Ative as notificações para não perder as publicações de saúde e bem estar mais interessantes.
O que você precisa saber?

Tudo sobre a Rubéola

A rubéola é uma doença altamente contagiosa que se pega pelo ar e é causada por um vírus do gênero Rubivirus. Esta doença se manifesta através de sintomas como pequenas manchinhas na pele rodeadas por um vermelho vivo, espalhadas por todo o corpo e febre.

Seu tratamento é apenas para controlar os sintomas, e normalmente, esta doença não tem graves complicações. No entanto, a contaminação com rubéola durante a gravidez é grave podendo levar ao aborto ou a mal formações nos olhos, coração, fígado e cérebro do bebê.

Sinais e Sintomas da rubéola

A rubéola é mais comum no final do inverno e no início da primavera e geralmente se manifesta através dos seguintes sinais e sintomas:

  • Febre até 38º C;
  • Manchas vermelhas que aparecem inicialmente no rosto e atrás da orelha e depois seguem em direção aos pés, durante cerca de 3 dias
  • Dor de cabeça;
  • Dor nos músculos;
  • Dificuldade para engolir;
  • Nariz entupido;
  • Gânglios ou ínguas inchadas especialmente próximos ao pescoço;
  • Conjuntivite

A rubéola pode afetar crianças e adultos e embora possa ser considerada uma doença própria da infância, não é comum que crianças com menos de 4 anos tenham a doença.

Tudo sobre a Rubéola

O médico pode chegar ao diagnóstico da rubéola após a observação dos seus sintomas e a comprovação da doença através de um exame de sangue específico que identifica os anticorpos IgG e IgM.

Como ocorre a transmissão da rubéola

Uma pessoa pode pegar rubéola quando está próxima de alguém com esta doença. O vírus entra no organismo através do contato com as secreções respiratórias do indivíduo, através do beijo ou da inalação das gotículas de salivas que são espalhadas pelo ar através da fala, tosse ou espirro.

O período de incubação do vírus varia de 12 a 23 dias e a fase de maior risco de contágio ocorre entre os 7 dias antes do início das manchinhas surgirem até 7 dias depois que elas aparecem. As crianças que nascem com rubéola congênita por contágio da mãe podem continuar contaminando outras pessoas até 1 ano após o nascimento.

Tratamento para rubéola

Como a rubéola é uma doença que, normalmente, não tem graves implicações, seu tratamento consiste em aliviar os sintomas, por isso é recomendado tomar remédios analgésicos e que controlam a febre, como Paracetamol e Dipirona. Além disso, é importante que a pessoa fique de repouso e beba bastante líquidos para evitar a desidratação e para facilitar a eliminação do vírus do organismo.

As complicações relacionadas à rubéola não são frequentes, mas podem acontecer em pessoas que tem um sistema imune debilitado, o que pode acontecer quando faz tratamento contra Aids, câncer ou após ter recebido um transplante. Estas complicações podem ser dor nas articulações, causada pela artrite e encefalite. Veja outras complicações da rubéola.

Vacina previne a rubéola

A melhor forma de prevenção da rubéola é tomar a vacina tríplice viral que protege contra a sarampo, catapora e rubéola ainda na infância. Normalmente a vacina é aplicada em bebês com 15 meses de vida, sendo necessário uma dose de reforço entre os 4 e os 6 anos de idade.

Quem não tomou esta vacina ou o seu reforço na infância pode tomar em qualquer fase, com excessão do período da gravidez porque esta vacina pode levar ao aborto ou mal formações no bebê.

O contágio com a rubéola, assim como a toma desta vacina, durante a gravidez pode ter sérias consequências para o feto, como catarata, surdez, retardo mental e até malformações cardíacas, que caracterizam a síndrome da rubéola congênita.

Mais sobre este assunto:


Carregando
...