Meningite C: o que é, sintomas, transmissão e tratamento

Revisão médica: Dr. Arthur Frazão
Oftalmologista
novembro 2021

A meningite C, também conhecida como meningite meningocócica do tipo C, é um tipo de meningite bacteriana causada pela bactéria Neisseria meningitidis que pode ser fatal caso não seja tratada corretamente. Esta infecção pode acontecer em qualquer idade, mas é mais frequente em crianças com menos de 5 anos.

Os sintomas da meningite C são bastante semelhantes aos da gripe e, por isso, o diagnóstico pode ser mais difícil, atrasando o início do tratamento e aumentando a probabilidade de desenvolver sequelas, como surdez, amputação e lesões cerebrais. Veja mais sobre a meningite e as possíveis complicações.

Assim, é recomendado que sempre que exista suspeita de meningite C, o clínico geral ou infectologista seja consultado para que sejam avaliados os sintomas e sejam realizados os exames necessários, de forma a confirmar o diagnóstico e iniciar o tratamento adequado o mais cedo possível.

Principais sintomas

O sintoma mais característico da meningite C é a rigidez na nuca que resulta em dificuldade de encostar o queixo no peito. Além disso, são sintomas da meningite C:

  • Febre alta;
  • Dor de cabeça;
  • Manchas grandes ou pequenas na pele;
  • Confusão mental;
  • Dor de garganta;
  • Vômitos;
  • Náuseas;
  • Sonolência;
  • Dificuldade para acordar;
  • Dor nas articulações;
  • Irritação;
  • Fotofobia;
  • Cansaço;
  • Falta de apetite.

Ao perceber estes sintomas é importante encaminhar a pessoa ao hospital o mais rápido possível para que o tratamento seja iniciado e as chances de complicações diminuam.

O diagnóstico da meningite é feito a partir da observação dos sinais e sintomas apresentados pela pessoa e é confirmado pelo exame de punção lombar, que consiste na análise laboratorial de uma pequena quantidade de líquido que é retirado da medula espinhal, o LCR.

Como confirmar o diagnóstico

O diagnóstico inicial da meningite C é feito pelo infectologista ou neurologista a partir da análise dos sintomas. A confirmação, porém, só pode ser feita por meio de exames laboratoriais, como por exemplo hemograma, punção lombar e análise do líquido cefalorraquidiano (LCR) ou líquor, em que é investigada a presença da Neisseria meningitidis.

Após a realização do exame, o médico poderá confirmar a doença e, assim, elaborar de um plano de intervenção da forma mais rápida possível de modo a evitar possíveis complicações, como alterações neurológicas, perda da visão ou audição, paralisia e atraso no desenvolvimento motor, por exemplo.

Como se transmite e como evitar

A transmissão da meningite C ocorre através do contato direto com as secreções respiratórias ou fezes de uma pessoa infectada pela bactéria Neisseria meningitidis. Dessa forma, a tosse, o espirro, e a saliva são maneiras de transmissão da bactéria, sendo recomendado evitar compartilhar talheres, copos e roupas com pessoas infectadas.

A forma mais fácil e eficaz de se prevenir contra a meningite é a partir da vacinação, que pode ser administrada a partir dos 3 meses de idade. A vacina para esse tipo de meningite é chamada de Vacina Meningocócica C e é disponibilizada em postos de saúde. Essa vacina tem duração que varia entre 1 e 2 anos e, por isso, deve ser tomado reforço em crianças até 4 anos e em adolescentes entre 12 e 13 anos. Saiba mais sobre a vacina que protege da meningite.

No entanto, o hábito de lavar as mãos com frequência, assim como evitar o contato com pessoas aparentemente doentes também ajuda a diminuir a probabilidade de infecção.

Como é feito o tratamento

O tratamento para a meningite C é feito em internamento e com o uso de antibióticos, já que a transmissão dessa bactéria para outras pessoas é muito fácil, sendo necessário manter a pessoa em isolamento até que não represente risco de contágio. Além disso, o internamento é importante para que a equipe médica monitore o estado de saúde do paciente e, assim, possa evitar complicações.

Esta informação foi útil?

Atualizado por Equipe Editorial do Tua Saúde, em novembro de 2021. Revisão médica por Dr. Arthur Frazão - Oftalmologista, em fevereiro de 2016.

Bibliografia

  • SOCIEDADE BRASILEIRA DE IMUNIZAÇÃO. Vacina meningocócica C conjugada. Disponível em: <https://familia.sbim.org.br/vacinas/vacinas-disponiveis/vacina-meningococica-c-conjugada>. Acesso em 17 nov 2021
  • BEREZIN, EITAN. Epidemiologia da Infecção Meningocócica. 2015. Disponível em: <https://www.sbp.com.br/fileadmin/user_upload/publicacoes/Folheto_Meningite_Fasciculo1_111115.pdf>. Acesso em 17 nov 2021
Revisão médica:
Dr. Arthur Frazão
Clínico geral
Médico generalista, especialista em Oftalmologia pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte, em 2008, com registro profissional no CRM/PE 16878