Ostomia: para que serve, quando é indicada, tipos e cuidados

Atualizado em outubro 2023

Ostomia é uma abertura feita através de cirurgia, para criar um novo caminho para eliminar as fezes ou urina, permitir a alimentação pelo estômago ou intestino, ou para permitir a respiração, por exemplo, quando existem danos ou doenças nos intestinos, estômago, bexiga ou rins, ou condições que dificultam a respiração natural.

Existem vários tipos de ostomia que podem ser realizados pelo médico, como a colostomia, ileostomia, gastrostomia, urostomia ou traqueostomia, que variam de acordo com o órgão em que foi feita, objetivo do tratamento e condição a ser tratada.

A ostomia é um procedimento feito no hospital pelo cirurgião geral ou um cirurgião especializado em gastroenterologia ou nefrologia, necessitando de alguns cuidados tanto hospitalares como em casa, o que varia de acordo com o tipo de ostomia.

Conteúdo sensível
Esta imagem pode apresentar conteúdo desconfortável para algumas pessoas.
Imagem ilustrativa número 1

Para que serve

A ostomia serve para criar uma abertura em órgãos específicos para permitir:

  • Eliminar fezes ou urina;
  • Permitir a alimentação adequada, prevenindo ou tratando a desnutrição;
  • Descomprimir o estômago;
  • Aspirar e limpar as vias aéreas;
  • Manter as vias respiratórias abertas, facilitando a respiração.

Desta forma, existem diferentes tipos de ostomia, que variam com o objetivo do tratamento e condição a ser tratada.

Se deseja a avaliação de um cirurgião geral, marque uma consulta na região mais próxima:

Cuidar da sua saúde nunca foi tão fácil!

Marque uma consulta com nossos Cirurgiões e receba o cuidado personalizado que você merece.

Marcar consulta

Disponível em: São Paulo, Rio de Janeiro, Distrito Federal, Pernambuco, Bahia, Maranhão, Pará, Paraná, Sergipe e Ceará.

Foto de uma doutora e um doutor de braços cruzados esperando você para atender

Quando é indicada

A realização de uma ostomia é indicada nas seguintes condições:

  • Defeitos congênitos na boca, estômago, esôfago, laringe, bexiga ou intestinos;
  • Câncer na bexiga, estômago, reto, intestino, cérebro ou câncer de cabeça e pescoço;
  • Obstrução intestinal grave, colite ulcerativa, doença de Crohn ou diverticulite complicadas;
  • Infeção abdominal grave ou perfuração do abdômen ou estômago;
  • Trauma no abdômen ou pelve;
  • Paralisia ou problemas neurológicos.

Além disso, a ostomia pode ser indicada nos casos de obstrução das vias urinárias, causadas por tumor, pedras nos rins, infecções ou hidronefrose, por exemplo.

Tipos de colostomia

Alguns tipos de colostomia, que podem ser feitas variam de acordo com a condição a ser tratada, e incluem:

1. Colostomia

A colostomia é um tipo de estoma intestinal em que é feita uma ligação do intestino grosso diretamente na parede do abdômen, o que permite eliminar as fezes para uma bolsa.

Geralmente, a colostomia é feita após cirurgias para tratar problemas no intestino, quando o cólon intestinal tem algum dano ou doença e não pode ficar ligado ao ânus para permitir a passagem das fezes, podendo ser temporária ou permanente.  

2. Ileostomia

A ileostomia é outro tipo de estoma intestinal em que parte do intestino delgado fica ligada na abertura do abdômen, permitindo que as fezes e os gases sejam eliminados em uma bolsa externa conectada no abdômen.

Esse tipo de ostomia geralmente é feito quando o intestino grosso possui alterações que impedem a passagem natural das fezes, e assim como a colostomia, a ileostomia pode ser temporária ou permanente.

3. Gastrostomia

A gastrostomia é uma abertura no abdômen para inserir um pequeno tubo flexível que liga o estômago a essa abertura, para permitir a alimentação quando a pessoa não consegue se alimentar pela boca.

Esse tipo ostomia permite a administração de medicamentos e a alimentação adequada através da sonda de gastrostomia para nutrição enteral.

4. Jejunostomia

A jejunostomia, da mesma forma que a gastrostomia, é uma abertura no abdômen para inserir uma sonda de alimentação enteral, porém o tubo é ligado diretamente no intestino delgado.

