Alergia a medicamentos: o que é, sintomas, causas e o que fazer

Revisão clínica: Manuel Reis
Enfermeiro
março 2022
  1. Sintomas
  2. Diagnóstico
  3. Causas
  4. O que fazer

A alergia a medicamentos é uma situação em que o sistema imunológico reage a um medicamento como se fosse uma substância estranha, de forma que passa a produzir anticorpos na tentativa de combater e eliminar essa substância nociva ao corpo, resultando no aparecimento de sintomas.

A alergia a medicamentos também é conhecida como Reação de Hipersensibilidade a Medicamentos (RHM) e os sintomas podem surgir poucos minutos após a administração do medicamento, seja de uso tópico, oral ou intravenoso, podendo ser notado coceira, olhos vermelhos e lacrimejando, inchaço do rosto e/ ou da garganta, tontura e sensação de desmaio, por exemplo.

É importante que na presença de sinais e sintomas indicativos de alergia medicamentosa a pessoa seja encaminhada para o hospital para que sejam tomadas as medidas necessárias, já que em alguns casos a reação do sistema imune pode ser muito intensa, podendo colocar a vida de pessoa em risco.

Sintomas de alergia a medicamentos

Os sintomas de alergia medicamentosa podem surgir poucos minutos após a administração do medicamento por via inalatória ou intravenosa, ou demorar cerca de 1 hora para aparecer no caso de medicamentos administrados por via oral.

A gravidade dos sintomas varia de acordo com a sensibilidade do sistema imunológico. Os sintomas mais leves de alergia a medicamentos são:

  • Coceira e vermelhidão numa região da pele ou em todo o corpo;
  • Febre acima de 38ºC;
  • Sensação de nariz escorrendo;
  • Olhos vermelhos, lacrimejando e inchados;
  • Dificuldade para abrir os olhos.

Por outro lado, algumas pessoas podem ter uma maior sensibilidade a determinados medicamentos, resultando em uma resposta mais intensa do sistema imunológico, o que pode levar à anafilaxia, que é uma reação alérgica grave que pode colocar em risco a vida da pessoa. Os sintomas mais graves de alergia a medicamentos são:

  • Inchaço da língua ou da garganta;
  • Dificuldade para respirar;
  • Tonturas;
  • Sensação de desmaio; 
  • Confusão mental;
  • Náuseas;
  • Diarreia;
  • Aumento dos batimentos cardíacos.

Na presença de sinais e sintomas de reação alérgica grave, é fundamental que a pessoa vá ao hospital para que sejam adotadas medidas que ajudem a diminuir a resposta do sistema imunológico e aliviar os sintomas, promovendo a qualidade de vida.

Como confirmar a alergia a medicamentos

A alergia a medicamentos pode ser identificada a partir da avaliação, pelo clínico geral ou alergologista, do histórico clínico da pessoa, dos medicamentos utilizados e dos sintomas apresentados.

Pode ser feito também um teste de alergia, também chamado de teste de provocação, que consiste na aplicação de uma gota de alguns medicamentos na pele para que seja observada se houve reação ou não a diferentes medicamentos. Caso não seja notada reação no local após alguns dias, é considerado que a pessoa não tem alergia àquele remédio. Por outro lado, caso seja notado algum sintoma, é considerado que a pessoa tem alergia, devendo evitar o uso daquele medicamento.

Esse teste, além de indicar se a pessoa tem ou não alergia a algum medicamento, é útil também para identificar outros medicamentos que podem ser utilizados em substituição àquele que causa alergia. Veja como é feito o teste de alergia.

Em alguns casos, quando a pessoa relatou a ocorrência de sintoma mais graves, a realização do teste de alergia pode não ser indicado, já que poderia desencadear uma resposta imunológica mais intensa. Nesse caso, o diagnóstico costuma ser feito apenas levando em consideração o histórico de saúde da pessoa e de uso de medicamentos.

Principais causas

Os principais remédios que causam a alergia medicamentosa são:

  • Antibióticos, como Eritromicina, Tetraciclina, Penicilina e derivados, como Amoxicilina e Ampicilina;
  • Anticonvulsivantes, como a Carbamazepina, Lamotrigina ou Fenitoína;
  • Insulina de origem animal;
  • Contraste de iodo para exames de raio-x;
  • Aspirina e anti-inflamatórios não-esteroides, como Ibuprofeno ou Naproxeno;
  • Analgésicos, como a dipirona, principalmente;
  • Quimioterápicos;
  • Remédios contra o HIV, como Nevirapina ou Abacavir;
  • Relaxantes musculares, como Atracúrio, Suxametônio ou Vecurônio

É importante que o medicamento responsável pela alergia seja identificado, pois assim é possível evitar o seu uso e, consequentemente, o desenvolvimento de sintomas.

O que fazer

É importante que sejam seguidas as orientações do médico, que podem variar de acordo com a gravidade dos sintomas. No caso de ter havido uma reação alérgica leve ou moderada, pode ser indicado que a pessoa tome um anti-histamínico, como a hidroxizina em comprimido, desde que não seja alérgica a esse medicamento.

Além disso, caso os olhos estejam vermelhos e inchados, pode-se colocar uma compressa de soro fisiológico gelado na região, que ajuda a diminuir o inchaço e o desconforto. Se não houver sinais de melhora em 1 hora ou se entretanto surgirem sintomas mais graves, deve-se ir ao pronto-socorro.

No caso dos sintomas mais graves, deve-se chamar uma ambulância ou levar a pessoa imediatamente para o hospital, já que pode haver dificuldade para respirar devido ao inchaço da garganta e da língua, podendo colocar a vida da pessoa em risco. Ainda na ambulância, podem ser iniciados os primeiros socorros com a administração de anti-histamínicos, corticoides ou remédios broncodilatadores, para facilitar a respiração.

Já no caso de uma reação anafilática, pode ser necessário administrar uma injeção de adrenalina e o paciente deve ficar internado durante algumas horas para que os seus sinais vitais sejam avaliados constantemente, evitando complicações. Geralmente não é necessário ficar internado no hospital e o paciente tem alta assim que os sintomas desaparecerem. Veja quais são os primeiros socorros para choque anafilático.

É possível evitar a alergia?

A única forma de evitar uma alergia a um determinado medicamento consiste em não utilizar esse medicamento. Assim, caso a pessoa tenha desenvolvido anteriormente sintomas de alergia após usar um determinado medicamento ou saiba que é alérgico, é importante avisar médicos, enfermeiros e dentistas antes de iniciar qualquer tipo de tratamento, de forma a evitar complicações.

Esta informação foi útil?

Atualizado e revisto clinicamente por Manuel Reis - Enfermeiro, em março de 2022.

Bibliografia

  • BOLETIM DO CENTRO DE INFORMAÇÃO SOBRE MEDICAMENTOS. Reações anafiláticas a medicamentos. 219. Disponível em: <https://www.crf-pr.org.br/uploads/revista/38460/qhkVqDEHjykO7_spOL-_R9REqueh1FwL.pdf>. Acesso em 22 mar 2022
  • INSTITUTO PARA PRÁTICAS SEGURAS NO USO DE MEDICAMENOTS. Prevenção de derros de medicação associados a reações alérgicas a medicamentos. 2019. Disponível em: <https://www.ismp-brasil.org/site/wp-content/uploads/2019/11/BOLETIM_ISMP_OUTUBRO_ALERGIAS.pdf>. Acesso em 22 mar 2022
Revisão clínica:
Manuel Reis
Enfermeiro
Pós-graduado em fitoterapia clínica e formado pela Escola Superior de Enfermagem do Porto, em 2013. Membro nº 79026 da Ordem dos Enfermeiros.