Traqueostomia: o que é, para que serve e cuidados

A traqueostomia consiste num pequeno orifício que é feito na garganta, sobre a região da traqueia, onde é inserido um tubo para facilitar a entrada de ar nos pulmões quando a via normal da respiração tem algum bloqueio ou existe redução da passagem do ar. Em alguns casos, o tubo da traqueostomia pode estar ligado a uma máquina para fornecer oxigênio.

Geralmente, a traqueostomia é feita no hospital pelo médico e é indicada nos casos de tumor na garganta, paralisia devido a problemas neurológicos, lesão traumática no rosto ou pescoço, reações anafiláticas ou infecção grave pela COVID-19, por exemplo, podendo ser mantida apenas durante alguns dias ou por toda a vida, de acordo com a causa.

Caso seja necessário manter a traqueostomia por muito tempo, é importante saber cuidar corretamente, para evitar complicações graves como asfixia ou até uma infecção pulmonar. Estes cuidados podem ser feitos pelo cuidador, quando a pessoa está acamada, ou pela própria pessoa, quando se sente capaz.

Traqueostomia: o que é, para que serve e cuidados

Para que serve

A traqueostomia é indicada para facilitar a entrada de ar nos pulmões ou para fornecer oxigênio, ajudando a manter a respiração e as vias pulmonares abertas.

A traqueostomia geralmente é indicada nas seguintes situações:

  • Malformações congênitas da laringe;
  • Presença de corpo estranho nas vias respiratórias superiores;
  • Trauma ou preparo para cirurgias de cabeça e pescoço;
  • Câncer de garganta, laringe, faringe ou da parte superior da traqueia;
  • Paralisia das cordas vocais;
  • Intubação orotraqueal prolongada, geralmente mais de 1 ou 2 semanas;
  • Edema de glote devido a queimaduras, infecções ou reação anafilática;
  • Síndrome da apnéia obstrutiva do sono.

Além disso, a traqueostomia também pode ser indicada para aspirar e limpar as vias aéreas nos casos de paralisia ou problemas neurológicos que tornam difícil a pessoa tossir e eliminar o muco da garganta ou traqueia.

A traqueostomia pode ainda ser indicada para pessoas internadas com infecção grave pela COVID-19, em utilização de ventilação mecânica. Veja como é feito o tratamento para a COVID-19.

Como é feita a traqueostomia

A traqueostomia é feita através de uma cirurgia no hospital com anestesia geral, embora em alguns casos o médico também possa optar por anestesia local, de acordo com a dificuldade e duração do procedimento.

Depois, é feito um pequeno corte na garganta para expor a traqueia e é feito um novo corte na cartilagem da traqueia, para permitir a passagem do tubo de traqueostomia. Por fim, numa primeira fase ou caso a pessoa apenas precise da traqueostomia no hospital, podem também ser ligadas máquinas para ajudar na respiração.

Embora se possa ir para casa com uma traqueostomia, este procedimento geralmente é mais utilizado em pessoas com problemas mais graves que precisam ficar internadas por muito tempo na UTI, por exemplo.

Cuidados com a traqueostomia

Para evitar o risco de complicações graves é importante manter o tubo da traqueostomia, conhecido como cânula, sempre limpo e sem secreções, assim como trocar todos os componentes da traqueostomia, segundo as orientações do médico.

Além disso, é fundamental observar se o local da traqueostomia se encontra vermelho, inchado ou liberando algum tipo de líquido, porque se apresentar estes sinais pode indicar o surgimento de uma infecção, que deve ser imediatamente informada ao médico.

1. Como manter a cânula limpa

Para manter a cânula da traqueostomia limpa e sem secreções, que podem provocar asfixia ou infecções, deve-se:

  1. Calçar luvas limpas;
  2. Retirar a cânula interior e colocá-la em um recipiente com água e sabão por 5 minutos;
  3. Aspirar o interior da cânula externa com um aspirador de secreções. Caso não se tenha um aspirador de secreções, pode-se injetar 2 mL de soro fisiológico para o interior da cânula externa, se a pessoa conseguir tossir, para provocar a tosse e retirar as secreções acumuladas nas vias respiratórias;
  4. Colocar uma cânula interior limpa e esterilizada;
  5. Esfregar a cânula interna suja que foi retirada, por dentro e por fora, usando uma esponja ou um escovilhão;
  6. Colocar a cânula suja em água fervente por cerca de 10 minutos;
  7. Secar a cânula com compressas esterilizadas e guardar em um recipiente desinfectado com álcool, para ser utilizada na próxima troca.

A cânula exterior da traqueostomia só deve ser trocada por um profissional de saúde, pois existe grande risco de o buraco da traqueostomia fechar e provocar asfixia. Assim, deve-se ir ao hospital pelo menos 1 vez por semana para trocar todo o conjunto da traqueostomia, ou conforme indicação do médico.

2. Como trocar a superfície almofadada

Traqueostomia: o que é, para que serve e cuidados

A superfície almofadada da traqueostomia, que protege o contato do tubo diretamente com a pele, deve ser trocada sempre que estiver suja ou molhada. Após remover a superfície almofadada suja deve-se limpar a pele à volta da traqueostomia com um pouco de soro fisiológico e passar um pouco de creme hidratante sem perfume.

Para colocar uma nova almofada, pode-se utilizar almofadas próprias para traqueostomia, como mostra a primeira imagem, ou utilizar 2 compressas limpas com um corte no topo, como mostra a imagem.

Sinais de alerta para ir no médico

Alguns sinais que indicam que se deve ir imediatamente ao hospital ou pronto-socorro são:

  • Dificuldade de respirar através do tubo;
  • Dor ou desconforto na traqueostomia;
  • Entupimento da cânula externa por secreções;
  • Saída acidental da cânula externa;
  • Mudança na posição do tubo;
  • Presença de catarro com sangue;
  • Sangramento no local da traqueostomia;
  • Presença de sinais de infecção, como vermelhidão ou inchaço na pele em volta da traqueostomia.

Quando a pessoa apresenta apenas uma ligeira sensação de falta de ar pode-se experimentar retirar a cânula interior e limpá-la adequadamente. Porém, caso o sintoma se mantenha, deve-se ir imediatamente ao pronto-socorro.

Possíveis complicações

A traqueostomia geralmente é segura, mas como é um procedimento cirúrgico, pode apresentar algumas complicações que podem ocorrer durante ou logo após a cirurgia como:

  • Sangramento;
  • Edema pulmonar;
  • Danos na traqueia, na glândula tireóide ou nos nervos do pescoço;
  • Colocação incorreta ou deslocamento do tubo;
  • Enfisema subcutâneo, que consiste no ar ficar preso sob a pele do pescoço;
  • Pneumotórax que é o acúmulo de ar entre a parede do tórax e os pulmões;
  • Formação de hematoma no pescoço que pode comprimir a traqueia.

Essas complicações são maiores quando a traqueostomia é realizada devido a alguma emergência médica, pois deve ser feita rapidamente e com os materiais disponíveis, como nos casos de edema de glote, por exemplo.

Esta informação foi útil?

Bibliografia

  • FREEMAN, B. D. Tracheostomy Update: When and How. Crit Care Clin. 33. 2; 311-322, 2017
  • CHEUNG, N. H.; NAPOLITANO, L. M. Tracheostomy: epidemiology, indications, timing, technique, and outcomes. Respir Care. 59. 6; 895-91, 2014
  • BONTEMPO, L. J.; MANNING, S. L. Tracheostomy Emergencies. Emerg Med Clin North Am. 37. 1; 109-119, 2019
  • RUTTER, Michael J. Congenital laryngeal anomalies. Braz J Otorhinolaryngol. 80. 6; 533-539, 2014
  • MCGRATH, B. A.; et al. Tracheostomy in the COVID-19 era: global and multidisciplinary guidance. Lancet Respir Med. 8. 7; 717-725, 2020
  • WILLIAMS, Thomas; MCGRATH, Brendan A. Tracheostomy for COVID-19: evolving best practice. Critical Care. 25. 316; 1-9, 2021
  • SCHULTZ, MArcus J.; TENG, MArita; BRENNER, Michael J. Timing of Tracheostomy for Patients With COVID-19 in the ICU—Setting Precedent in Unprecedented Times. JAMA Otolaryngol Head Neck Surg. 146. 10; 887-888, 2020
  • DA COSTA, E. C. L.; et al. Care for the prevention of complications in tracheostomized patients. J Nurs UFPE online. 13. 1; 169-78, 2019
  • UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO HOSPITAL DE CLÍNICAS - EBSERH. Traqueostomia: indicações e orientação de cuidado ao paciente adulto. 2020. Disponível em: <https://www.gov.br/ebserh/pt-br/hospitais-universitarios/regiao-sudeste/hc-uftm/documentos/protocolos-assistenciais/traqueostomia-adulto-final.pdf>. Acesso em 07 Out 2021
  • BRODERICK, Damian; et al. Surgical tracheostomies in Covid-19 patients: important considerations and the “5Ts” of safety. British Journal of Oral and Maxillofacial Surgery. 58. 5; 585-589, 2020
Mais sobre este assunto: