Gastrite crônica: o que é, sintomas, causas e tratamento

A gastrite crônica é a inflamação da mucosa gástrica que dura mais de três meses e que, em muitos casos, não causa nenhum tipo de sintoma. Isso acontece porque esta inflamação tem uma evolução muito lenta, acontecendo mais frequentemente em idosos que fazem consumo diário de medicamentos, o que leva à irritação e inflamação contínua do estômago.

No entanto, a gastrite crônica também pode acontecer em pessoas que têm uma infecção por algum tipo de bactéria no estômago, geralmente H. pylori, ou que consomem bebidas alcoólicas em excesso, por exemplo.

Embora, na maioria dos casos, a gastrite crônica não apresente sintomas muito específicos, algumas pessoas podem referir uma ligeira dor na região superior do abdômen, principalmente quando ficam muito tempo sem comer. O diagnóstico pode ser feito por um gastroenterologista baseado nos sintomas, mas também no resultado de um exame conhecido como endoscopia digestiva, que permite visualizar as paredes internas no estômago. Confira como é feita a endoscopia digestiva e qual o preparo.

Gastrite crônica: o que é, sintomas, causas e tratamento

Principais sintomas

Em muitos casos, por ser uma condição que vai evoluindo muito lentamente, a gastrite crônica não causa nenhum sintoma específico. No entanto, pessoas que apresentam sintomas geralmente referem desconforto abdominal, associado a outros sintomas que se encontram na listagem abaixo. Marque os sintomas que você apresenta:

  1. 1. Dor de estômago constante e em forma de pontada
  2. 2. Sensação de enjoo ou de estômago muito cheio
  3. 3. Barriga inchada e dolorida
  4. 4. Digestão lenta e arrotos frequentes
  5. 5. Dor de cabeça e mal-estar geral
  6. 6. Perda de apetite, vômitos ou ânsia de vômito
Imagem que indica que o site está carregando

Além disso, a gastrite crônica pode levar à formação de úlceras no estômago, que são feridas bastante dolorosas que causam sintomas como sensação de estômago cheio, dor e queimação no meio do abdômen. Saiba quais são os sintomas de úlcera gástrica.

Possíveis causas

A gastrite crônica pode ser causada por vários motivos como uso prolongado de anti-inflamatórios, como o ácido acetilsalicílico, infecções bacterianas e virais, como a presença de Helicobacter Pylori, estresse crônico, consumo excessivo de álcool, problemas imunológicos que causam inflamação, doenças como diabetes ou problemas renais, refluxo biliar ou doença de Crohn, que é uma inflamação crônica do sistema digestivo que pode causar sintomas como irritação e sangramento intestinal.

Essa doença é comum em pessoas que sofrem de alcoolismo, fumantes, que tenham doenças crônicas ou com o sistema imunológico comprometido. Além disso, pessoas que consomem uma dieta rica em gordura com frequência, têm maior risco de desenvolver gastrite crônica.

Como confirmar o diagnóstico

O diagnóstico de gastrite crônica nem sempre é fácil, pois é uma condição que geralmente não causa sintomas. No entanto, no caso de pessoas que referem algum tipo de desconforto, o médico normalmente começa por pedir uma endoscopia, que é um exame através do qual é possível observar o interior das paredes do estômago, permitindo observar se existe inflamação.

Quando existe inflamação, o médico geralmente avalia o histórico da pessoa, para identificar se existe algum tipo de medicamento ou hábito que possa estar causando essa alteração. Além disso, durante o exame de endoscopia, também é comum que o médico colha algumas amostras para analisar em laboratório se existe alguma infecção por H. pylori.

Classificação da gastrite crônica

A gastrite crônica pode ser classificada de acordo com a fase da inflamação ou de acordo com a parte do estômago que foi afetada.

De acordo com a fase da inflamação, a gastrite crônica pode ser classificada em:

  • Gastrite crônica leve ou superficial, em que somente uma parte do estômago foi atingida, geralmente a parte mais externa, e representa a fase inicial da gastrite crônica;
  • Gastrite crônica moderada, na qual o estômago já está bem mais comprometido, sendo considerada uma fase mais avançada;
  • Atrofia gástrica, que ocorre quando a parede do estômago está inflamada por completo e apresenta lesões que podem virar câncer de estômago, é a fase mais grave da gastrite crônica.

