Prednisolona: para que serve, como tomar e efeitos colaterais

Revisão médica: Dr. Gonzalo Ramirez
Clínico Geral e Psicólogo
maio 2022
  1. Para que serve
  2. Como tomar 
  3. Efeitos colaterais 
  4. Contraindicações

A prednisolona é um anti-inflamatório esteroide, indicado para o tratamento de problemas como reumatismo, alterações hormonais, colagenoses, infecções, alergias e problemas na pele e nos olhos, além de também poder ser usado no tratamento do câncer.

Este medicamento está disponível na forma de comprimidos, suspensão oral ou gotas e pode ser comprado em farmácias, mediante a apresentação de receita médica.

O uso da prednisolona deve ser sempre feito de acordo com a recomendação do médico, pois o uso prolongado e indevido deste medicamento pode levar ao aparecimento de efeitos secundários, como aumento do colesterol e triglicerídeos, por exemplo.

Para que serve

A prednisolona está indicado para o tratamento de doenças inflamatórias e autoimunes, como:

  • Alterações endócrinas, como insuficiência adrenocortical, hiperplasia adrenal congênita, tireoidite não-supurativa e hipercalcemia associada ao câncer;
  • Reumatismo, como artrite psoriática ou reumatoide, espondilite anquilosante, bursite, tenossinovite aguda inespecífica, artrite gotosa aguda, osteoartrite pós-traumática, sinovites osteoartríticas e epicondilites;
  • Colagenoses, em casos particulares de lúpus eritematoso sistêmico e cardite reumática aguda;
  • Doenças de pele, como pênfigo, algumas dermatites, micoses e psoríase grave;
  • Alergias, como rinite alérgica, dermatite de contato e atópica, doenças do soro e reações de hipersensibilidade a drogas;
  • Doenças oftálmicas, como úlceras marginais alérgicas da córnea, herpes zoster oftálmico, inflamação do segmento anterior, coroidite e uveíte posterior difusa, oftalmia simpática, conjuntivite alérgica, ceratite, coriorretinite, neurite óptica, irites e iridociclites;
  • Doenças respiratórias, como Sarcoidose sintomática, Síndrome de Löefler, beriliose, alguns casos de tuberculose, pneumonite por aspiração e asma brônquica;
  • Distúrbios do sangue, como púrpura trombocitopênica idiopática e trombocitopenia secundária em adultos, anemia hemolítica adquirida, ​​​​​​anemia eritrocítica e anemia eritroide;
  • Câncer, no tratamento paliativo de leucemias e linfomas.

Além disso, a prednisolona pode ainda ser usada para o tratamento das exacerbações agudas da esclerose múltipla, para reduzir o inchaço em casos de síndrome nefrótica idiopática e lúpus eritematoso e para a manutenção do paciente que sofreu de colite ulcerativa ou enterite regional. 

Como tomar 

A posologia de prednisolona varia muito em função do peso, idade, doença a tratar e forma farmacêutica e deve ser sempre determinada pelo médico. 

1. Comprimidos de 5 ou 20 mg

  • Adultos: a dose inicial varia de 5 a 60 mg, por dia, o equivalente a 1 comprimido de 5 mg ou 3 comprimidos de 20 mg. 
  • Crianças: a dose inicial varia de 5 a 20 mg, por dia, o equivalente a 1 comprimido de 5 mg ou 1 comprimido de 20 mg. 

A dosagem deve ser reduzida gradualmente quando o medicamento for administrado por mais do que alguns dias. Os comprimidos devem ser engolidos inteiros, juntamente com um copo de água, sem partir ou mastigar. 

2. Xarope de 3 mg/mL ou 1 mg/mL

  • Adultos: a dose recomendada varia de 5 a 60 mg por dia;
  • Bebês e Crianças: a dose recomendada varia de 0,14 a 2 mg por cada 1 kg de peso da criança, por dia, dividida em 3 a 4 administrações diárias;

O volume a medir depende da concentração da solução oral, já que existem duas apresentações diferentes. A dosagem deve ser reduzida gradualmente quando o medicamento for administrado por mais do que alguns dias. 

