Ative as notificações para não perder as publicações de saúde e bem estar mais interessantes.
O que você precisa saber?

Tipos de anestesia: quando usar e quais os riscos

A anestesia é um medicamento usado para prevenir a dor ou alguma sensação durante uma cirurgia ou procedimento doloroso, como cirurgia do coração, parto ou procedimentos odontológicos, por exemplo.

Existem vários tipos de anestesia, que afetam o sistema nervoso de várias formas através do bloqueio de impulsos nervosos, cuja escolha vai depender do tipo de procedimento médico e do estado de saúde da pessoa.

1. Anestesia geral

Tipos de anestesia: quando usar e quais os riscos

Durante a anestesia geral, são administrados medicamentos anestésicos que sedam a pessoa profundamente, para que a cirurgia realizada, como cirurgia no coração, pulmão ou abdominal, não provoque qualquer dor ou desconforto.

Os medicamentos utilizados deixam a pessoa inconsciente e causam insensibilidade à dor, promovendo relaxamento muscular e causando amnésia, para que tudo o que acontece durante a cirurgia seja esquecido pelo paciente.

O anestésico pode ser injetado na veia, tendo um efeito imediato, ou inalado através de uma máscara na forma de gás, chegando na circulação sanguínea através dos pulmões. A duração do seu efeito é variável, sendo determinado pelo anestesista, que decide a quantidade do medicamento anestésico a administrar. Saiba mais sobre anestesia geral.

Os medicamentos mais usados na anestesia geral são: benzodiazepinas, narcóticos, sedativos e hipnóticos, relaxantes musculares e gases halogenados.

Quais os riscos

Embora a anestesia seja um procedimento bastante seguro, poderá ter alguns riscos associados dependentes de alguns fatores, como o tipo de cirurgia e da condição médica da pessoa. Os efeitos colaterais mais comuns são enjoo, vômitos, dor de cabeça e alergias ao medicamento anestésico.

Em casos mais graves, podem ocorrer complicações como parada da respiração, parada cardíaca ou mesmo sequelas neurológicas em pessoas com saúde mais debilitada devido a desnutrição, problemas cardíacos, pulmonares ou renais, por exemplo.

Embora seja muito raro, pode acontecer que a anestesia tenha um efeito parcial, como tirar a consciência mas permitir que a pessoa se mova ou a pessoa não se conseguir mover mas sentir os acontecimentos à sua volta.

2. Anestesia local

Tipos de anestesia: quando usar e quais os riscos

A anestesia local envolve uma área muito específica do corpo, não afeta a consciência e é normalmente usada em cirurgias pequenas como procedimentos dentários, cirurgia do olho, nariz ou garganta, ou em conjunto com outra anestesia, como anestesia regional ou de sedação. 

Este tipo de anestesia pode ser administrado de duas formas, aplicando um creme ou spray anestésico numa pequena região da pele ou mucosa, ou injetando o medicamento anestésico no tecido a anestesiar. A lidocaína é o anestésico local mais comum.

Quais os riscos

A anestesia local, quando usada corretamente é segura e quase não apresenta efeitos secundários, no entanto, em doses elevadas pode ter efeitos tóxicos, podendo afetar o coração e a respiração ou comprometer a função cerebral, já que doses elevadas podem atingir a corrente sanguínea.

3. Anestesia regional

Tipos de anestesia: quando usar e quais os riscos

A anestesia regional é usada quando é necessário anestesiar apenas uma parte do corpo, como um braço ou uma perna, por exemplo e existem vários tipos de anestesia regional: 

  • Anestesia raquidiana

Na anestesia raquidiana, o anestésico local é administrado com uma agulha fina, no líquido que banha a medula espinhal, chamado de líquido cefalorraquidiano. Neste tipo de anestesia o anestésico mistura-se com o fluído espinhal e contacta com os nervos, levando à perda da sensibilidade dos membros inferiores e da zona inferior do abdómen. 

  • Anestesia peridural

Também conhecida por anestesia epidural, este procedimento bloqueia a dor e as sensações de apenas uma região do corpo, geralmente da cintura para baixo. 

Neste tipo de anestesia, o anestésico local é administrado através de um cateter que é colocado no espaço epidural que se encontra ao redor do canal espinhal, levando à perda de sensibilidade dos membros inferiores e do abdômen. Veja mais sobre anestesia epidural e para que serve

  • Bloqueio dos nervos periféricos

Neste tipo de anestesia regional, o anestésico local é administrado ao redor dos nervos responsáveis pela sensibilidade e pelo movimento do membro onde vai ser realizada a cirurgia, podendo ser administrada uma variedade de bloqueadores do nervo.

Os grupos de nervos, chamados de plexo ou gânglio, que causa dor a um orgão ou região do corpo especificos, são então bloqueados levando à anestesia de áreas do corpo como o rosto, nariz, palato, pescoço, ombro, braço, entre outros.

  • Anestesia regional intravenosa

A anestesia intravenosa é um procedimento em que se coloca um cateter numa veia de um membro, para que o anestésico local seja administrado, colocando-se ao mesmo tempo um torniquete acima da área para que a anestesia permaneça no lugar. A sensibilidade é recuperada quando se retira o torniquete.

A anestesia regional é normalmente utilizada durante procedimentos cirúrgicos simples como durante um parto normal, em cirurgias pequenas como cirurgias ginecológicas ou estéticas ou em ortopedia, por exemplo.

Quais os riscos

Embora sejam raros, podem ocorrer efeitos colaterais como suor excessivo, infecção no local da injeção, toxicidade sistêmica, problemas cardíacos e pulmonares, calafrios, febre, danos nos nervos, perfuração da membrana que protege a medula espinhal, chamada de dura máter, podendo causar paraplegia.

4. Anestesia de sedação

Tipos de anestesia: quando usar e quais os riscos

A anestesia de sedação é administrada por via intravenosa e é geralmente usada em associação com uma anestesia regional ou local, de forma a aumentar o conforto da pessoa.

A sedação pode ser leve, em que a pessoa está relaxada mas acordada, podendo responder a perguntas do médico, moderada em que a pessoa normalmente dorme durante o procedimento, mas pode ser acordada facilmente quando se faz uma pergunta ou profunda em que a pessoa dorme durante todo o procedimento, não se lembrando do que se passou desde que foi administrada a anestesia. Sendo leve, moderada ou profunda, este tipo de anestesia é acompanhada de suplemento de oxigênio. 

Quais os riscos

Embora sejam raras, podem ocorrer reações alérgicas, dificuldades respiratórias, alteração do ritmo cardíaco, enjoo, vômitos, delírio, sudação e infecção no local de injecção.

Mais sobre este assunto:


Carregando
...