis. 68. 7; 1119-24, 2009
  • PEREIRA, Ana Líbia Cardozo; et. al. Uso sistêmico de corticosteróides: revisão da literatura. Med Cutan Iber Lat Am. 35. 1; 35-50, 2007
Mais sobre este assunto: