Ative as notificações para não perder as publicações de saúde e bem estar mais interessantes.
O que você precisa saber?

O que é a síndrome da pele escaldada e Como tratar

A síndrome da pele escaldada é uma doença contagiosa que consiste numa reação da pele a uma infecção por algumas espécies de bactérias do gênero Staphylococus, que liberam uma substância tóxica que promove a descamação da pele, deixando-a com a aparência de uma pele queimada.

Os recém-nascidos e bebês são mais suscetíveis a esta síndrome porque o seu sistema imune ainda não está bem desenvolvido. No entanto, também pode aparecer em crianças mais velhas ou em adultos, especialmente aqueles que têm uma função renal ou sistema imune débil.

O tratamento consiste na administração de antibióticos e analgésicos e na aplicação de cremes hidratantes que aceleram a recuperação da pele. 

O que é a síndrome da pele escaldada e Como tratar

Possíveis sintomas

Os sintomas desta síndrome começam com o aparecimento de uma ferida isolada, que surge maior parte das vezes na região da fralda ou à volta do resto do cordão umbilical, no caso dos bebês, no rosto, em casos de crianças mais velhas, ou mesmo em qualquer parte do corpo, no caso dos adultos.

Após 2 ou 3 dias, o local da infecção começa a apresentar outros sinais como:

  • Vermelhidão intensa;
  • Dor intensa ao toque;
  • Descamação da pele.

Ao longo do tempo, se a infecção não for tratada, a toxina continua se espalhando pelo corpo, começando por afetar outros locais do corpo e tornando-se mais visíveil em locais de atrito como as nádegas, pregas cutâneas, mãos ou pés, por exemplo.

Durante este processo de agravamento, a camada superior da pele começa a soltar-se em pedaços, dando lugar a uma pele com aspeto queimado, com bolhas de água que se rompem com facilidade, provocando também sintomas como febre, calafrios, fraqueza, irritabilidade, perda do apetite, conjuntivite ou mesmo desidratação.

Como se pega

Esta doença é causada por algumas sub-espécies da bactéria Staphylococus, que entram no corpo através de um corte ou um ferimento e liberam toxinas que dificultam a cicatrização da pele e a sua capacidade de manter a estrutura, fazendo com que a camada superficial comece a descamar, semelhante a uma queimadura.

Estas toxinas podem espalhar-se pelo resto do corpo através da circulação sanguínea e atingir a pele de todo o corpo, podendo mesmo causar uma infecção generalizada e grave, conhecida como septicemia. Veja que sintomas de septicemia deve ficar atento.

No entanto, as bactérias do tipo Staphylococus estão sempre presentes na pele, sem causar qualquer tipo de infecção em pessoas saudáveis. Assim, a síndrome da pele escaldada geralmente só tem risco de surgir em pessoas com sistema imune enfraquecido, como acontece no caso de bebês ou em adultos que estão passando por uma doença grave ou após uma cirurgia, por exemplo.

Como é feito o tratamento

Geralmente o tratamento consiste na administração de antibióticos por via intravenosa e posteriormente por via oral, analgésicos como o paracetamol e cremes hidratantes para proteger a nova pele que se forma. No caso dos recém-nascidos afetados por esta síndrome, estes são normalmente mantidos numa incubadora.

A camada superficial da pele é rapidamente renovada, cicatrizando em cerca de 5 a 7 dias após o inicio do tratamento. No entanto, caso não seja tratada atempadamente, esta infecção pode provocar pneumonia, celulite infecciosa ou mesmo infecção generalizada.

Gostou do que leu?   
Sim  /  Não

Se ficou com alguma dúvida ou encontrou algum erro escreva aqui para que possamos melhorar o texto.

Enviar Carregando elementos na página
Mais sobre este assunto:


Publicidade
Carregando
...
Fechar