Ative as notificações para não perder as publicações de saúde e bem estar mais interessantes.
O que você precisa saber?

Anisocoria: o que é, principais causas e o que fazer

Anisocoria é um termo médico utilizado para descrever quando as pupilas apresentam tamanhos diferentes, existindo uma que está mais dilatada que a outra. A anisocoria em si não causa sintomas, mas o que pode estar na origem dela pode gerar sintomas, como sensibilidade à luz, dor ou visão embaçada.

Normalmente, a anisocoria acontece quando existe algum problema no sistema nervoso ou nos olhos e, por isso, é muito importante ir rapidamente ao oftalmologista ou ao hospital para identificar a causa e iniciar o tratamento mais adequado.

Existem também algumas pessoas que podem apresentar pupilas de tamanho diferente no dia-a-dia, mas, nessas situações, geralmente não é sinal de um problema, sendo apenas uma característica do corpo. Assim, a anisocoria só deve ser motivo de alarme quando surge de um momento para o outro, ou após acidentes, por exemplo.

Anisocoria: o que é, principais causas e o que fazer

6 principais causas de anisocoria

Existem várias causas para o surgimento de pupilas de tamanho diferente, no entanto, as mais comuns incluem:

1. Pancadas na cabeça

Quando se sofre uma pancada forte na cabeça, devido a um acidente de trânsito ou durante um esporte de alto impacto, por exemplo, pode se desenvolver um traumatismo craniano, no qual pequenas fraturas surgem no crânio. Isso pode acabar originando uma hemorragia no cérebro, o que pode fazer pressão sobre alguma região do cérebro que controla os olhos, originando a anisocoria.

Assim, se a anisocoria surgir após uma pancada na cabeça, pode ser um importante sinal de hemorragia cerebral, por exemplo. Mas nesses casos, também podem surgir outros sintomas como sangramento pelo nariz ou ouvidos, dor de cabeça intensa ou confusão e perda de equilíbrio. Saiba mais sobre o traumatismo craniano e seus sinais.

O que fazer: deve-se chamar imediatamente ajuda médica, ligando para o 192 e evitar movimentar o pescoço, especialmente após acidentes de trânsito, pois também podem existir lesões na coluna vertebral.

2. Enxaqueca

Em vários casos de enxaqueca, a dor pode acabar afetando os olhos, o que pode provocar não só a caída de uma das pálpebras, mas também dilatação de uma das pupilas.

Normalmente, para identificar se a anisocoria está sendo provocada por uma enxaqueca, é preciso avaliar se estão presentes outros sinais de enxaqueca como dor de cabeça muito intensa especialmente de um lado da cabeça, visão embaçada, sensibilidade à luz, dificuldade de concentração ou sensibilidade a ruídos.

O que fazer: uma boa forma de aliviar a dor da enxaqueca consiste em repousar em um quarto escuro e silencioso, para evitar estímulos externos, no entanto, também existem alguns remédios que podem ser recomendados pelo médico caso a enxaqueca seja frequente. Outra opção é tomar um chá de artemísia, pois é uma planta que ajuda a aliviar bastante a dor de cabeça e enxaqueca. Veja como preparar este chá.

3. Inflamação do nervo ótico

A inflamação do nervo ótico, também conhecida como neurite ótica, pode acontecer devido a várias causas, mas normalmente surge em pessoas com doenças autoimunes, como esclerose múltipla, ou com infecções virais, como catapora ou tuberculose. Quando surge, essa inflamação impede a passagem de informação do cérebro para o olho e, caso afete apenas um olho, pode levar ao surgimento de anisocoria.

Outros sintomas frequentes em casos de inflamação do nervo ótico incluem perda de visão, dor para movimentar o olho e até dificuldade para distinguir cores.

O que fazer: a inflamação do nervo ótico precisa ser tratada com corticoides indicados pelo médico e, normalmente, o tratamento precisa ser iniciado com injeções diretamente na veia. Dessa forma, é aconselhado ir imediatamente ao hospital, caso os sintomas de alterações no olho surjam em pessoas com doenças autoimunes ou com uma infecção viral.

