Síndrome do coração partido: o que é, sintomas, causas e tratamento

Atualizado em janeiro 2024

Síndrome do coração partido é uma doença rara que provoca sintomas semelhantes aos de infarto, como dor no peito, falta de ar, tontura, vômitos ou cansaço.

A causa mai comum dessa síndrome é o estresse emocional ou físico intensos, devido a um processo de separação ou após o falecimento de um familiar, por exemplo, afetando principalmente mulheres após os 50 anos de idade. No entanto, também pode afetar pessoas de qualquer idade, inclusive homens.

O tratamento da síndrome do coração partido, também conhecida de cardiomiopatia de Takotsubo ou cardiomiopatia de estresse, é feito pelo cardiologista com o uso de remédios que ajudam a regular a atividade cardíaca e acompanhamento psicológico.

Imagem ilustrativa número 1

Sintomas da síndrome do coração partido

Os principais sintomas da síndrome do coração partido são:

  • Dor no peito;
  • Falta de ar ou dificuldade para respirar;
  • Desmaio;
  • Palpitação cardíaca;
  • Batimentos cardíacos irregulares;
  • Tonturas e vômitos;
  • Cansaço excessivo.

Os sintomas da síndrome do coração partido geralmente surgem após uma situação de grande estresse físico ou psicológico e podem desaparecer sem tratamento.

No entanto, ao surgirem os sintomas, deve-se ir imediatamente ao pronto-socorro, para iniciar o tratamento mais adequado, pois esses sintomas são semelhantes aos do infarto.

Como confirmar o diagnóstico

O diagnóstico da síndrome do coração partido é feito pelo cardiologista através da avaliação dos sintomas, histórico de saúde, exames de sangue e exames que avaliam a saúde do coração.

Marque uma consulta com um cardiologista na região mais próxima:

Cuidar da sua saúde nunca foi tão fácil!

Marque uma consulta com nossos Cardiologistas e receba o cuidado personalizado que você merece.

Marcar consulta

Disponível em: São Paulo, Rio de Janeiro, Distrito Federal, Pernambuco, Bahia, Maranhão, Pará, Paraná, Sergipe e Ceará.

Foto de uma doutora e um doutor de braços cruzados esperando você para atender

Assim, os principais exames que podem ser solicitados pelo médico são hemograma completo com plaquetas e biomarcadores cardíacos, como troponina, creatinofosfoquinase-MB (CK-MB) e peptídeo natriurético cerebral (BNP), por exemplo.

Outros exames que podem ser solicitados pelo médico são eletrocardiograma, raio X de tórax, ressonância magnética, cintilografia por radionuclídeos do coração ou cateterismo cardíaco, por exemplo. Veja outros exames para o coração.

Esses exames ajudam a excluir condições com sintomas semelhantes, como infarto, síndrome coronariana aguda, espasmo da artéria coronária, miocardite ou pericardite, por exemplo, e confirmar o diagnóstico da síndrome do coração partido.

Possíveis causas

A causa exata da síndrome do coração partido não é completamente conhecida, mas sabe-se que fatores psicológicos e físicos podem desencadear os sintomas.

Os principais fatores que podem aumentar o risco de síndrome do coração partido são:

  • Morte inesperada de um familiar ou amigo;
  • Diagnóstico de doença grave;
  • Problemas financeiros ou de jogo;
  • Processo de separação;
  • Violência doméstica;
  • Acidentes ou traumas graves;
  • Desastres naturais.

Essas condições podem levar a um aumento da liberação de adrenalina, noradrenalina e dopamina no corpo e resultar em espasmos nas artérias coronárias, disfunção microvascular e lesões no músculo coração.

Além disso, o uso de drogas como cocaína ou anfetaminas também pode aumentar o risco da síndrome do coração partido.

Leia também: Doença arterial coronariana: o que é, sintomas e tratamento tuasaude.com/doenca-coronariana

Como é feito o tratamento

O tratamento da síndrome do coração partido deve ser orientado pelo cardiologista ou clínico geral no hospital, com uso de remédios e monitorização dos dados vitais e hemodinâmicos para evitar complicações.

Assim, os principais tratamentos que podem ser indicados pelo médico são:

  • Antiplaquetários, como ácido acetilsalicílico;
  • Betabloqueadores, para normalizar os batimentos cardíacos;
  • Inibidores da ECA, para baixar a pressão sanguínea;
  • Remédios para reduzir o colesterol;
  • Diuréticos, para ajudar a eliminar o inchaço devido falha no bombeamento do coração;
  • Angiografia para avaliar se existe obstrução das coronárias.

Em alguns casos, pode ser necessária colocação de um balão intra-aórtico ou dispositivos de assistência ventricular esquerda.

Após a recuperação, pode ser indicado o acompanhamento com psicólogo e/ou psiquiatra com objetivo da pessoa superar o trauma e o estresse emocional. Confira outras formas de superar o estresse.

Possíveis complicações

As principais complicações da síndrome do coração partido são choque cardiogênico, arritmias ventriculares, fibrilação atrial, obstrução do ventrículo esquerdo, insuficiência cardíaca ou tromboembolismo.

Essas complicações podem colocar a vida em risco e, por isso, ao surgirem sintomas da síndrome do coração partido deve-se ir imediatamente ao hospital para iniciar o tratamento mais adequado.

Leia também: Choque cardiogênico: o que é, sintomas, causas e tratamento tuasaude.com/choque-cardiogenico