Dor ou pontadas no útero: o que pode ser e que exames fazer

Revisão médica: Drª. Sheila Sedicias
Ginecologista
junho 2022

A dor ou pontada no útero pode acontecer durante o ciclo menstrual, em que acontece o aumento da produção de prostaglandina, que é responsável pela dor e que favorece a contração uterina para liberação do endométrio, que é a parede do útero, caracterizando a menstruação.

No entanto, quando a dor ou pontada no útero acontece fora do período menstrual e é acompanha por outros sintomas, como corrimento constante, sangramento fora da menstruação, sensação de pressão na barriga, dor durante a relação sexual, aumento do abdômen e aumento da vontade para urinar, pode ser indicativo de inflamação no útero, endometriose, adenomiose ou pólipo uterino, por exemplo.

Assim, caso a dor no útero seja constante, não melhore ao longo do tempo e seja acompanhada por outros sintomas, é importante que o ginecologista seja consultado para que sejam realizados exames que ajudem a identificar a causa e, assim, ser iniciado o tratamento mais adequado.

1. Menstruação

A dor ou pontada no útero é comum de acontecer na menstruação, já que durante esse período há aumento da produção de prostaglandinas, que são substâncias inflamatórias capazes de promover a contração uterina e levando à descamação da parede do útero, o endométrio, resultando na menstruação.

O que fazer: a dor no útero devido à menstruação é considerada uma situação normal, não sendo necessário realizar qualquer tipo de tratamento. No entanto, caso a dor seja muito intensa e dificulte as atividades do dia a dia, é importante que o ginecologista seja consultado para que seja indicado o melhor medicamento para aliviar a dor.

2. Doença Inflamatória Pélvica (DIP)

A Doença Inflamatória Pélvica, ou DIP, é uma inflamação causada por microrganismos que normalmente tem início na vagina e se estende para o útero, causando sintomas como dor, corrimento vaginal, dor durante a relação sexual e sangramento fora do período menstrual. Saiba reconhecer os sintomas de DIP.

O que fazer: o tratamento para DIP deve ser feito de acordo com a orientação do ginecologista, sendo normalmente indicado o uso de antibióticos de acordo com agente infeccioso responsável pela inflamação.

3. Endometriose

A endometriose é uma situação em que há crescimento anormal do tecido endometrial para fora do útero, causando dor no útero, principalmente durante o período menstrual, dor durante a relação sexual e aumento do fluxo menstrual, por exemplo. Conheça mais sobre a endometriose.

O que fazer: é importante seguir as orientações do ginecologista, que pode indicar o uso de medicamentos anti-inflamatórios para aliviar os sintomas, medicamentos hormonais ou a realização de cirurgia, nos casos mais graves.

4. Adenomiose

A adenomiose é uma alteração que acontece dentro das paredes do próprio útero, que ficam mais espessas, causando dor, que costuma ser mais intensa durante a menstruação, inchaço na barriga, dor durante a relação sexual e aumento do fluxo menstrual, por exemplo.

O que fazer: é recomendado que o ginecologista seja consultado para que seja feito o diagnóstico e iniciado o tratamento mais adequado, que pode ser feito com o uso de medicamentos para aliviar os sintomas ou, nos caos mais graves, cirurgia para retirada do útero. Veja mais detalhes do tratamento para adenomiose.

5. Mioma uterino

O mioma uterino é um tipo de tumor benigno que pode ser formado no tecido muscular uterino e, na maioria dos casos, não causa sintoma. No entanto, quando o mioma é muito grande ou são identificados vários miomas, é possível haver dor ou pontada no útero, principalmente durante a relação sexual, prisão de ventre e ciclo menstrual mais longo.

O que fazer: pode ser recomendado pelo ginecologista o uso de medicamentos anti-inflamatórios, hormonais, suplemento de ferro ou realização de cirurgia para remover o mioma.

6. Pólipo uterino

O pólipo uterino é uma alteração, semelhante a um cisto, que pode surgir na parede do útero, e que pode causar dor em algumas mulheres, além de menstruação irregular e abundante e sangramento vaginal após relação sexual.

O que fazer: na maioria dos casos não é necessário realizar tratamento para os pólipos uterinos, sendo apenas necessário acompanhando regular com o ginecologista. Em alguns casos, pode ser necessário o uso de remédios ou a realização de cirurgia pra retirar o pólipo. Confira mais detalhes do tratamento do pólipo uterino.

Exames indicados

Geralmente, para fazer o diagnóstico preciso da causa da dor ou pontada no útero, o ginecologista pode indicar a realização de alguns exames, sendo os principais:

  • Toque vaginal: o médico introduz dois dedos com luvas na vagina da mulher e, ao mesmo tempo, coloca a outra mão sobre o abdome para avaliar os órgãos do sistema reprodutor, para o diagnóstico de endometriose e da doença inflamatória pélvica
  • Exame especular: faz-se a introdução de um espéculo na vagina para avaliar a presença de corrimento ou hemorragias;
  • Teste Papanicolau: também conhecido por citologia oncótica, é um exame utilizado para detectar a presença de câncer do útero e, para isso é preciso inserir um espéculo na vagina e raspar suavemente a superfície do colo do útero para obter células para serem analisadas. Veja como é feito o exame em: Como é feito o exame papanicolau.

Além destes exames, o médico pode indicar fazer uma ecografia ou uma ressonância magnética, segundo a descrição dos sintomas da mulher e, na maioria dos casos, os exames invasivos só devem ser feitos a partir do início da atividade sexual. Conheça mais sobre os exames ginecológicos.

Esta informação foi útil?

Atualizado por Equipe Editorial do Tua Saúde, em junho de 2022. Revisão médica por Drª. Sheila Sedicias - Ginecologista, em fevereiro de 2016.
Revisão médica:
Drª. Sheila Sedicias
Ginecologista
Médica mastologista e ginecologista formada pela Universidade Federal de Pernambuco, em 2008 com registro profissional no CRM PE 17459.