Vacina do HPV: para que serve, doses, quando tomar (e outras dúvidas)

A vacina contra o HPV (papiloma vírus humano), tem como função prevenir doenças causadas por este vírus, como verrugas genitais, lesões pré-cancerosas e câncer do colo do útero, vulva, vagina ou ânus. Esta vacina é aplicada na forma de injeção, e é oferecida gratuitamente pelo SUS para meninas de 9 a 14 anos, e meninos de 11 a 14 anos.

Além disso, o SUS também oferece a vacina do HPV para meninas e mulheres de 9 a 45 anos, e meninos e homens de 9 a 26 anos, que tenham HIV ou AIDS, ou que receberam transplante de órgãos, de medula óssea e pessoas em tratamento contra o câncer. No entanto, nesses casos é necessário a apresentação de receita médica.

A vacina oferecida pelo SUS é a quadrivalente, que protege contra os 4 tipos de vírus HPV mais comuns no Brasil, e age estimulando a produção de anticorpos necessários para combater o vírus. No entanto, a vacina não trata a infecção pelo HPV, e neste caso, deve-se fazer o tratamento do HPV indicado pelo médico. Saiba como é feito o tratamento do HPV

Vacina do HPV: para que serve, doses, quando tomar (e outras dúvidas)

Quem pode tomar

A vacina contra o HPV pode ser tomada das seguintes formas:

1. Pelo SUS

A vacina do HPV (Gardasil) está disponível gratuitamente nos postos de saúde, em 2 a 3 doses, para:

  • Meninas dos 9 aos 14 anos;
  • Meninos dos 11 aos 14 anos;
  • Meninas e mulheres dos 9 a 45 anos, que tenham HIV ou AIDS, ou que receberam transplante de órgãos, de medula óssea e pessoas em tratamento contra o câncer, desde que apresentada receita médica;
  • Meninos e homens dos 9 aos 26 anos, que tenham com HIV ou AIDS, ou que receberam transplante de órgãos, de medula óssea e pessoas em tratamento contra o câncer, desde que apresentada receita médica.

A vacina quadrivalente que é oferecida pelo SUS pode ser tomada, também, por meninos e meninas que já não são virgens, mas a sua eficácia pode estar diminuída, pois já podem ter estado em contato com o vírus.

Essa vacina não é indicada para o tratamento de infecção ativa pelo HPV, nem para tratamento do câncer do colo do útero, vulva ou vaginal. No entanto, adultos ou adolescentes que já tiveram infecção pelo HPV podem tomar a vacina, desde que com indicação médica, pois pode proteger contra outros tipos de vírus do HPV.

2. No particular

A vacina também pode ser tomada por pessoas com idades superiores, entretanto, são apenas disponibilizadas em clínicas de vacinação particulares. Ela está indicada para:

  • Meninas e mulheres entre 9 e 45 anos de idade, se for a vacina quadrivalente (Gardasil), ou qualquer idade acima dos 9 anos, se for a vacina bivalente (Cervarix);
  • Meninos e homens entre 9 e 26 anos de idade, com a vacina quadrivalente (Gardasil);
  • Meninos e meninas entre 9 e os 26 anos de idade, com a vacina nonavalente (Gardasil 9).

As vacinas podem ser tomadas mesmo por pessoas que fazem tratamento ou já tiveram infecção pelo HPV, pois pode proteger contra outros tipos de vírus HPV, e prevenir a formação de novas verrugas genitais e risco de câncer.

Principais tipos de vacinas do HPV

Os principais tipos de vacina contra o HPV são:

  • Vacina bivalente (Cervarix): protege apenas contra os vírus 16 e 18, que são os maiores causadores do câncer do colo do útero, sendo indicada a partir dos 9 anos e sem limite de idade. Essa vacina protege contra o câncer do colo do útero, mas não contra as verrugas genitais;
  • Vacina quadrivalente (Gardasil): protege contra 4 tipos de vírus do HPV, os vírus 6, 11, 16 e 18, que podem causar verrugas genitais, o câncer do colo do útero na mulher e o câncer do pênis ou do ânus no caso do homem.
  • Vacina nonavalente (Gardasil 9): protege contra 9 subtipos do vírus do HPV que são os vírus 6, 11, 16, 18, 31, 33, 45, 52 e 58, que podem causar câncer do colo do útero, vagina, vulva e ânus, assim como contra verrugas provocadas pelo HPV.

Essas vacinas têm como objetivo estimular o organismo a produzir anticorpos contra o vírus do HPV, ajudando a prevenir a doença. No entanto, é importante ressaltar que as vacinas não tratam a infecção pelo vírus HPV, sendo importante fazer o tratamento indicado pelo médico, caso já tenha a infecção. 

Doses da vacina do HPV

As doses dependem da idade e do tipo de vacina, sendo normalmente indicado:

Tipo de vacina

Indicações

Doses

Vacina bivalente

(Cervarix)

Meninos e meninas de 9 a 14 anos (inclusive no caso de já ter 14 anos no momento da primeira dose)

  • Esquema de 2 doses:

1ª dose: na data escolhida pelo médico ou pais;

2ª dose: 6 meses após a primeira dose.

  • Esquema de 3 doses:

1ª dose: na data escolhida pelo médico ou pais;

2ª dose: 1 mês após a primeira dose;

3ª dose: 6 meses após a primeira dose.

Meninos e meninas a partir dos 15 anos de idade

1ª dose: na data escolhida pelo médico ou pais;

2ª dose: 1 mês após a primeira dose;

3ª dose: 6 meses após a primeira dose

Vacina quadrivalente

(Gardasil)

Meninas e mulheres de 9 a 45 anos e 

meninos e homens de 9 a 26 anos

1ª dose: na data escolhida pelo médico ou pais;

2ª dose: 2 meses após a primeira dose;

3ª dose: 6 meses após a primeira dose.

Meninos e meninas entre 9 e 13 anos de idade 

Esquema vacinal em 2 doses, se a primeira dose for feita até aos 13 anos:

1ª dose: na data escolhida pelo médico ou pais;

2ª dose: 6 meses ou 12 meses após a primeira dose.

Vacina nonavalente

(Gardasil 9)

Meninos e meninas entre 9 e os 26 anos de idade

1ª dose: na data escolhida pelo médico ou pais;

2ª dose: 2 meses após a primeira dose;

3ª dose: 6 meses após a primeira dose.

Meninos e meninas entre 9 e 14 anos de idade

Esquema vacinal em 2 doses, se a primeira dose for feita até aos 14 anos:

1º dose: na data escolhida pelo médico ou pais;

2ª dose: entre 5 e 13 meses após a primeira dose. No caso de tomar a 2ª dose antes de 5 meses após a 1ª dose, deve-se receber uma 3ª dose.

É importante ter orientação do médico, que deve indicar a vacina e o esquema de doses, de acordo com a idade e após fazer uma avaliação do estado de saúde da criança ou do adulto.

Quem não pode tomar

A vacina do HPV não deve ser administrada em caso de:

  • Gravidez, mas a vacina pode ser tomada logo após o nascimento do bebê, sob orientação do obstetra;
  • Alergia aos componentes da vacina;
  • Febre ou doença aguda;
  • Redução do número de plaquetas e problemas de coagulação sanguínea.

A vacinação pode ajudar a prevenir a infecção pelo HPV e o câncer de colo do útero, mas não é indicada para tratar a doença. Além disso, outra recomendação importante para a prevenção do HPV ou outras doenças sexualmente transmissíveis é sempre usar o preservativo em todos os contatos íntimos. Também é recomendado que a mulher consulte o ginecologista pelo menos 1 vez por ano e realize exames ginecológicos como o Papanicolau. Entenda o que é e como é feito o papanicolau

Campanha de vacinação nas escolas

A vacina contra o HPV faz parte do calendário de vacinação, sendo oferecida gratuitamente pelo SUS para meninas e meninos entre os 11 e os 14 anos de idade. 

Os meninos e as meninas nestas faixas etárias devem tomar 2 doses da vacina, sendo que a 1ª dose está disponível em escolas públicas e privadas ou em postos de saúde da rede pública. Já a 2ª dose deve ser tomada em um posto de saúde 6 meses após a primeira dose

Efeitos colaterais da vacina

A vacina contra o HPV pode ter alguns efeitos colaterais como dor, vermelhidão ou inchaço no local da picada, que podem ser diminuídos com a aplicação de uma pedrinha de gelo, protegido com um pano, no local. 

Além disso, a vacina contra pode ainda provocar dor de cabeça, tonturas, náuseas, vômitos e febre superior a 38ºC, que pode ser controlada com um antitérmico como o paracetamol, por exemplo. No caso da febre não melhorar, deve-se entrar em contato com o médico.

Outros efeitos colaterais menos comuns relatados por meninas que tomaram a vacina do HPV foram alteração da sensibilidade das pernas ou dificuldade para caminhar, porém, os estudos com a vacina não confirmam que esta reação seja provocada pela sua administração, sendo mais provável que se trate de outros fatores como ansiedade ou medo de agulhas, por exemplo. Não foram confirmados por estudos científicos outras alterações relacionadas a esta vacina.

