Ative as notificações para não perder as publicações de saúde e bem estar mais interessantes.

5 remédios caseiros para frieira

A melhor forma de preparar um remédio caseiro para frieira é utilizar óleos essenciais, pois várias plantas, especialmente as aromáticas como alecrim e tomilho, possuem óleos com forte ação antisséptica, capaz de eliminar vários tipos de microrganismos, incluindo fungos, que são os causadores da frieira nos dedos do pé.

Outra opção é utilizar uma infusão concentrada da planta, no entanto, como acaba sendo uma versão mais diluída que o uso do óleo essencial, o tratamento pode ser mais demorado. Ainda assim, é uma excelente forma de completar o tratamento médico, já que pode servir para lavar a região afetada antes de aplicar o remédio indicado pelo médico.

Durante o tratamento é ainda importante evitar criar um ambiente úmido e quente no local afetado, pois isso estimula o desenvolvimento de fungos. O ideal é sempre manter sempre o local bem seco e arejado. Veja outros cuidados importantes para tratar a frieira.

5 remédios caseiros para frieira

1. Alecrim

O alecrim é uma excelente opção natural para o tratamento de vários problemas de pele relacionados com o crescimento excessivo de fungos. Isso acontece porque esta planta aromática possui um óleo essencial muito rico em timol, um componente com forte ação antisséptica, capaz de eliminar fungos e bactérias.

Como usar

A forma de usar o alecrim vária com a forma de apresentação:

  • Óleo essencial de alecrim: misturar 5 a 10 gotas em 1 colher (de chá) de outro óleo vegetal como oliva, coco, abacate ou amêndoa. Depois colocar um pouco da mistura em um algodão e aplicar na região afetada pela frieira. Repetir 2 a 3 vezes por dia.
  • Tintura de alecrim: colocar 10 g de folhas secas ou 20 g de folhas frescas de alecrim em um frasco com 30 ml de álcool de cereais e 70 ml de água. Tampar bem o frasco e colocar num local escuro e seco por 8 a 15 dias, mexendo o frasco diariamente. Ao fim desse tempo, aplicar 2 ou 3 gotas no local afetado. A tintura tem uma validade aproximada de 1 ano, desde que conservada num local escuro e seco.
  • Infusão concentrada de alecrim: colocar 2 a 3 colheres (de sopa) de folhas de alecrim em meia xícara de água fervente e deixar repousar por 5 a 10 minutos. Depois coar, deixar esfriar e utilizar a mistura para lavar o local afetado.

2. Capim-limão

O capim-limão, de nome científico Cymbopogon winterianus é uma planta que contém um óleo essencial composto por mais de 80 substâncias, como citronelol, citronelal, limoneno e geraniol. Várias dessas substâncias possuem forte efeito anti-fúngico, o que significa que são capazes de eliminar fungos e evitar o seu desenvolvimento.

Como usar

As principais formas de usar o capim-limão para o tratamento da frieira são:

  • Óleo essencial de capim-limão: misturar 5 a 10 gotas em 1 colher (de chá) de outro óleo vegetal como oliva, coco, abacate ou amêndoa. Depois colocar um pouco da mistura em um algodão e aplicar na região afetada pela frieira. Repetir 2 a 3 vezes por dia.
  • Infusão concentrada de capim-limão: adicionar 2 a 3 colheres (de sopa) de folhas de capim-limão em pedaços a meia xícara de água fervente e deixar repousar por 5 a 10 minutos. Depois coar, deixar esfriar e lavar o local afetado com a mistura.

3. Melaleuca (tea tree)

A melaleuca, também conhecida como tea tree, é uma planta muito versátil que é utilizada na medicina popular há muitos anos. A principal forma de apresentação da planta é na forma de óleo essencial ou produtos de higiene enriquecidos com o óleo essencial, que podem ser comprados em lojas de produtos naturais e algumas farmácias.

O óleo essencial de melaleuca tem uma composição rica em monoterpenos, como terpineol, cineol, pineno e limoneno, que são substância com forte ação antifúngica capaz de causar danos nas membranas dos fungos e eliminá-los.

Como usar

A melhor forma de usar a melaleuca no tratamento da frieira é através do óleo essencial. Para isso deve-se misturar 5 a 10 gotas do óleo essencial de melaleuca em 1 colher (de chá) de outro óleo vegetal, como amêndoas, coco, abacate ou oliva, por exemplo. Por fim, aplicar na região afetada 2 a 3 vezes por dia.

4. Tomilho

O tomilho é outra planta aromática que tem excelentes propriedades antifúngicas devido ao seu óleo essencial, rico em compostos como timol, carvacrol, pineno e terpineno.

Como usar

O tomilho pode ser usado das seguintes formas:

  • Óleo essencial de tomilho: colocar 5 a 10 gotas em 1 colher (de chá) de outro óleo vegetal como oliva, coco, abacate ou amêndoa. Depois aplicar a mistura na região afetada com um algodão. Repetir 2 a 3 vezes por dia.
  • Tintura de tomilho: colocar 10 g de folhas secas ou 20 g de folhas frescas de tomilho em um frasco com 100 ml de álcool de cereais. Tampar bem o frasco e colocar num local escuro e seco por 8 a 15 dias, mexendo o frasco diariamente. Ao fim desse tempo, aplicar 2 ou 3 gotas no local afetado. A tintura tem uma validade aproximada de 1 ano, desde que conservada num local escuro e seco.
  • Infusão concentrada de tomilho: colocar 2 a 3 colheres (de sopa) de folhas de tomilho em meia xícara de água fervente e deixar repousar por 5 a 10 minutos. Depois coar, deixar esfriar e utilizar a mistura para lavar o local afetado.

5. Hortelã-pimenta

A hortelã-pimenta é dos grupo das plantas aromáticas e também possui um óleo essencial com potente ação antisséptica, sendo capaz de eliminar bactérias e vários tipos de fungos, entre os quais os fungos responsáveis por micoses da pele, como a frieira.

Como usar

  • Óleo essencial de hortelã-pimenta: misturar 5 a 10 gotas em 1 colher (de chá) de outro óleo vegetal como oliva, coco, abacate ou amêndoa. Depois aplicar a mistura na região afetada, repetindo 2 a 3 vezes por dia.
  • Infusão concentrada de hortelã-pimenta: colocar 2 a 3 colheres (de sopa) de folhas de hortelã-pimenta em meia xícara de água fervente e deixar repousar por 5 a 10 minutos. Depois coar, deixar esfriar e lavar o local afetado com a mistura.

Cuidados ao usar óleos essenciais

Embora tragam vários benefícios para a saúde, os óleos essenciais devem ser utilizados com precaução e, idealmente, sob supervisão de um profissional de saúde acostumado com o uso de plantas medicinais e óleos essenciais.

Durante o tratamento tópico com óleos essenciais é importante ter alguns cuidados, como:

  • Fazer um teste de tolerância, aplicando a mistura num pequeno local da pele para verificar a reação em 24 horas: algumas pessoas possuem sensibilidade aumentada aos óleos essenciais, podendo causar irritação da pele;
  • Diluir sempre o óleo essencial com um óleo vegetal: o uso direto do óleo essencial na pele aumenta o risco de irritação cutânea;
  • Evitar expor o local tratado ao sol: por serem óleos, os óleos essenciais podem aumentar o efeito dos raios solares sobre a pele, aumentando o risco de queimadura.

O uso de óleos essenciais também não deve substituir o tratamento médico, devendo apenas um complemento do tratamento. É também importante informar o médico que se está fazendo uso de óleos essenciais, para avaliar a possibilidade de interação entre o óleo essencial e o medicamento prescrito.

Esta informação foi útil?

Bibliografia

  • ELABBOUBI, Meriem, et al.. Treatment of mycoses by essential oils: Mini Review. Journal of Analytics Sciences and Applied Biotechnology. Vol.1, n.2. 35-40, 2019
  • TIWARI, T.N. et al.. Antimycotic Potency of Some Essential Oils in the Treatment of Induced Dermatomycosis of an Experimental Animal. Pharmaceutical Biology. Vol.41, n.5. 351-356, 2003
  • UNIVERSIDADE FEDERAL DE PARAÍBA. Fitoterapia para todos. 2013. Disponível em: <http://plone.ufpb.br/petfarmacia/contents/documentos/boletim-informativo/ano2013-ed3.pdf>. Acesso em 07 Jul 2021
  • SKENDI, Adriana et al.. Antifungal Activity of Aromatic Plants of the Lamiaceae Family in Bread. NAture. Vol.9, n.1642. 2020
  • UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ/CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE. Efeito do óleo essencial de tomilho sobre o fungo Aspergillus Flavus. 2016. Disponível em: <http://www.eaic.uem.br/eaic2016/anais/artigos/1164.pdf>. Acesso em 08 Jul 2021
  • TULLIO, Vivian et al.. Evaluation of the Antifungal Activity of Mentha x piperita (Lamiaceae) of Pancalieri (Turin, Italy) Essential Oil and Its Synergistic Interaction with Azoles. Molecules. Vol.24, n.3148. 2019
Mais sobre este assunto:

Carregando
...