Doping no esporte: o que é, substâncias detectadas e exame antidoping

novembro 2022

O doping no esporte corresponde ao uso de substâncias proibidas que estimulam o crescimento muscular ou melhoram o rendimento e resistência física do atleta, de forma artificial e passageira, conseguindo melhores resultados no esporte que pratica. Devido ao fato das substâncias aumentarem temporariamente e a curto prazo o desempenho do atleta, é considerada uma prática desonesta, de modo que os atletas que forem positivos para doping são eliminados da competição.

O doping é mais frequente de ser detectado durante competições esportivas, como nas Olimpíadas e na Copa do Mundo. Por isso, é comum que os atletas de alto rendimento sejam submetidos ao exame antidoping para que seja verificada a presença substâncias proibidas no organismo.

Para que serve o exame antidoping

O exame antidoping serve para identificar a presença de substâncias no sangue de atletas que possam aumentar a força e a resistência muscular, interferindo diretamente no seu desempenho, como é o caso da eritropoetina, furosemida, energéticos e anabolizantes.

O exame antidoping é sempre feito em competições para verificar se houve alguma fraude que possa ter interferido no resultado final, podendo ser feito antes, durante ou após a competição. Normalmente, os vencedores precisam fazer o exame antidoping para comprovar que não usaram substâncias ou métodos considerados doping. Além disso, os exames também podem ser feitos fora do período de competição e sem aviso prévio, sendo os atletas escolhidos através de sorteio.

Como é feito o exame antidoping

O exame pode ser feito por meio da coleta e análise de uma amostra de sangue ou de urina, que são avaliadas tendo com o objetivo identificar a presença ou ausência de substâncias proibidas. Independentemente da quantidade da substância, se for identificada alguma substância proibida circulante no organismo, ou produtos de seu metabolismo, é considerado doping e o atleta é penalizado.

É também considerado doping, de acordo com a Autoridade Brasileira de Controle de Dopagem (ABCD), a fuga ou recusa para realizar a coleta de amostra, posse de substância ou de método proibidos e fraude ou tentativa de fraude de qualquer etapa do processo de doping.

Substâncias mais usadas

As substâncias mais utilizadas e que são consideradas doping são aquelas que aumentam a força e resistência muscular, diminuem a dor e a sensação de fadiga. Algumas das principais substâncias utilizadas são:

  • Eritropoetina (EPO): ajuda aumentar as células que carregam oxigênio no sangue, melhorando o desempenho;
  • Furosemida: potente diurético que ajuda a diminuir o peso rapidamente, usado principalmente por atletas de luta com categorias de peso. Também ajuda a diluir e esconder outras substâncias proibidas na urina;
  • Energéticos: aumentam a atenção e a disposição, diminuindo a sensação de cansaço;
  • Anabolizantes: hormônios utilizados para aumentar a força e a massa muscular, sendo o mais frequentemente utilizado a testosterona. Algumas substâncias podem também imitar o efeito dos anabolizantes, como é o caso do ostarina, que imita a ação da testosterona e, por isso, também é proibido.

Além disso, os atletas e sua equipe recebem uma lista com recomendações e medicamentos que não podem ser usados durante os treinos por conterem substâncias consideradas ilegais no esporte.

É preciso estar atento mesmo durante tratamentos de doenças ou condições comuns como gripes, menstruação, colesterol alto ou problemas de pele, pois mesmo sem a intenção de doping, esses medicamentos podem conter uma pequena quantidade das substâncias proibidas, o que pode fazer com que o atleta seja eliminado da competição.

Por que o doping ajuda os atletas?

Usar substâncias químicas que não são naturais ao corpo ajuda a melhorar o desempenho geral do atleta, trazendo vantagens como:

  • Aumentar a concentração e melhorar a capacidade física;
  • Aliviar as dores dos exercícios e diminuir a fadiga muscular;
  • Aumentar a massa e a força muscular;
  • Relaxar o corpo e melhorar a concentração;
  • Ajudar a perder peso rapidamente.

Assim, tomar essas substâncias faz com que o atleta tenha resultados mais rápidos e melhores do que conseguiria apenas através dos treinos e da dieta, e por isso elas são proibidas no esporte.

No entanto, mesmo com a proibição, muitos atletas costumam usar essas substâncias de 3 a 6 meses antes da competição oficial, durante seus treinos para aumentar o seu sucesso, suspendendo depois o seu uso para dar tempo de o corpo eliminar as substâncias e o exame antidoping dar negativo. No entanto essa prática pode ser perigosa, uma vez que os exames antidopings podem ser realizados sem que exista aviso prévio.

Esta informação foi útil?

Atualizado por Marcela Lemos - Biomédica, em novembro de 2022. Revisão clínica por Carlos Bruce - Personal Trainer, em julho de 2016.

Bibliografia

  • AUTORIDADE BRASILEIRA DE CONTROLE DE DOPAGEM. Código Brasileiro Antidopagem. Disponível em: <http://abcd.gov.br/arquivos/Cdigo_Brasileiro_Antidopagem_2018.pdf>. Acesso em 20 jan 2020
  • AUTORIDADE BRASILEIRA DE CONTROLE DE DOPAGEM. Dopagem. Disponível em: <http://www.abcd.gov.br/perguntas-e-respostas/238-dopagem>. Acesso em 20 jan 2020
Mostrar bibliografia completa
  • THE WORLD ANTI-DOPING CODE INTERNATIONAL STANDARD. Prohibited list. 2018. Disponível em: <http://abcd.gov.br/arquivos/prohibited_list_2018_en_1.pdf>. Acesso em 20 jan 2020
  • PHARMACIA BRASILEIRA. Doping: o papel educador do farmacêutico. 2008. Disponível em: <http://www.cff.org.br/sistemas/geral/revista/pdf/4/034a038_entrevista_tanus.pdf>. Acesso em 27 jun 2019
  • NOMURA, Cibele F.; ROSSI, Adriana V. Dopping. Disponível em: <http://gpquae.iqm.unicamp.br/apresentacao/A5.pdf>.
Revisão clínica:
Carlos Bruce
Personal Trainer
Formado pela Universidade Federal do Rio De Janeiro em 2012, com registro profissional no CREF 038849-G/RJ.