Varíola dos macacos: o que é, sintomas, tratamento e cura

Revisão médica: Drª Sylvia Hinrichsen
Infectologista
agosto 2022
  1. Sintomas
  2. Transmissão
  3. Diagnóstico
  4. Tratamento
  5. Prevenção

A varíola dos macacos, ou Monkeypox, é uma doença rara causada por um vírus do gênero Orthopoxvirus, que costuma estar presente em roedores. A varíola dos macacos pode ser transmitida de pessoa para pessoa, através do contato próximo e prolongado, e causar sintomas como calafrios, dor muscular e nas costas, cansaço excessivo e aparecimento de bolhas e feridas na pele, que podem coçar ou serem doloridas.

Os primeiros casos de varíola dos macacos, ou varíola símia, foram identificados em 1958 em um grupo de macacos, o que deu origem ao nome da doença, apesar de o vírus ser mais comum em roedores. Já o primeiro caso em pessoas foi identificado em 1970.

Na presença de sinais e sintomas indicativos de varíola dos macacos, é importante ir ao hospital para confirmar o diagnóstico, prevenir a transmissão para outras pessoas e iniciar o tratamento, que geralmente inclui o uso de remédios para aliviar os sintomas.

Conheça mais sobre a varíola dos macacos no vídeo a seguir:

Sintomas da varíola dos macacos

Os primeiros sintomas da varíola dos macacos são:

  • Bolhas e feridas na pele, que coçam e doem;
  • Febre;
  • Calafrios;
  • Dor de cabeça;
  • Dor muscular;
  • Cansaço excessivo,
  • Dor nas costas.

Estes sintomas costumam surgir cerca de 5 a 21 dias após o contato com o vírus, e duram entre 14 a 21 dias. As bolhas costumam surgir primeiro no rosto e mucosa oral, espalhando-se depois para o resto do corpo e atingindo, principalmente, as extremidades, como a palma das mãos. Em alguns casos, pode também surgir bolhas e feridas na região genital, além de inchaço no pênis e dor na região anal.

Mais raramente, é possível evoluir para um quadro mais grave da Monkeypox dependendo da forma de transmissão, estado imunológico da pessoa e a quantidade de vírus que foi inoculado. Nesses casos, pode haver comprometimento pulmonar ou inflamação do cérebro, chamada de encefalite.

Como acontece a transmissão

A Monkeypox pode se transmitida de pessoa para pessoa por meio do contato com secreções respiratórias que são liberadas ao tossir ou falar por exemplo, mas para que o vírus consiga ser transmitido dessa forma, é preciso que as pessoas estejam muito próximas durante muito tempo.

Além disso, a transmissão também pode acontecer por meio do contato direto com as secreções das bolhas e feridas causadas pelo vírus da varíola dos macacos, ou por meio do contato com objetos contaminados, incluindo toalhas e roupa de cama. A presença de lesões na região genital também aumenta o risco de transmissão da varíola dos macacos através da relação sexual.

A transmissão de pessoa para pessoa acontece desde o início dos sintomas até a cicatrização das lesões e formação de nova pele. Além disso, é possível haver transmissão da mulher para o bebê através da placenta.

A transmissão desse tipo de varíola de animais para pessoas também pode acontecer, sendo possível através da mordida de roedores infectados, consumo de carne mal cozida de animais infectados e/ou contato com secreções ou sangue de animais infectados.

Como é feito o diagnóstico

O diagnóstico da varíola dos macacos pode ser feito pelo infectologista ou clínico geral por meio da avaliação do histórico de saúde e sintomas apresentados. A confirmação da Monkeypox acontece por meio do exame RT-PCR, que é feito com uma amostra da secreção da ferida ou da crosta da ferida. Através desse exame é possível confirmar a presença do vírus responsável pela doença.

O caso provável de Monkeypox é considerado quando a pessoa apresenta sintomas, teve contato próximo com uma pessoa com varíola dos macacos ou com sintomas sugestivos e que ainda não tiveram o resultado do exame de RT-PCR.

No caso da pessoa apresentar sintomas sugestivos de varíola dos macacos, mas o resultado do exame é negativo, são indicados outros exames complementares para identificar o agente responsável pelos sintomas e, assim, ser possível iniciar o tratamento mais adequado.

Como diferenciar varíola dos macacos de outras doenças

A tabela a seguir contém algumas características que ajudam a diferenciar as bolhas e lesões da varíola dos macacos de outros problemas na pele:

 

Características

CoceiraCor do líquido

Local

Varíola dos macacos

Caroços vermelhos e que aumentam de tamanho. Com o tempo, as lesões secam e formam uma casca.