Geralmente, a jejunostomia é indicada nos casos de risco de aspiração se for feita a gastrostomia, ou nos casos de cirurgia de retirada total ou parcial do estômago.

5. Urostomia

A urostomia é um tipo de ostomia urológica para permitir a eliminação da urina através de uma abertura no abdômen ou pelve.

A urostomia pode ser feita de diferentes formas, ligando a bexiga ao meio externo através de um cateter, como a cistostomia, ou colocando um cateter no rim ligado a uma  bolsa coletora de urina.

6. Traqueostomia

A traqueostomia é uma pequena abertura feita na garganta, sobre a região da traqueia, por onde é colocado um tubo para facilitar a entrada de ar os pulmões e permitir a respiração ou para aspirar e limpar as vias aéreas. Entenda melhor o que é a traqueostomia.

Cuidados com a ostomia

Os cuidados com a ostomia também variam de acordo com o tipo de ostomia, sendo os principais:

Cuidados com a colostomia

Os cuidados com a colostomia envolvem manter o estoma e a pele em volta sempre limpa e seca para evitar infecções, além de trocar a bolsa de colostomia regularmente quando estiver com 1/3 a 2/3 de sua capacidade máxima.

Além disso, deve-se usar uma bolsa de tamanho adequado ao estoma, existindo inclusive bolsas de colostomia com ação bacteriostática, como a bolsa de karaya, por exemplo. Veja todos os cuidados com a bolsa de colostomia

Cuidados com a ileostomia

Os cuidados com a bolsa de ileostomia envolvem os cuidados com o estoma e a pele em volta, devendo-se limpar com um pano macio umedecido em água morna, e secar bem antes de colocar a nova bolsa, para permitir que fique bem colada na pele.

Além disso, deve-se trocar a bolsa regularmente e usar uma bolsa de tamanho adequado. Confira outros cuidados com a bolsa de ileostomia.

Cuidados com a gastrostomia

Para cuidar da gastrostomia deve-se manter o local da gastrostomia sempre limpo e seco, lavando a região pelo menos, 1 vez por dia com água morna, uma gaze estéril e sabão de pH neutro.

Além disso, deve-se estar atento a sinais de infecção no local, como dor, vermelhidão, inchaço e presença de pus, e sempre verificar se a posição da sonda de gastrostomia está correta ou se existe algum entupimento. Saiba como cuidar da gastrostomia corretamente.

Cuidados com a jejunostomia

Os cuidados com a jejunostomia devem ser os mesmos da gastrostomia tendo-se os cuidados com a pele e com a posição da sonda.

Além disso, é importante alguns cuidados no preparo da nutrição enteral, como triturar e coar os alimentos ou usar fórmulas específicas, por exemplo. Saiba como preparar a nutrição enteral.

Cuidados com a urostomia

Alguns cuidados com a urostomia são esvaziar a bolsa coletora de urina regularmente quando estiver com 1/3 a 1/2 de sua capacidade máxima preenchida, tendo o cuidado de abrir a válvula para eliminar o conteúdo da bolsa no vaso sanitário, e fechar a válvula após, secando-a bem com papel higiênico.

Além disso, deve-se sempre observar a pele em volta da urostomia e mantê-la sempre limpa e seca.

Cuidados com a traqueostomia

Alguns cuidados com a traqueostomia são manter a cânula da traqueostomia sempre limpa e sem secreções, aspirar o interior da cânula externa com um aspirador de secreções e fazer a limpeza da cânula colocando-a em água quente por cerca de 10 minutos. 

Esses cuidados devem ser orientados pelo médico ou enfermeiro, de forma a evitar acúmulo de secreções que podem causar complicações graves como asfixia ou infecção pulmonar.

Quando ir ao médico

É importante ir ao médico ou ao hospital caso nos seguintes casos:

  • Dor, vermelhidão, inchaço e presença de pus na ostomia e na pele em volta;
  • Entupimento da cânula de traqueostomia, cateter de urostomia ou sonda de gastrostomia ou jejunostomia;
  • Saída acidental da cânula, sonda ou cateter;
  • Sangramento no estoma ou presença de sangue na bolsa de colostomia ou ileostomia;
  • Sonda ou cateter fora do lugar ou obstruída;
  • Tosse, dificuldade para respirar ou dor no peito;
  • Dor ou inchaço abdominal, dor de cabeça ou muscular, tontura ou mal estar geral.

Desta forma o médico deve fazer a avaliação da ostomia, e indicar os cuidados e tratamento mais adequado.

Vídeos relacionados