Ative as notificações para não perder as publicações de saúde e bem estar mais interessantes.
O que você precisa saber?

Cirurgia para retirar Miomas: Quando fazer, riscos e recuperação

A cirurgia para remover o mioma é indicada quando a mulher apresenta sintomas como forte dor abdominal e menstruação abundante, que não melhoram com o uso de medicamentos, mas além disso, deve-se avaliar o interesse da mulher engravidar porque a cirurgia pode dificultar a gravidez futura. A cirurgia não é necessária quando os sintomas podem ser controlados com medicamentos ou quando a mulher entra na menopausa. 

Os miomas são tumores benignos que surgem no útero em mulheres em idade fértil, que causa intenso desconforto como hemorragia menstrual e intensas cólicas, de difícil controle. Os medicamentos podem diminuir seu tamanho e controlar os sintomas, mas quando isso não acontece, o ginecologista pode sugerir a retirada do mioma através da cirurgia.

Cirurgia para retirar Miomas: Quando fazer, riscos e recuperação

Tipos de cirurgia para retirar o mioma 

A miomectomia é a cirurgia realizada para retirar o mioma do útero, e existem 3 formas diferentes de realizar a miomectomia:

  • Miomectomia Laparoscópica: são realizados pequenos furos na região abdominal, por onde passam uma microcâmera e os instrumentos necessários para a remoção do mioma. Este procedimento só é utilizado em caso de mioma que se localiza na parede externa do útero;
  • Miomectomia Abdominal: uma espécie de "cesárea", onde é necessário realizar um corte na região da pelve, que vai até ao útero, permitindo a retirada do mioma;
  • Miomectomia Histeroscópica: o médico introduz o histeroscópio pela vagina e retira o mioma, sem a necessidade de cortes. Somente recomendado no caso do mioma estar localizado dentro do útero com uma pequena parte para dentro da cavidade endometrial.

Normalmente a cirurgia para a retirada do mioma consegue controlar os sintomas de dor e sangramento excessivo em 80% dos casos, contudo em algumas mulheres a cirurgia pode não ser definitiva, e um novo mioma surgir em outro local do útero, cerca de 10 anos depois. Assim, muitas vezes o médico opta por fazer a retirada do útero, ao invés de remover apenas o mioma. Saiba tudo sobre a retirada do útero

O médico pode ainda optar por realizar uma ablação do endométrio ou fazer uma embolização das artérias que estejam nutrindo os miomas, desde que ele tenha no máximo 8 cm ou se o mioma estiver na parede posterior do útero, porque esta região tem muitos vasos sanguíneos, e não pode ser cortada através da cirurgia. 

Como é a recuperação da cirurgia

Normalmente a recuperação é rápida mas a mulher precisa ficar de repouso por, pelo menos, 1 semana para cicatrizar corretamente, evitando todo tipo de esforço físico nesse período. O contato sexual só deve ser feito 40 dias após a cirurgia para evitar dores e infecções. Deve-se voltar ao médico se apresentar sintomas como mai cheiro na vagina, corrimento vaginal, e sangramento muito intenso, de cor vermelho vivo. 

Possíveis riscos da cirurgia para retirar o mioma 

Quando a cirurgia para retirada do mioma é feita por um médico ginecologista experiente a mulher pode ficar mais tranquila porque as técnicas são seguras para saúde e seus riscos podem ser controlados. Mas apesar disso, durante a cirurgia de miomectomia pode ocorrer hemorragia e ser necessária a retirada do útero e além disso, alguns autores afirmam que a cicatriz que fica no útero pode favorecer o rompimento uterino durante a gravidez ou no momento do parto, mas isso raramente acontece. 

Quando a mulher está muito acima do peso, antes de realizar a cirurgia abdominal é preciso emagrecer para diminuir os riscos da cirurgia. Mas em caso de obesidade, pode ser indicada a retirada do útero através da vagina. 

Além disso, há estudos que comprovam que algumas mulheres, apesar de terem seu útero preservado, tem menores chances de engravidar após a cirurgia, devido a aderências cicatriciais que se formam devido a cirurgia. Acredita-se que em metade dos casos, a cirurgia possa dificultar a gravidez nos primeiros 5 anos após o procedimento. 

Mais sobre este assunto:


Publicidade
Carregando
...
Fechar