Em relação à parte do estômago que foi afetada, a gastrite crônica pode ser:

  • Gastrite crônica antral, na qual a parte final do estômago é atingida e geralmente acontece por infecção da bactéria Helycobacter pylori - veja como se pega e como tratar a infecção por H. pylori;
  • Gastrite crônica no corpo do estômago, em que se percebe a inflamação na região central do estômago e normalmente acontece em função de reações do sistema imune.

Dependendo do tipo de gastrite, o gastroenterologista pode determinar qual a melhor forma de tratamento.

Como é feito o tratamento

O tratamento da gastrite crônica é feito pelo gastroenterologista dependendo da causa da gastrite, podendo ser indicado pelo médico o uso de medicamentos e a realização de uma dieta, e evitar o consumo excessivo de bebidas alcoólicas e o cigarro, por exemplo.

1. Dieta

A dieta é essencial para o tratamento da gastrite crônica, especialmente nos momentos de crise, devendo-se seguir uma alimentação de fácil digestão, pobre em gorduras e a mais natural possível.

Os alimentos devem ser cozidos na grelha ou no vapor e temperados com ervas naturais, evitando o uso de pimenta, molhos, temperos fortes ou caldos em cubos industrializados. Além disso, deve-se evitar o consumo de bebidas alcoólicas, refrigerantes, sucos industrializados, queijos amarelos, leite integral, carnes gordurosas, pizzas, alimentos congelados ou fast food.

As mudanças na dieta são fundamentais para aliviar os sintomas da gastrite, e a alimentação pode variar para cada pessoa, por isso, é recomendado consultar um nutricionista para fazer uma avaliação nutricional completa e indicar um plano alimentar de forma individualizada.

Assista o vídeo com a nutricionista Tatiana Zanin com dicas de como fazer uma dieta para gastrite crônica:

2. Medicamentos

Os medicamentos para gastrite crônica indicados pelo gastroenterologista ajudam a diminuir a produção de ácido ou neutralizando a acidez no estômago, evitando que o suco gástrico cause mais irritação no revestimento gástrico e dando o tempo necessário para o corpo curar as feridas e reduzir a inflamação do estômago.

Geralmente, os medicamentos utilizados para gastrite crônica são antiácidos, inibidores da produção de ácido e/ou antibióticos, que são indicados pelo médico de acordo com a causa da gastrite crônica de forma individualizada. Confira todas as opções de remédios indicados para o tratamento da gastrite.

3. Remédios caseiros

Uma boa opção de remédio caseiro para gastrite crônica é o chá de espinheira santa, pois possui propriedades protetoras do revestimento do estômago, antioxidantes e antibacterianas, ajudando a aliviar os sintomas e a eliminar a bactéria H. pylori.

Outras opções de remédios caseiros são o chá de camomila ou o chá de gengibre, pois possuem efeito calmante e anti-inflamatório, que ajudam a aliviar os sintomas da gastrite crônica. Confira outros remédios caseiros para gastrite crônica e como preparar.

Quem tem maior risco de ter gastrite

O risco de desenvolver uma gastrite crônica é maior em pessoas que têm hábitos pouco saudáveis para a saúde do estômago, como:

  • Fazer uma alimentação muito rica em gordura;
  • Ter uma dieta com muito sal;
  • Ser fumante;
  • Beber bebidas alcoólicas em excesso;
  • Utilizar remédios diariamente, especialmente anti-inflamatórios.

Além disso, ter um estilo de vida muito estressante ou ter uma doença autoimune também pode levar a alterações do funcionamento do sistema imune que acabam impedindo as células do estômago de se protegerem, sendo mais afetadas pelo ácido gástrico.

Esta informação foi útil?

Bibliografia

  • LONGO, Dan L. et al.. Medicina interna de Harrison. 18.ed. São Paulo: AMGH Editora, 2013. 2458-2459.
  • MAHAN, L. Kathleen et al. Krause: Alimentos, Nutrição e Dietoterapia. 13.ed. São Paulo: Elsevier Editora, 2013. 599-603.
  • GOLDMAN, Lee; SCHAFER, Andrew I.. Goldman-Cecil Medicina. 25 ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2018. p. 922-928.
Mais sobre este assunto: