Mononucleose (doença do beijo): o que é, sintomas e tratamento

Revisão médica: Drª Sylvia Hinrichsen
Infectologista
novembro 2021

A mononucleose, também conhecida como doença do beijo, mononucleose infecciosa ou mono, é uma infecção causada pelo vírus Epstein-Barr, transmitido através da saliva, que provoca sintomas como febre alta, dor e inflamação da garganta, placas esbranquiçadas na garganta e ínguas no pescoço.

Este vírus pode provocar infecção em qualquer idade, mas é mais comum causar sintomas apenas em adolescentes e adultos, sendo que as crianças normalmente não apresentam sintomas e, por isso, não precisam de tratamento. Embora a mononucleose não tenha um tratamento específico, tem cura e desaparece após 1 ou 2 semanas. O único tratamento recomendado inclui repouso, ingestão de líquidos e uso de remédios para aliviar os sintomas e acelerar a recuperação da pessoa.

Sintomas de mononucleose

Os sintomas de mononucleose podem aparecer 4 a 6 semanas após o contato com o vírus, no entanto esse período de incubação pode ser menor de acordo com o sistema imunológico da pessoa. Os principais sintomaS indicativos de mononucleose são:

  1. Presença de placas esbranquiçadas na boca, língua e/ou na garganta;
  2. Dor de cabeça constante;
  3. Febre alta;
  4. Dor de garganta;
  5. Cansaço excessivo;
  6. Mal estar geral;
  7. Aparecimento de ínguas no pescoço.

Os sintomas de mononucleose podem ser facilmente confundidos com gripe ou resfriado, por isso caso os sintomas durem mais de 2 semanas, é importante ir ao clínico geral ou infectologista para que seja feita a avaliação e possa se chegar ao diagnóstico.

Teste de sintomas

Para saber o risco de estar com mononucleose, selecione os sintomas que está sentindo no teste a seguir:

  1. 1.Febre acima de 38º C
  2. 2.Dor de garganta muito intensa
  3. 3.Dor de cabeça constante
  4. 4.Cansaço excessivo e mal estar geral
  5. 5.Placas esbranquiçadas na boca e língua
  6. 6.Ínguas no pescoço

Como é feito o diagnóstico

O diagnóstico da mononucleose é feito através da avaliação pelo médico dos sinais e sintomas apresentados pela pessoa. Os exames laboratoriais só são indicados quando os sintomas são pouco específicos ou quando é necessário realizar o diagnóstico diferencial com outras doenças causadas por vírus.

Assim, pode ser indicada a realização do hemograma, em que pode ser observada linfocitose, presença de linfócitos atípicos e diminuição do número de neutrófilos e plaquetas. Para confirmação do diagnóstico, é recomendada a pesquisa de anticorpos específicos presentes circulantes no sangue contra o vírus responsável pela mononucleose.

Como se pega mononucleose

A mononucleose é uma doença que pode ser facilmente transmitida de uma pessoa para outra por meio da saliva, principalmente, sendo o beijo a forma mais comum de transmissão. No entanto, o vírus pode ser espalhado no ar através de gotículas que são liberadas no espirro e na tosse.

Além disso, a partilha de copos ou talheres com uma pessoa infectada também pode levar ao surgimento da doença.

Tratamento para mononucleose

Não existe um tratamento específico para a mononucleose, uma vez que o corpo é capaz de eliminar o vírus. No entanto, é recomendado ficar de repouso e ingerir muitos líquidos, como água, chás ou sucos naturais para acelerar o processo de recuperação e evitar o surgimento de complicações, como inflamação do fígado ou aumento do baço.

No entanto, em alguns casos, o médico pode optar por indicar medicamentos para alívio dos sintomas, podendo ser recomendado o uso de analgésicos e antipiréticos, como Paracetamol ou Dipirona, para aliviar a dor de cabeça e o cansaço, ou anti-inflamatórios, como o Ibuprofeno ou o Diclofenaco, para aliviar a dor de garganta e reduzir as ínguas. No caso de surgirem outras infecções, como amigdalite, por exemplo, o médico pode ainda indicar o uso de antibióticos, como a Amoxicilina ou Penicilina.

Entenda como é feito tratamento da mononucleose.

Possíveis complicações

As complicações da mononucleose são mais comuns em pessoas que não fazem o tratamento adequado ou que apresentam um sistema imune enfraquecido, permitindo que o vírus se desenvolva mais. Estas complicações normalmente incluem o aumento do baço e inflamação do fígado. Nestes casos, é comum o surgimento de dores intensas na barriga e inchaço do abdômen e é recomendado consultar um clínico geral para iniciar o tratamento adequado.

Além disso, podem ainda surgir complicações mais raras como anemia, inflamação do coração ou infecções no sistema nervoso central, como meningite.

Esta informação foi útil?

Atualizado por Equipe Editorial do Tua Saúde, em novembro de 2021. Revisão médica por Drª Sylvia Hinrichsen - Infectologista, em outubro de 2021.

Bibliografia

  • CDC. About Infectious Mononucleosis. Disponível em: <https://www.cdc.gov/epstein-barr/about-mono.html>. Acesso em 08 out 2019
  • SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ - SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE. Guia Rápido de Manejo Epidemiológico das doenças Imunopreveníveis. 2015. Disponível em: <http://www.saude.pr.gov.br/arquivos/File/book_guia_rapido.pdf>. Acesso em 08 out 2019
Revisão médica:
Drª Sylvia Hinrichsen
Infectologista
Médica infectologista, doutorada em Medicina Tropical pela Universidade Federal de Pernambuco, em 1995. Cremepe: 6522