Somos REDE D'OR
icon de informação icon de telefone 3003-3230
Número disponível apenas em território brasileiro, com custo de chamada local.

Ureaplasma: o que é, sintomas, transmissão e tratamento

janeiro 2023

O ureaplasma é uma infecção sexualmente transmissível (IST) causada pela bactéria Ureaplasma urealyticum, que pode ser encontrada naturalmente no trato urogenital, sem causar sinais ou sintomas.

No entanto, devido à fragilidade imune ou múltiplos parceiros sexuais, é possível que a bactéria se multiplique e cause inflamação e infecção da região genital, tanto em homens quanto em mulheres.

É importante que a infecção pelo Ureaplasma urealyticum seja devidamente identificada e tratada com antibióticos de acordo com a orientação do médico para diminuir o risco de complicações, principalmente durante a gravidez.

Imagem ilustrativa número 1

Principais sintomas

De forma geral, o Ureaplasma urealyticum não causa sinais ou sintomas, no entanto alguns dos principais sintomas que podem surgir em caso de infecção são:

  • Dor ao urinar;
  • Queimação e ardor para urinar;
  • Corrimento vaginal ou peniano, que pode ter cheiro forte e desagradável;
  • Desconforto na região genital;
  • Vermelhidão no pênis;
  • Maior sensibilidade na região dos testículos;
  • Dor durante a relação sexual.

O Ureaplasma urealyticum normalmente provoca a inflamação da uretra, sendo essa situação conhecida como uretrite, mas também pode estar relacionada com a vaginose bacteriana e a doença inflamatória pélvica (DIP) em mulheres. Além disso, foram relatados casos de artrite e cistite, que é a inflamação da bexiga, em pessoas com hipogamaglobulinemia, que é uma condição caracterizada pela diminuição da atividade do sistema imune.

É importante que o ureaplasma seja identificado e tratado, pois pode levar à infertilidade nas mulheres. A relação entre ureaplasma e infertilidade no homem ainda não foi comprovada, apesar de alguns estudos indicarem a diminuição da contagem de espermatozoides e aumento do risco de epididimite, que é a inflamação do epidídimo, um canal que é responsável pela coleta e armazenamento dos espermatozoides. Conheça mais sobre a epididimite.

Transmissão do Ureaplasma urealyticum

O Ureaplasma urealyticum está naturalmente presente no sistema urinário e reprodutivo de homens e mulheres, no entanto é possível que essa bactéria seja transmitida através da relação sexual sem preservativo.

O risco de infecção por essa bactéria é maior quando a pessoa tem o sistema imunológico mais fragilizado e/ ou múltiplos parceiros sexuais, já que essas situações provocam um desbalanço da microbiota urinária e genital, favorecendo a proliferação do Ureaplasma urealyticum.

Além da transmissão por via sexual, o ureaplasma pode também ser transmitido para o bebê durante a gestação ou no momento do parto, resultando em colonização e podendo aumentar o risco de complicações no bebê no caso de ser prematuro ou ter nascido com baixo peso.

Ureaplasma na gravidez

O ureaplasma na gravidez pode aumentar o risco de parto prematuro, ruptura prematura de membranas e aborto. Além disso, a infecção por essa bactéria também pode aumentar o risco de doença pulmonar no recém-nascido, baixo peso ao nascer, pneumonia e corioamnionite

Assim, é importante que a infecção pelo Ureaplasma urealyticum seja devidamente identificada e tratada na gravidez de acordo com a orientação do ginecologista-obstetra para diminuir o risco de transmissão para o bebê e complicações.

Como é feito o diagnóstico

O diagnóstico da infecção por Ureaplasma urealyticum é difícil, já que a maioria dos casos é assintomático e é uma bactéria que está presente naturalmente no trato urogenital. No entanto, caso haja suspeita de ureaplasma, o ginecologista, urologista ou clínico geral pode indicar a coleta de amostra de urina ou de secreção genital para que seja analisada no laboratório e possa ser feita a confirmação do diagnóstico.

Tratamento para ureaplasma

O tratamento para ureaplasma deve ser orientado pelo ginecologista ou urologista, que normalmente indica o uso de antibióticos como azitromicina ou doxiciclina. Caso seja verificado que o tratamento não está sendo eficaz, pode ser recomendado o uso de levofloxacino ou eritromicina.

Em alguns casos, o médico pode também indicar que o tratamento seja feito pelo parceiro (a), além de ser recomendado usar preservativo em todas as relações sexuais.

Esta informação foi útil?

Atualizado por Marcela Lemos - Biomédica, em janeiro de 2023.

Bibliografia

  • BARER, Michael R. et al. Medical Microbiology - A guide to microbial infections: pathogenesis, immunity, laboratory investigation and control. ed 19. Elsevier, 2018. 341; 345-346; 350.
  • MAHON, Connie R.; LEHMAN, Donald C. Textbook of Diagnostic Microbiology. 6 ed. St- Louis, Missouri: Elsevier, 2019. 542-543; 546-552.
Mostrar bibliografia completa
  • SPRONG, Kaitlin Elizabeth; MABENGE, Mfundo; WRIGHT, Collen Anne; GOVENDER, Sherlene. Ureaplasma species and preterm birth: current perspectives. Critical Reviews in Microbiology. Vol 46. 2 ed; 169-181, 2020
  • MINISTÉRIO DA SAÚDE. Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas para Atenção Integral às Pessoas com Infecções Sexualmente Transmissíveis. 2015. Disponível em: <https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/protocolo_clinico_diretrizes_terapeutica_atencao_integral_pessoas_infeccoes_sexualmente_transmissiveis.pdf>. Acesso em 20 jan 2023
Equipe editorial constituída por médicos e profissionais de saúde de diversas áreas como enfermagem, nutrição, fisioterapia, análises clínicas e farmácia.