Dúvidas comuns sobre a vacina

As dúvidas mais comuns sobre a vacina do HPV são:

1. Por que é preferível vacinar até aos 15 anos?

Os estudos científicos mostram que a vacina contra o HPV é mais eficaz quando aplicada em quem ainda não iniciou a vida sexual, e, por isso, o SUS só aplica a vacina em crianças e adolescentes entre 9 e 14 anos, no entanto, pode-se tomar a vacina em clínicas particulares.

2. É necessário fazer exames antes de tomar a vacina?

Não é preciso realizar nenhum exame para verificar se há infecção pelo vírus HPV antes de tomar a vacina, mas é importante saber que a vacina pode não ter a mesma eficácia em pessoas que já tiveram relações sexuais.

No caso de pessoas que têm infecção pelo HIV, são portadoras de AIDS, ou que fizeram algum tipo de transplante de órgão ou que estejam em tratamento do câncer, devem fazer exames indicados pelo médico para avaliar o sistema imunológico e, desta forma, tomar a vacina somente se for receitada pelo médico.

3. Quem toma a vacina não precisa usar camisinha?

Mesmo quem tomou as duas doses da vacina deve usar sempre a camisinha em qualquer relação sexual, porque a vacina não protege de outras infecções sexualmente transmissíveis, como o HIV ou a sífilis, por exemplo.

4. A vacina contra o HPV é segura?

Esta vacina demonstrou ser segura durante ensaios clínicos e, além disso, após ter sido administrada em pessoas, em diversos países, não demonstrou provocar efeitos secundários graves relacionados ao seu uso.

Esta informação foi útil?
Atualizado e revisto clinicamente por Flávia Costa, Farmacêutica - em Dezembro de 2021.

Bibliografia

  • AGENCIA ESPAÑOLA DE MEDICAMENTOS Y PRODUCTOS SANITARIOS,. Prospecto Cervarix suspensión inyectable en jeringa precargada. Disponível em: <https://cima.aemps.es/cima/dochtml/p/07419006/P_07419006.html>. Acesso em 19 Jan 2022
  • AGENCIA ESPAÑOLA DE MEDICAMENTOS Y PRODUCTOS SANITARIOS,. Prospecto Gardasil 9 suspensión inyectable en jeringa precargada. Disponível em: <https://cima.aemps.es/cima/dochtml/p/1151007002/P_1151007002.html>. Acesso em 19 Jan 2022
  • AGENCIA ESPAÑOLA DE MEDICAMENTOS Y PRODUCTOS SANITARIOS. Prospecto Gardasil, suspensión inyectable en jeringa precargada. Disponível em: <https://cima.aemps.es/cima/dochtml/p/06357007/P_06357007.html>. Acesso em 19 Jan 2022
  • GLAXOSMITHKLINE BRASIL LTDA. Cervarix® vacina papilomavírus humano 16 e 18 (recombinante). 2020. Disponível em: <https://br.gsk.com/media/6307/l1453_cervarix_susp_inj_gds026.pdf>. Acesso em 31 Dez 2021
  • MERCK SHARP & DOHME FARMACÊUTICA LTDA. Gardasil vacina papilomavírus humano 6, 11, 16 e 18 (recombinante). 2016. Disponível em: <https://docs.google.com/gview?url=https://uploads.consultaremedios.com.br/drug_leaflet/Bula-Gardasil-Paciente-Consulta-Remedios.pdf?1597348445&embedded=true>. Acesso em 31 Dez 2021
  • MERCK SHARP & DOHME FARMACÊUTICA LTDA. Gardasil 9 vacina papilomavírus humano 9-valente (recombinante). 2019. Disponível em: <https://docs.google.com/gview?url=https://uploads.consultaremedios.com.br/drug_leaflet/Bula-Gardasil-9-Paciente-Consulta-Remedios.pdf?1638206996&embedded=true>. Acesso em 31 Dez 2021
  • MARIANI, L.; et al. Overview of the benefits and potential issues of the nonavalent HPV vaccine. Int J Gynaecol Obstet. 136. 3; 258-265, 2017
  • DE OLIVEIRA, C. M.; . Vaccine: Updates and Highlights. Acta Cytol. 63. 2; 159-168, 2019
  • LUCIANI, S.; et al. HPV vaccine implementation and monitoring in Latin America. Salud Publica Mex. 60. 6; 683-692, 2018
Mais sobre este assunto: