Alergia a camarão: sintomas, diagnóstico e tratamento

Os sintomas de alergia ao camarão podem surgir imediatamente ou algumas horas após comer camarão, sendo que o mais comum é o surgimento de inchaço em algumas regiões do rosto, especialmente olhos, lábios, boca e, até, na garganta, criando a sensação de bolo na garganta.

Em geral, pessoas com alergia ao camarão também são alérgicas a outros frutos do mar, como ostras, lagosta e mariscos, sendo importante estar atendo ao surgimento da alergia relacionada a esses alimentos.

Uma vez que, na maioria dos casos, os sintomas de alergia ao camarão tendem a ser graves e até causar falta de ar, é importante que este alimento seja completamente retirado da dieta, além de ser recomendado que a pessoa com alergia seja portadora de uma caneta injetora de epinefrina, que pode ser usada em situações de emergência, especialmente quando se come fora de casa, por exemplo.

Alergia a camarão: sintomas, diagnóstico e tratamento

Sintomas da alergia ao camarão

Os principais sintomas da alergia ao camarão são:

  • Coceira;
  • Placas vermelhas na pele;
  • Inchaço nos lábios, olhos, língua e garganta;
  • Dor abdominal;
  • Diarreia;
  • Náuseas e vômitos;
  • Tonturas ou desmaios.

Nos casos mais graves, a alergia pode causar uma reação exagerada do sistema imunológico, causando anafilaxia, um quadro grave, que causa dificuldade para respirar e que deve ser tratado imediatamente no hospital, pois pode levar à morte. Confira os sintomas do choque anafilático e o que fazer.

Alergia ao conservante usado nos congelados

Algumas vezes os sintomas de alergia surgem não devido ao camarão, mas sim por causa de um conservante chamado "metabissulfito de sódio", que é usado em alimentos congelados. Nestes casos, a gravidade dos sintomas depende da quantidade de conservante consumido, e os sintomas não surgem quando o camarão é ingerido fresco.

Para evitar esse problema, deve-se sempre olhar na lista de ingredientes do rótulo dos produtos congelados e evitar os que contenham o metabissulfito de sódio. Veja também como identificar outros tipos de intolerância alimentar.

Como confirmar o diagnóstico

Para confirmar o diagnóstico de alergia ao camarão, além de avaliar os sintomas que surgem, o médico também pode pedir exames de alergia como o teste cutâneo, em que uma pequena quantidade da proteína encontrada no camarão é injetada na pele para verificar se haverá ou não uma reação, e o exame de sangue, que verifica a presença de células de defesa contra as proteínas do camarão.

Saiba mais detalhes sobre como é feito o teste de alergias.

Alergia a camarão: sintomas, diagnóstico e tratamento

Como é feito o tratamento

O tratamento para qualquer tipo de alergia alimentar é feito com a retirada do alimento da dieta para evitar o surgimento de novas crises alérgicas. Porém, quando os sintomas surgem, o médico pode receitar medicamentos anti-histamínicos e corticoides para melhorar o inchaço, a coceira e a inflamação, mas não há cura para a alergia.

Nos casos de anafilaxia, em que a pessoa sofre com forte inchaço da garganta e sensação de falta de ar, é importante ir imediatamente à emergência do hospital ou chamar a ajuda médica, ligando para o 192. Em alguns casos, o médico pode recomendar que a pessoa transporte sempre uma caneta injetora de epinefrina, que pode ser usada em casos de emergência para reverter a anafilaxia. Veja os primeiros socorros para alergia ao camarão.

Esta informação foi útil?
Atualizado por Equipe Tua Saúde - em Abril de 2021. Revisão clínica por Tatiana Zanin, Nutricionista - em Abril de 2021.

Bibliografia

  • AMERICAN COLLEGE OF ALLERGY, ASTHMA & IMMUNOLOGY. Shellfish Allergy. Disponível em: <https://acaai.org/allergies/types/food-allergies/types-food-allergy/shellfish-allergy>. Acesso em 05 Abr 2021
  • NHS. Shellfish allergy. 2018. Disponível em: <https://www.wsh.nhs.uk/CMS-Documents/Patient-leaflets/PaediatricDepartment/6435-1-Shellfish-allergy.pdf>. Acesso em 05 Abr 2021
  • DAVIS, Carla M. et al.. Clinical Management of Seafood Allergy. Journal of Clinical Immunology. Vol.8, n.1. 37-44, 2020
Mais sobre este assunto: