Ative as notificações para não perder as publicações de saúde e bem estar mais interessantes.
O que você precisa saber?

O que é o sistema linfático, como funciona e doenças relacionadas

O sistema linfático é um complexo conjunto de órgãos linfoides, tecidos, vasos e ductos, que se distribuem por todo o corpo, cujas principais funções são produzir e amadurecer as células de defesa do organismo, além de drenar e filtrar o excesso de líquido do corpo, encaminhando-o para a corrente sanguínea.

Esta captação de líquido, chamado de linfa, acontece através do capilares, que são finos vasos que se comunicam com as células, e ao atingirem níveis mais profundos do corpo, os capilares viram vasos linfáticos maiores. Durante a circulação nos vasos linfáticos, a linfa passa através de órgãos, como os linfonodos, adenoides e baço, responsáveis pela produção, armazenamento e amadurecimento de células do sistema imune, tais como linfócitos, responsáveis pela defesa e combate de microrganismos estranhos.

O que é o sistema linfático, como funciona e doenças relacionadas

Situações relacionadas com o sistema linfático

Algumas situações podem provocar alterações no funcionamento do sistema, resultando em doenças, como por exemplo:

1. Filariose

A filariose, também conhecida como elefantíase, é uma das principais doenças do sistema linfático e é causada pelo parasita Wuchereria bancrofti, que é transmitido para as pessoas por meio da picada do mosquito do gênero Culex sp.. Nessa doença, o parasita atinge os vasos linfáticos e causa obstrução do fluxo da linfa resultado inchaço do órgão que teve sua circulação obstruída. Saiba mais sobre os sintomas da filariose.

2. Câncer

Alguns tipos de câncer podem causar comprometimento da circulação linfática por atingir seus vasos e órgãos, como no caso do linfoma, em que há desregulação da proliferação dos linfócitos, que são células responsáveis pela defesa do organismo e que fazer parte do sistema linfático. Devido à rápida proliferação dos linfócitos, estes ficam acumulados e resultam na formação do tumor, além de comprometer a circulação linfática.

Além disso, o sistema linfático pode ser alterado devido à metástase ou crescimento de tumores, como de mama, abdominais ou de cabela e pescoço, levando a alterações no funcionamento do sistema linfático.

Veja o que pode causar o câncer linfático.

3. Lesões em órgãos que fazem parte do sistema linfáticos

Lesões na medula óssea, baço, linfonodos ou baço, que são órgãos que formam o sistema linfático, devido a pancadas ou como consequência de tratamentos também podem alterar a circulação linfática. Essa situação é mais provável de acontecer no caso de mulheres que passaram pelo tratamento de câncer de mama com radiografia, causando alterações na capacidade de drenagem da linfa, além de também poderem ter sido submetidas à retirada dos gânglios linfáticos da região da axila.

4. Malformação do sistema linfático

Má-formações do sistema linfático também resultam em alterações da circulação da linfa e são mais frequentes de acontecer devido a alterações nos vasos ou gânglios linfáticos.

Ao prejudicar a circulação correta de linfa para a corrente sanguínea, essas situações dão origem ao linfedema, que é o inchaço no corpo produzido pelo acúmulo de linfa e líquido nos tecidos do corpo.

O que é o sistema linfático, como funciona e doenças relacionadas

Anatomia do sistema linfático

Este importante sistema é composto por uma complexa rede de células, vasos, tecidos e órgãos, que desempenham variadas funções. Os principais componentes incluem:

1. Linfa

É o líquido que percorre através da circulação linfática, geralmente, originado do extravasamento do líquido da corrente sanguínea para o tecido ao redor das células.

Função: o líquido fora dos vasos é capaz de banhar as células, ofertando os nutrientes necessários, mas ao ser captado pela corrente linfática, transforma-se em linfa, que é levada para o coração, com o intuito de voltar para a corrente sanguínea.

2. Capilares e vasos linfáticos

Os capilares são pequenos e finos vasos linfáticos, que entram em contato com as células do organismo e captam líquidos, e à medida que levam a linfa para o coração, crescem e formam os vasos linfáticos maiores e ductos.

Função: captam e absorvem o líquido e proteínas ao redor das células, evitando o acúmulo de líquidos e inchaço no corpo.

3. Ductos linfáticos

São grandes canais linfáticos, conhecidos como ducto torácico e ducto linfático direito, onde desagua a circulação linfática antes de atingir a corrente sanguínea.

Função: o ducto torácico coleta e conduz a maior parte da linfa do corpo para o sangue, já o ducto linfático é responsável por drenar a linfa de todo o membro superior direito e do lado direito da cabeça, do pescoço e do tórax para a corrente sanguínea.

4. Órgãos linfáticos

São órgãos espalhados ao longo do trajeto dos vasos linfáticos, que apresentam variados tamanhos, estruturas e funções, e podem ser estimulados sempre que há uma infecção ou inflamação. Os principais são:

  • Medula óssea: é uma estrutura localizada dentro de grandes ossos, que tem a função de formar as diversas células que compõem a circulação do corpo, incluindo os linfócitos, que são as células de defesa do sistema linfático;
  • Timo: é uma glândula localizada na parte superior do tórax, que tem a função de desenvolver e proliferar os linfócitos T que vieram da medula óssea, que em seguida vão para os outros tecidos linfoides, onde se tornam ativos para a resposta imune;
  • Linfonodos: são pequenos órgãos arredondados, espalhados ao longo dos vasos linfáticos, responsáveis por filtrar a linfa, removendo micro-organismos, como bactérias e vírus, e outras partículas da circulação, além de serem responsáveis pelo amadurecimento e armazenamento de linfonodos, que ficam prontos para agir contra infecções.
  • Baço: é um grande órgão linfático, situado na parte superior esquerda do abdômen, responsável pelo armazenamento e amadurecimento de linfócitos, além de filtrar o sangue, eliminando micro-organismos e células envelhecidas.

Além disso, existem as tonsilas, conhecidas como amígdalas e adenoides, que são aglomerados de nódulos linfáticos, situados na boca, região inferior da língua e faringe, além das placas de Peyer, situadas no intestino, que também são responsáveis por produzir células do sistema imune e auxiliar na proteção contra micro-organismos.

Para que serve a drenagem linfática

A drenagem linfática é um procedimento que consiste na realização de uma massagem com movimentos suaves, que tem como objetivo estimular e facilitar a circulação da linfa pelos seus vasos, e chegar mais rapidamente à corrente sanguínea.

Como o sistema linfático não tem um bombeamento, como feito pelo coração na corrente sanguínea, esta massagem pode ajudar no retorno de linfa, principalmente em pessoas que sofrem de fragilidade destes vasos e que têm uma tendência ao acúmulo de líquidos nos tecidos.

Quando feita com a técnica correta, este procedimento pode ser útil para eliminar qualquer tipo de inchaço no rosto ou no corpo. Confira quais são os benefícios e como é feita a drenagem linfática manual.

Bibliografia >

  • FILHO, Geraldo B. Bogliolo: Patologia Geral. 6 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2018. 147.
  • GUYTON Arthur, HALL John. Tratado de fisiologia médica. 13º. Brasil: Elsevier, 2017. 198-201.
Esta informação foi útil?   
Sim  /  Não

Ficou alguma dúvida. Deixe aqui a sua questão para que possamos melhorar o nosso texto:

Atenção! Só poderemos responder diretamente se deixar o seu email.
Irá receber um email com um link que deverá aceder para confirmar que o email lhe pertence.
Mais sobre este assunto:

Publicidade
Carregando
...
Fechar Simbolo de finalizado

Pode perguntar

Fechar
É hora de acabar com todas as suas dúvidas!
Erro
Erro
Erro
Marque a caixa de verificação acima.
Enviar Mensagem