Anisocoria: o que é, principais causas e o que fazer

4. Tumor cerebral, aneurisma ou AVC

Além do traumatismo craniano, qualquer alteração cerebral como um tumor se desenvolvendo, um aneurisma ou até um AVC, podem causar pressão sobre uma parte do cérebro e acabar alterando o tamanho das pupilas.

Assim, se essa alteração surgir sem motivo aparente ou se for acompanhada de sintomas como formigamento em alguma parte do corpo, sensação de desmaio ou fraqueza em um lado do corpo, deve-se ir ao hospital.

O que fazer: sempre que existe suspeita de uma alteração cerebral deve-se ir ao hospital para identificar a causa e iniciar o tratamento mais adequado. Veja mais sobre o tratamento do tumor cerebral, aneurisma ou AVC.

5. Pupila de Adie

Esta é uma síndrome bastante rara na qual uma das pupilas não reage à luz, ficando constantemente dilatada, como se estivesse sempre num local escuro. Assim, este tipo de anisocoria pode ser mais facilmente identificado quando se está exposto ao sol ou quando se tira uma fotografia com flash, por exemplo.

Embora não seja um problema grave, pode causar outros sintomas como visão turva, dificuldade para focar, sensibilidade à luz e dor de cabeça frequente.

O que fazer: esta síndrome não tem um tratamento específico, no entanto, o oftalmologista pode aconselhar o uso de óculos com grau para corrigir a visão turva e desfocada, assim como o uso de óculos de sol para proteger contra a luz do sol, reduzindo a sensibilidade.

6. Uso de medicamentos e outras substâncias

Alguns medicamentos podem causar anisocoria após seu uso, como a clonidina, diferentes tipos de colírios, adesivo de escopolamina e ipratrópio em aerossol, se em contato com o olho. Além desses, o uso de outras substâncias, como cocaína, ou o contato com coleiras ou sprays antipulgas para animais ou materiais organofosforados também podem causar alterações do tamanho das pupilas.

O que fazer: em caso de envenenamento por substâncias ou reações após uso de drogas, é recomendado procurar atendimento médico para evitar complicações ou ligar para o 192 e solicitar atendimento. No caso da anisocoria ser pelo uso de medicamentos e se apresentem sintomas associados, deve-se retornar ao médico para avaliar a troca ou a suspensão dos remédios.

Quando ir ao médico

Em quase todos os casos de anisocoria é aconselhado consultar um médico para identificar a causa, no entanto, pode ser uma emergência quando surgem sinais como:

  • Febre acima de 38ºC;
  • Dor ao movimentar o pescoço;
  • Sensação de desmaio;
  • Perda de visão
  • História de traumas ou acidentes;
  • História de contato com venenos ou uso de drogas.

Nestes casos, deve-se ir rapidamente ao hospital pois estes sintomas podem indicar uma infecção ou problemas mais graves, que não podem ser tratado no consultório do médico.

Bibliografia >

  • MSD MANUALS- VERSÃO PARA PROFISSIONAIS DE SAÚDE. Anisocoria. 2018. Disponível em: <https://www.msdmanuals.com/pt-pt/profissional/dist%C3%BArbios-oftalmol%C3%B3gicos/sintomas-de-dist%C3%BArbios-oftalmol%C3%B3gicos/anisocoria>. Acesso em 06 Abr 2020
  • PEDIPÉDIA- ENCICLOPÉDIA PEDIÁTRICA ONLINE. Anisocória. 2018. Disponível em: <https://pedipedia.org/artigo-profissional/anisocoria>. Acesso em 06 Abr 2020
Esta informação foi útil?   
Sim  /  Não

Ficou alguma dúvida. Deixe aqui a sua questão para que possamos melhorar o nosso texto:

Atenção! Só poderemos responder diretamente se deixar o seu email.
Irá receber um email com um link que deverá aceder para confirmar que o email lhe pertence.
Mais sobre este assunto:

Publicidade
Carregando
...
Fechar Simbolo de finalizado

Pode perguntar

Fechar
É hora de acabar com todas as suas dúvidas!
Erro
Erro
Erro
Marque a caixa de verificação acima.
Enviar Mensagem