Ative as notificações para não perder as publicações de saúde e bem estar mais interessantes.

Anestesia peridural: o que é, quando é indicada e possíveis riscos

A anestesia peridural, também chamada de anestesia epidural, é um tipo de anestesia que bloqueia a dor de apenas uma região do corpo, geralmente da cintura para baixo que inclui abdômen, costas e pernas, mas a pessoa ainda pode sentir o toque e a pressão. Esse tipo de anestesia é feita de forma que a pessoa possa se manter acordada durante a cirurgia, pois não afeta o nível de consciência, e costuma ser utilizada durante procedimentos cirúrgicos simples, como a cesariana ou em cirurgias ginecológicas ou estéticas.

Para realizar a peridural, é aplicado o medicamento anestésico no espaço vertebral para atingir os nervos da região, tendo uma ação temporária, controlada pelo médico. É feita em qualquer hospital com centro cirúrgico, pelo anestesista.

Anestesia peridural: o que é, quando é indicada e possíveis riscos

Quando é indicada

A anestesia peridural pode ser usada para procedimentos cirúrgicos como:

  • Cesariana;
  • Reparo de hérnias;
  • Cirurgias gerais na mama, estômago ou fígado;
  • Cirurgias ortopédicas de quadril, joelho ou fraturas pélvicas; 
  • Cirurgias ginecológicas como histerectomia ou pequenas cirurgias no assoalho pélvico;
  • Cirurgias urológicas como remoção da próstata ou de pedras nos rins;
  • Cirurgias vasculares como amputação ou revascularização de vasos sanguíneos das pernas;
  • Cirurgias pediátricas como hérnia inguinal ou cirurgias ortopédicas. 

Além disso, a peridural pode ser feita no parto normal nos casos em que a mulher tiver muitas horas de trabalho de parto ou que sinta muitas dores, sendo utilizado um analgésico por via peridural para aliviar a dor. Veja como é feita a anestesia peridural no parto.

A anestesia peridural é considerada segura e está associada com menor risco de taquicardia, trombose e complicações pulmonares, no entanto não deve ser aplicada em pessoas que possuem infecções ativas ou no local de aplicação da anestesia e nem em pessoas que possuem alterações na coluna, sangramentos sem causa aparente ou que estejam fazendo uso de medicamentos anticoagulantes. Além disso, a aplicação dessa anestesia também não é recomendada nos casos em que o médico não consegue localizar o espaço epidural.

Como é feita

A anestesia peridural geralmente é utilizada em pequenas cirurgias, sendo muito comum na cesariana ou durante o parto normal, pois evita a dor durante o trabalho de parto e não prejudica o bebê.

Durante a anestesia, o paciente permanece sentado e inclinado para a frente ou deitado de lado, com os joelhos dobrados e encostados ao queixo. Em seguida, o anestesista abre os espaços entre as vértebras da coluna vertebral com a mão, aplica um anestésico local para reduzir o desconforto e insere a agulha e um tubo fino de plástico, chamado de cateter, que passa através do centro da agulha. 

Com o cateter inserido, o médico injeta através do tubo o remédio anestésico e, apesar de não doer, é possível sentir uma ligeira e suave picada quando a agulha é colocada, seguida de uma pressão e sensação de calor quando o remédio é aplicado. Geralmente, o efeito da anestesia peridural inicia de 10 a 20 minutos após a aplicação.

Nesse tipo de anestesia, o médico pode controlar a quantidade de anestésico e o tempo de duração, sendo que, às vezes, é possível combinar a peridural com a raquidiana para se obter um efeito mais rápido ou fazer a anestesia peridural com sedação em que são aplicados na veia medicamentos que induzem o sono.

Anestesia peridural: o que é, quando é indicada e possíveis riscos

Possíveis riscos

Os riscos da anestesia peridural são muito raros, no entanto, podem ocorrer queda da pressão arterial, calafrios, tremores, náuseas, vômitos, febre, infecção, dano no nervo próximo do local ou sangramento epidural.

Além disso, é comum sentir dor de cabeça após anestesia peridural que pode ocorrer devido ao extravasamento de líquor, que é um líquido que fica em volta da medula espinhal, causado pelo furo feito pela agulha. 

Cuidados após a anestesia

Quando a peridural é interrompida, geralmente ocorre uma dormência que dura algumas horas antes dos efeitos da anestesia começarem a desaparecer, por isso, é importante ficar deitado ou sentado até que a sensação nas pernas volte ao normal.

No caso de sentir alguma dor, deve-se comunicar ao médico e à enfermagem para que seja feito tratamento com analgésicos.

Após a peridural, não se deve dirigir ou beber álcool, pelo menos nas 24 horas após a anestesia. Saiba quais são os principais cuidados que se deve para se recuperar mais rápido após uma cirurgia.

Anestesia peridural: o que é, quando é indicada e possíveis riscos

Diferenças entre peridural e raquidiana

A anestesia peridural é diferente da anestesia raquidiana, porque são aplicadas em regiões diferentes: 

  • Peridural: a agulha não perfura todas as meninges, que são membranas que envolvem a medula espinhal, e o anestésico é colocado ao redor do canal espinhal, em maior quantidade e por um cateter que fica nas costas, e serve apenas para eliminar a dor e deixar a região dormente, no entanto, a pessoa ainda pode sentir o toque e a pressão;
  • Raquidiana: a agulha perfura todas as meninges e o anestésico é aplicado dentro da coluna espinhal, no líquor que é o líquido que envolve a espinha, e é feita de uma vez só e em menor quantidade, e serve para deixar a região dormente e paralisada. 

A peridural normalmente é usada no parto, porque permite que sejam utilizadas várias doses ao longo do dia, enquanto que a raquidiana é mais usada para realização de cirurgias, sendo aplicada apenas uma dose do medicamento anestésico. 

Quando é necessária uma anestesia mais profunda é indicada a anestesia geral. Saiba como funciona a anestesia geral e seus riscos.

Esta informação foi útil?

Bibliografia

  • VAN DEL VELDE, Marc. Low-dose spinal anesthesia for cesarean section to prevent spinal-induced hypotension. Curr Opin Anaesthesiol. 32. 2; 268-270, 2019
  • HEWSON, D. W.; et al. Spinal cord injury arising in anaesthesia practice. Anaesthesia. 73. 1; 43-50, 2018
  • MARONGE, L.; BOGOD, D. Complications in obstetric anaesthesia. Anaesthesia. 73. 1; 61-66, 2018
  • LUI, Henry; et al. Complications and liability related to regional and neuraxial anesthesia. Best Pract Res Clin Anaesthesiol. 33. 4; 487-497, 2019
  • AMERICAN SOCIETY OF ANESTHESIOLOGISTS. Epidurals. Disponível em: <https://www.asahq.org/madeforthismoment/pain-management/techniques/epidural/>. Acesso em 06 Jan 2021
  • FRANÇA, Marcello de Albuquerque; et al. Anestesia peridural: vantagens e desvantagens na prática anestésica atual. Revista Médica de Minas Gerais. 25. 4; S36-S47, 2015
  • NATIONAL HEALTH SERVICE. Epidural. Disponível em: <https://www.nhs.uk/conditions/epidural/#:~:text=Recovering%20from%20an%20epidural&text=This%20can%20take%20a%20couple,hours%20after%20having%20an%20epidural.>. Acesso em 07 Jan 2021
Mais sobre este assunto:

Carregando
...