3. Solução em gotas de 11 mg/mL

  • Adultos: a dose recomendada varia de 5 a 60 mg por dia, o equivalente a 9 gotas ou 109 gotas, por dia.
  • Crianças: a dose recomendada varia de 0,14 a 2 mg por cada 1 kg de peso da criança, administradas 1 a 4 vezes por dia.

Cada gota equivale a 0,55 mg de prednisolona. A dosagem deve ser reduzida gradualmente quando o medicamento for administrado por mais do que alguns dias. 

A dose recomendada e a duração do tratamento com Prednisolona devem ser indicadas pelo médico, pois estas dependem do problema a tratar, idade e resposta individual do paciente ao tratamento.

Possíveis efeitos colaterais 

Os efeitos colaterais mais comuns que podem ocorrer durante o tratamento com prednisolona são aumento do apetite, má digestão, úlcera péptica, pancreatite, esofagite ulcerativa, nervosismo, fadiga e insônia.

Além disso, podem ocorrer reações alérgicas, alteração nos olhos, como catarata, glaucoma, exoftalmia e intensificação de infecções secundárias por fungos ou vírus dos olhos, redução da tolerância aos carboidratos, manifestação de diabetes mellitus latente e aumento das necessidades de insulina ou hipoglicemiantes orais em diabéticos.

O tratamento com doses elevadas de corticosteroides pode induzir o aumento acentuado dos triglicérides no sangue. Veja mais sobre os efeitos colaterais dos corticoides.

Quem não deve tomar

A prednisolona está contraindicada para pessoas com infecções fúngicas sistêmicas ou infecções não controladas e para pacientes com alergia à prednisolona ou a algum dos componentes da fórmula.

Além disso, este medicamento não deve ser usado por mulheres grávidas ou que estejam a amamentar, a não ser que seja recomendado pelo médico.

Qual a diferença entre a prednisolona e prednisona?

A prednisona é um profármaco da prednisolona, ou seja, a prednisona é uma substância inativa, que para se tornar ativa precisa de ser transformada no fígado em prednisolona, para exercer a sua ação.

Assim, se a pessoa ingerir prednisona ou prednisolona, a ação exercida pelo medicamento será a mesma, já que a prednisona é transformada e ativada, no fígado, em prednisolona. Por esta razão, a prednisolona apresenta mais vantagens para pessoas com problemas de fígado, já que não precisa de ser transformada no fígado para exercer atividade no organismo.

Esta informação foi útil?

Atualizado por Manuel Reis - Enfermeiro, em maio de 2022. Revisão médica por Dr. Gonzalo Ramirez - Clínico Geral e Psicólogo, em maio de 2022.

Bibliografia

  • PEREIRA, Ana Líbia Cardozo et. al.. Uso sistêmico de corticosteróides: revisão da literatura. 35. 1; 35 - 40, 2007
  • MANTECORP. Predsim. 2015. Disponível em: <https://www.farmagora.com.br/BACKOFFICE/Uploads/Bula/Predsim.pdf>. Acesso em 27 nov 2019
Mostrar bibliografia completa
  • ACHE. Prelone - prednisolona. 2017. Disponível em: <https://www.ache.com.br/arquivos/Prelone-compimidos-18-07-2017.pdf>. Acesso em 18 mar 2021
  • EUROFARMA. Prednisolona. Disponível em: <https://cdn.eurofarma.com.br//wp-content/uploads/2020/02/Bula_paciente_prednisolona_40mg.pdf>. Acesso em 18 mar 2021
Revisão médica:
Dr. Gonzalo Ramirez
Clínico Geral e Psicólogo
Clínico geral pela UPAEP com cédula profissional nº 12420918 e licenciado em Psicologia Clínica pela UDLAP nº 10101998.