Sim

Esbranquiçado, parecido com pus

Rosto e boca, podendo se espalhar por todo o corpo, principalmente extremidades

Herpes zósterBolhas vermelhas e de tamanhos diferentesSimTransparenteTórax e barriga, principalmente, em apenas um lado do corpo

Sífilis

Pequenas feridas ou caroços

NãoTransparente

Região genital, ânus e boca

Catapora/varicela

Caroços vermelhos que dão origem a pequenas bolhas com líquido. Após rompimento, há formação de ferida com casca

SimTransparente, ficando mais escuro com o passar dos dias

Peito, costas e rosto, podendo se espalhar por todo o corpo

Linfogranuloma venéreoBolha pequena que pode aumentar de tamanho e feridas, e alguns casosNãoEsbranquiçado, parecido com pusRegião genital
Molusco contagiosoPequenas bolhas isoladas ou em gruposSimNão temEm qualquer região do corpo, com exceção da palma das mãos e planta dos pés

Alergia na pele

Pequenos caroços brancos ou avermelhados

SimTransparente, podendo não ter líquido, em alguns casos

Em qualquer região do corpo

Impetigo

Semelhantes a espinhas. Após rompimento, há formação de ferida com crosta

SimEsbranquiçado, parecido com pus

Nariz, boca, pernas, pés, peito e barriga.

Para melhor diferenciar as causas das lesões, é recomendado sempre passar por uma consulta com um médico, que vai avaliar os sinais e sintomas apresentados pela pessoa, além de observar o tipo e o local das lesões.

Como é feito o tratamento

Normalmente não é necessário realizar tratamento específico para a varíola dos macacos, já que os sintomas da doença costumam desaparecer após algumas semanas. No entanto, em alguns casos, o médico pode indicar o uso de medicamentos para aliviar os sintomas mais rapidamente.

É também importante que a pessoa fique em isolamento para evitar a transmissão da doença para outras pessoas, podendo ser necessário, em alguns casos, que a pessoa permaneça no hospital para ser monitorada.

No Brasil, a Anvisa aprovou o uso do medicamento Tecovirimat, um antiviral que está sendo usado contra a infecção.

Remédio para Monkeypox no Brasil

A Anvisa autorizou o uso do medicamento Tecovirimat contra a varíola dos macacos.

O Tecovirimat pode ser indicado pelo médico quando a pessoa está internada, possui RT-PCR positivo para o vírus da varíola dos macacos e apresenta a forma mais grave da doença com pelo menos um dos sintomas:

  • Inflamação do cérebro (encefalite);
  • Pneumonite;
  • Mais de 200 lesões pelo corpo;
  • Grande lesão na boca, o que interfere na hidratação e alimentação;
  • Lesões externas na mucosa anal e retal, podendo haver risco aumentado de infecção secundária;
  • Lesão ocular.

Esse medicamento não deve ser usado por pessoas que tenham menos de 13 kg, possuem alergia ao tecovirimat ou a qualquer outro componente da fórmula e que não aceitaram o termo de consentimento para o uso do medicamento. Veja mais detalhes do tratamento da varíola.

A varíola dos macacos tem cura?

A varíola dos macacos tem cura e, de forma geral, não é necessário tratamento específico, já que o vírus costuma ser eliminado pelo próprio sistema imunológico depois de cerca de 4 semanas.

No entanto, em alguns casos, para acelerar a cura, o médico pode indicar o uso de medicamentos específicos para combater o vírus.

Como prevenir

Para prevenir a varíola dos macacos, é recomendado:

  • Evitar o contato próximo com pessoas diagnosticadas com varíola dos macacos;
  • Evitar tocar nas bolhas ou entrar em contato com a roupa, roupa de cama, toalha e objetos de uso pessoal de pessoas que possuem sinais e sintomas de varíola dos macacos;
  • Desinfetar e lavar bem as mãos com água e sabão;
  • Usar máscaras de proteção.

Além disso, como a doença também pode ser transmitida de animais para pessoas, apesar de raro, é recomendado consumir apenas carnes que foram bem cozidas e evitar o contato com animais silvestres, principalmente roedores, já que podem estar infectados com o vírus da varíola dos macacos ou outros agentes infecciosos.

Vacina da varíola dos macacos

A prevenção da doença também pode ser feita através da vacina. De acordo com a Organização Mundial de Saúde a vacinação em massa para varíola dos macacos não é possível, já que não existe quantidade suficiente de vacina para toda a população.

Atualmente, a vacina aprovada no Brasil é a produzida pela Jynneos ou Imvanex, que é indicada em 2 doses, com intervalo de 4 semanas entre as doses. Essa vacina também pode ser administradas 4 dias após o contato com o vírus, sendo nesses casos recomendada apenas 1 dose. Além disso, caso a vacina seja administrada 5 a 14 dias após a infecção, é possível reduzir os sintomas, mas não evitar o desenvolvimento da doença.

A vacinação contra a varíola dos macacos está indicado para pessoas com maior risco de exposição ao vírus, incluindo trabalhadores da saúde, pessoas que trabalham em laboratório ou em pesquisas com o Orthopoxvirus ou pessoas que realizam testes laboratoriais para esse vírus.

Esta informação foi útil?

Atualizado por Manuel Reis - Enfermeiro, em agosto de 2022. Revisão médica por Drª Sylvia Hinrichsen - Infectologista, em junho de 2022.

Bibliografia

  • ANVISA. Resolução da diretoria colegiada - RDC Nº 608, de 25 de fevereiro de 2022 (Publicada no DOU nº 41, de 2 de março de 2022) - Dispõe sobre o uso compassivo de dispositivos médicos.. 2022. Disponível em: <http://antigo.anvisa.gov.br/documents/10181/6279684/RDC_608_2022_.pdf/eaee78b3-9f0a-416c-9632-05de32458ed8>. Acesso em 11 ago 2022
  • MINISTÉRIO DA SAÚDE. Plano de Contingência Nacional para Monkeypox. 2022. Disponível em: <https://www.gov.br/saude/pt-br/composicao/svs/resposta-a-emergencias/coes/monkeypox/plano-de-contingencia/plano-de-contingencia>. Acesso em 11 ago 2022
Mostrar bibliografia completa
  • PATEL, Aatish; BILINSKA, Julia; TAM, Jerry C. H. et al. Clinical features and novel presentations of human monkeypox in a central London centre during the 2022 outbreak: descriptive case series. BMJ. 2022
  • SECRETARIA ESTADUAL DE SAÚDE DO RIO GRANDE DO SUL. Monkeypox: o que é e quando suspeitar?. Disponível em: <https://www.ufrgs.br/telessauders/perguntas/monkeypox-o-que-e-e-quando-suspeitar/>. Acesso em 10 ago 2022
  • CDC. Considerations for Monkeypox Vaccination. Disponível em: <https://www.cdc.gov/poxvirus/monkeypox/considerations-for-monkeypox-vaccination.html>. Acesso em 27 jul 2022
  • MASS.GOV. Monkeypox vaccination. Disponível em: <https://www.mass.gov/info-details/monkeypox-vaccination>. Acesso em 27 jul 2022
  • WOLD HEALHT ORGANIZATION. Second meeting of the International Health Regulations (2005) (IHR) Emergency Committee regarding the multi-country outbreak of monkeypox. Disponível em: <https://www.who.int/news/item/23-07-2022-second-meeting-of-the-international-health-regulations-(2005)-(ihr)-emergency-committee-regarding-the-multi-country-outbreak-of-monkeypox>. Acesso em 25 jul 2022
  • CDC. 2022 Monkeypox Outbreak Global Map. Disponível em: <https://www.cdc.gov/poxvirus/monkeypox/response/2022/world-map.html>. Acesso em 25 jul 2022
  • WORLD HEALTH ORGANIZATION. WHO Director-General's statement at the press conference following IHR Emergency Committee regarding the multi-country outbreak of monkeypox - 23 July 2022. Disponível em: <https://www.who.int/director-general/speeches/detail/who-director-general-s-statement-on-the-press-conference-following-IHR-emergency-committee-regarding-the-multi--country-outbreak-of-monkeypox--23-july-2022>. Acesso em 25 jul 2022
  • WORLD HEALTH ORGANIZATION. Vaccines and immunization for monkeypox: Interim guidance, 14 June 2022. 2022. Disponível em: <https://apps.who.int/iris/rest/bitstreams/1433527/retrieve>. Acesso em 15 jun 2022
  • ORDEM DOS FARMACÊUTICOS. Varíola dos macacos. Disponível em: <https://ordemfarmaceuticos.pt/pt/artigos/variola-dos-macacos/>. Acesso em 03 jun 2022
  • NATIONAL INSTITUTE FOR COMMUNICABLE DISEASES. Situation update: monkeypox. Disponível em: <https://www.nicd.ac.za/situation-update-monkeypox/>. Acesso em 23 mai 2022
  • EUROPEAN CENTRE FOR DISEASE PREVENTION CONTROL. Epidemiological update: Monkeypox outbreak. Disponível em: <https://www.ecdc.europa.eu/en/news-events/epidemiological-update-monkeypox-outbreak>. Acesso em 23 mai 2022
  • WHO. Monkeypox. Disponível em: <https://www.who.int/news-room/fact-sheets/detail/monkeypox>. Acesso em 23 mai 2022
  • WHO. Multi-country monkeypox outbreak in non-endemic countries. Disponível em: <https://www.who.int/emergencies/disease-outbreak-news/item/2022-DON385>. Acesso em 23 mai 2022
  • WHO. Monkeypox - Current status in West and Central Africa. 2017. Disponível em: <https://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/272620/WHO-WHE-IHM-2018.3-eng.pdf>. Acesso em 18 mai 2022
  • NHS. Monkeypox. Disponível em: <https://www.nhs.uk/conditions/monkeypox/>. Acesso em 18 mai 2022
  • CDC. Monkeypox. Disponível em: <https://www.cdc.gov/poxvirus/monkeypox/index.html>. Acesso em 18 mai 2022
Revisão médica:
Drª Sylvia Hinrichsen
Infectologista
Médica infectologista, doutorada em Medicina Tropical pela Universidade Federal de Pernambuco, em 1995. Cremepe: 6522

Tuasaude no Youtube

  • VARÍOLA DOS MACACOS: principais sintomas e como se proteger

    15:38 | 32670 visualizações