Ative as notificações para não perder as publicações de saúde e bem estar mais interessantes.

Quando fazer compressa quente ou fria

As compressas frias diminuem o fluxo sanguíneo do local em que é aplicada, ajuda a desinchar, e possui efeito analgésico que se inicia após 5 minutos de uso, podendo ser usada até 48 horas após injeção, em caso de dor de dente, pancada, torção, dor no joelho e quedas. Por outro lado, as compressas quentes promovem a dilatação dos vasos sanguíneos e diminuem a tensão muscular, promovendo o relaxamento, e podem ser usadas quando há dor na coluna, manchas roxas na pele, espinhas, furúnculos e torcicolos, por exemplo.

A compressa é um material absorvente que pode ser utilizado para aplicar frio ou calor em uma região do corpo, além de também poder ser utilizada para aplicar algum medicamento, cataplasma ou cobrir uma ferida, podendo ser de algodão, de tela ou com gel.

Quando fazer compressa quente ou fria

Quando fazer compressa quente

A compressa morna ou quente promove o aumento do fluxo sanguíneo local, aumenta a mobilidade e promove o relaxamento, podendo ser feito em algumas situações, como:

  • Dor muscular;
  • Hematomas;
  • Furúnculo e terçol;
  • Torcicolo;
  • Antes da atividade física.

A compressa quente ou morna pode ser colocada nas costas, no peito ou em qualquer local do corpo que seja necessário aumento do fluxo sanguíneo, no entanto não é recomendado que seja feita quando se está com febre, por exemplo, pois pode haver aumento da temperatura corporal.

A compressa morna pode ser utilizada de 3 a 4 vezes ao dia, durante 15 a 20 minutos, mas deve sempre estar enrolada numa fralda de pano ou outro tecido fino, para que a pele não seja queimada.

Como fazer uma compressa quente em casa

Para fazer uma compressa quente em casa, basta utilizar uma fronha de travesseiro e 1 kg de grãos secos, como arroz ou feijão, por exemplo. Deve-se colocar os grãos dentro da fronha, amarrar bem para formar uma trouxa, aquecer no micro-ondas durante cerca de 3 a 5 minutos, deixar amornar e aplicar na região dolorida durante 15 a 20 minutos.

Se mesmo ao utilizar o gelo ou a água quente a dor não diminuir ou houver piora dos sintomas, deve-se ir ao médico para que sejam realizados exames que possam identificar a causa da dor e, assim, ser indicado tratamento específico.

Quando fazer compressa fria

Quando fazer compressa quente ou fria

As compressas frias com gelo promovem a diminuição do fluxo sanguíneo da região, diminuindo a inflamação e a dor, além de evitar o aparecimento de hematomas. Assim, esse tipo de compressa é indicada para:

  • Após pancadas, quedas ou torções;
  • Depois de tomar injeção ou vacina;
  • Na dor de dente;
  • Na tendinite;
  • Após a atividade física.

Para fazer uma compressa fria em casa, basta envolver um saco de legumes congelados, por exemplo, em uma toalha ou pano e aplicar na região dolorida durante 15 a 20 minutos.

Uma outra possibilidade é misturar 1 parte de álcool com 2 partes de água e colocar num saco tipo ziploc e deixar no congelador. O conteúdo não deve ficar completamente congelado, e poderá ser moldado, conforme a necessidade. O modo de uso é o mesmo.

Esclareça mais dúvidas sobre as compressas frias e quentes no vídeo a seguir:

Esta informação foi útil?

Sua opinião é importante! Escreva aqui como podemos melhorar o nosso texto:

Ficou alguma dúvida? Clique aqui para ser respondido.
Verifique o email de confirmação que lhe enviamos.

Bibliografia

  • SOUZA, Juliano Castro de; UEDA, Tiago Kijoshi. Os efeitos da crioterapia em processos inflamatórios agudos: um estudo de revisão. Revista Amazônia Science & Health - Propesq. Vol.4. n.2; 37-41, 2014
  • FURLAN, Renata Maria Moreira Moraes. O uso da crioterapia no tratamento das disfunções temporomandibulares. Rev. CEFAC. Vol.17. n.2; 648-655, 2015
  • LEVANTHALL, Lucila Coca; BIANCHILL, Renata Cristina; OLIVEIRA, Sonia Maria Junqueira Vasconcellos de. Ensaio clínico comparando três modalidades de crioterapia em mulheres não grávidas. Rev. esc. enferm. USP. Vol.44. n.2; 339-345, 2010
  • Sheila Kitchen. Eletroterapia: Prática Baseada em Evidências. 11.ed. São Paulo: Manole, 2003.
  • FURLAN, Renata Maria Moreira Moraes, et al. O emprego do calor superficial para tratamento das disfunções temporomandibulares: uma revisão integrativa. CoDAS. Vol.27. n.2; 207-12, 2015
  • MEDSCAPE. Superficial Heat and Cold. 2017. Disponível em: <https://emedicine.medscape.com/article/1833084-overview>. Acesso em 30 Mai 2019
Mais sobre este assunto:

Carregando
...
Enviar Mensagem