Cirurgia de mioma: quando é indicada, como é feita, riscos e recuperação

setembro 2022

A cirurgia para remover o mioma é indicada quando a mulher apresenta sintomas como forte dor abdominal e menstruação abundante, que não melhoram com o uso de medicamentos, ou que apresentam dificuldade para engravidar ou infertilidade, devido a presença do mioma no útero. Essa cirurgia geralmente não é necessária quando os sintomas podem ser controlados com medicamentos ou quando a mulher entra na menopausa.

Os miomas são tumores benignos que surgem no útero em mulheres em idade fértil, que causa intenso desconforto como hemorragia menstrual e intensas cólicas, de difícil controle. Os medicamentos podem diminuir seu tamanho e controlar os sintomas, mas quando isso não acontece, o ginecologista pode sugerir a retirada do mioma através da cirurgia.

A cirurgia para retirar o mioma, também chamada de miomectomia, é feita pelo ginecologista, sendo disponibilizada gratuitamente pelo SUS, ou pode ser feita em hospitais particulares, e o médico deve avaliar o interesse da mulher engravidar porque a cirurgia pode trazer complicações futuras como dificuldade para engravidar ou necessidade de cesariana, para reduzir o risco de ruptura uterina durante o trabalho de parto.

Quando é indicada

A cirurgia de mioma é indicada quando os sintomas do mioma são graves, nas seguintes situações:

  • Sangramento vaginal excessivo, que não melhora com o uso de remédios;
  • Período menstrual mais prolongado;
  • Sangramentos fora do período menstrual;
  • Anemia, devido ao sangramento uterino;
  • Dor abdominal crônica ou inchaço abdominal;
  • Dor, desconforto ou sensação de pressão na pelve;
  • Necessidade de urinar frequentemente;
  • Prisão de ventre crônica.

Além disso, a cirurgia de mioma pode ser indicada nos casos em que a mulher apresenta dificuldade para engravidar ou infertilidade.

Como é feita

A miomectomia é a cirurgia realizada para retirar o mioma do útero, e existem 3 formas diferentes de realizar a miomectomia:

  • Miomectomia Laparoscópica: são realizados pequenos furos na região abdominal, por onde passam uma microcâmera e os instrumentos necessários para a remoção do mioma. Este procedimento só é utilizado em caso de mioma que se localiza na parede externa do útero;
  • Miomectomia Abdominal: uma espécie de "cesárea", onde é necessário realizar um corte na região da pelve, que vai até ao útero, permitindo a retirada do mioma. Quando a mulher está muito acima do peso, antes de realizar a cirurgia abdominal é preciso emagrecer para diminuir os riscos da cirurgia;
  • Miomectomia Histeroscópica: o médico introduz o histeroscópio pela vagina e retira o mioma, sem a necessidade de cortes. Somente recomendado no caso do mioma estar localizado dentro do útero com uma pequena parte para dentro da cavidade endometrial.

Normalmente a cirurgia para a retirada do mioma consegue controlar os sintomas de dor e sangramento excessivo em 80% dos casos, contudo em algumas mulheres a cirurgia pode não ser definitiva, e um novo mioma surgir em outro local do útero, cerca de 10 anos depois. Assim, muitas vezes o médico opta por fazer a retirada do útero, ao invés de remover apenas o mioma. Saiba tudo sobre a retirada do útero.

O médico pode ainda optar por realizar uma ablação do endométrio ou fazer uma embolização das artérias que estejam nutrindo os miomas, desde que ele tenha no máximo 8 cm ou se o mioma estiver na parede posterior do útero, porque esta região tem muitos vasos sanguíneos, e não pode ser cortada através da cirurgia.

Como é a recuperação da cirurgia

Normalmente a recuperação é rápida mas a mulher precisa ficar de repouso por, pelo menos, 1 semana para cicatrizar corretamente, evitando todo tipo de esforço físico nesse período. O contato sexual só deve ser feito 40 dias após a cirurgia para evitar dores e infecções. Deve-se voltar ao médico se apresentar sintomas como mai cheiro na vagina, corrimento vaginal, e sangramento muito intenso, de cor vermelho vivo.

Possíveis riscos da cirurgia

Os principais riscos da cirurgia para retirar o mioma são:

  • Sangramentos durante a cirurgia;
  • Hemorragia, podendo ser necessária a retirada do útero;
  • Cicatriz no útero, que pode bloquear a trompa de falópio e dificultar uma gravidez;
  • Infecção no local da cirurgia;
  • Tromboembolismo;
  • Lesões na bexiga, intestino, ureter ou vasos sanguíneos;
  • Perfuração do útero;
  • Lesões no colo do útero;
  • Ruptura uterina;
  • Edema pulmonar;
  • Edema cerebral.

Essas complicações variam de acordo com o tipo de cirurgia realizada, sendo ainda pode existir o risco de complicações na gravidez, especialmente se foi feito um profundo corte na parede do útero para retirar o mioma, podendo ser recomendado pelo obstetra o parto por cesária, para evitar a ruptura uterina durante o trabalho de parto.

Quando a cirurgia para retirada do mioma é feita por um médico ginecologista experiente a mulher pode ficar mais tranquila porque as técnicas são seguras para saúde e seus riscos podem ser controlados.

Esta informação foi útil?

Atualizado por Flávia Costa - Farmacêutica, em setembro de 2022. Revisão médica por Drª. Sheila Sedicias - Ginecologista, em fevereiro de 2016.

Bibliografia

  • SPARIC, R.; et al. Cesarean myomectomy in modern obstetrics: More light and fewer shadows. J Obstet Gynaecol Res. 43. 5; 798-804, 2017
  • MOAWAD, N. S.; PALIN, H. Hysteroscopic Myomectomy. Obstet Gynecol Clin North Am. 49. 2; 329-353, 2022
Mostrar bibliografia completa
  • FLYCKT, R.; et al. Minimally Invasive Myomectomy. Clin Obstet Gynecol. 60. 2; 252-272, 2017
  • DUBUISSON, J. B.; et al. Laparoscopic myomectomy. Minerva Ginecol. 68. 3; 345-51, 2016
  • ORLANDO, M.; et al. Non-hysteroscopic Myomectomy and Fertility Outcomes: A Systematic Review. J Minim Invasive Gynecol. 28. 3; 598-618.e1, 2021
  • BARJON, K.; MIKHAIL, L. N. IN: STATPEARLS [INTERNET]. TREASURE ISLAND (FL): STATPEARLS PUBLISHING. Uterine Leiomyomata. 2021. Disponível em: <https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK546680/>. Acesso em 15 set 2022
  • RAKOTOMAHENINA, H.; et al. Myomectomy: technique and current indications. Minerva Ginecol. 69. 4; 357-369, 2017
  • MUNRO, Malcolm G. Uterine polyps, adenomyosis, leiomyomas, and endometrial receptivity. Fertility and Sterility. 111. 4; 629-640, 2019
  • FLORENCE, A. M.; FATEHI, M. IN: STATPEARLS [INTERNET]. TREASURE ISLAND (FL): STATPEARLS PUBLISHING. Leiomyoma. 2022. Disponível em: <https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK538273/>. Acesso em 15 set 2022
Revisão médica:
Drª. Sheila Sedicias
Ginecologista
Médica mastologista e ginecologista formada pela Universidade Federal de Pernambuco, em 2008 com registro profissional no CRM PE 17459.