Menstruação prolongada: o que pode ser e o que fazer

setembro 2022

Quando a menstruação dura mais de 8 dias, pode ser sinal de que a mulher está com alguma alteração no seu sistema reprodutor. A menstruação normal dura, de forma geral, 4 a 7 dias, sendo mais intensa nos primeiros dias e diminuindo progressivamente.

A perda contínua se sangue devido à menstruação abundante pode causar sintomas como fraqueza, tontura, palidez ou anemia. Por isso, é importante que a mulher fique atenta à quantidade de trocas de absorventes que necessita fazer diariamente, já que quanto mais trocas foram precisas, maior é possibilidade de se tratar de uma menstruação prolongada que deve ser investigada pelo médico.

A menstruação prolongada tipo borra de café pode ser sinal de alguma DST, endometriose, mioma e, até mesmo, de uma possível gravidez. Por isso, é importante consultar um ginecologista para descobrir a causa e iniciar o tratamento, se necessário.

As principais causas de menstruação prolongada e abundante são:

1. Mioma uterino

Os miomas uterinos são tumores benignos formados no tecido muscular que compõe o útero e que podem causar diversos sintomas que variam de acordo com o seu tamanho, quantidade de localização no útero. Os sintomas mais frequentes são cólicas abdominais, sangramento fora do período menstrual e que pode ser prolongado e abundante, prisão de ventre e dor durante a relação sexual. Veja mais sobre o mioma uterino.

O que fazer: é importante consultar o ginecologista na presença de sintomas de mioma para que seja indicado o tratamento mais adequado de acordo com a quantidade, tamanho e sintomas apresentados pela mulher, podendo ser indicado o uso de medicamentos anti-inflamatórios, hormonais ou cirurgia.

2. Menopausa

Algumas alterações hormonais, como a menopausa, podem causar menstruação irregular, que pode se apresentar com mais ou menos frequência, ser mais abundante ou durar mais ou menos dias que o normal. Saiba reconhecer os sintomas de menopausa.

O que fazer: na presença de sintomas sugestivos de menopausa, é importante consultar o ginecologista para que sejam solicitados exames de sangue para identificar os níveis hormonais e, assim, confirmar a menopausa, podendo ser indicado também a realização de terapia de reposição hormonal.

3. Pólipos uterinos

Os pólipos uterinos são pequenas bolinhas que aparecem na parede interna do útero e que podem surgir na menopausa ou por outras alterações hormonais, causando sangramento entre as menstruações, dificuldade para engravidar e dor abdominal durante a menstruação.

O que fazer: na maioria dos casos, os pólipos uterinos não necessitam de tratamento e o ginecologista pode apenas recomendar observação e acompanhamento. No entanto, o médico pode indicar tratamento caso a mulher apresente risco aumentado para o desenvolvimento de câncer de útero.

4. Hemofilia

A hemofilia é uma doença genética caracterizada pela deficiência ou diminuição de fatores do sangue que são fundamentais para a coagulação, causando sintomas como sangramento nas gengivas e/ ou no nariz, presença de sangue na urina e/ ou nas fezes, hematomas pelo corpo e menstruação abundante e prolongada. Conheça mais sobre os sintomas de hemofilia.

O que fazer: apesar de não ter cura, o tratamento da hemofilia ajuda a evitar que os sangramentos sejam frequentes, podendo ser indicada a realização de reposição periódica dos fatores de coagulação, para que seus níveis estejam sempre aumentados no sangue, e aplicação de um concentrado de fator de coagulação quando existe um episódio de hemorragia, sendo importante seguir as orientações do hematologista.

5. Uso de DIU de cobre

O DIU de cobre é um contraceptivo não hormonal, feito de plástico revestido com cobre, que é liberado de forma contínua no útero, provocando alterações no muco cervical e no útero e resultando na morte dos espermatozoides. No entanto, o seu uso pode causar alguns efeitos secundários, como anemia, fazendo como que a menstruação seja mais prolongada e abundante. Confira outros efeitos colaterais do DIU de cobre.

O que fazer: caso a menstruação fique mais abundante após a colocação do DIU de cobre, é importante consultar o ginecologista para que seja considerado o uso de outro método contraceptivo.

6. Câncer de endométrio

O câncer de endométrio é caracterizado pela presença de células malignas na parede interna do útero, que causam sintomas como sangramento abundante entre as menstruações ou depois da menopausa, dor pélvica e perda de peso.

O que fazer: na presença de sinais e sintomas sugestivos de câncer de endométrio, é importante que o ginecologista seja consultado para que sejam feitos exames que ajudem a identificar a alteração e iniciar o tratamento mais adequado, o que pode ser feito com quimioterapia, braquiterapia, radioterapia ou hormonioterapia. Nos casos mais graves, pode ser necessária a realização de cirurgia para retirar um ou mais órgãos do aparelho reprodutor feminino.

7. Uso de medicamentos

O uso de medicamentos anticoagulantes, como heparina, ou antiagregantes plaquetários, como ácido acetilsalicílico ou o clopidogrel, podem fazer com que o sangramento da menstruação seja mais abundante e dure mais tempo do que o normal, podendo levar à anemia, por exemplo.

O que fazer: nesses casos, é importante que o médico seja consultado para que seja feita a avaliação da possibilidade de troca do medicamento ou alteração da dose.

Quando a menstruação prolongada é normal

É normal a menstruação ficar irregular e durar mais tempo depois de tomar a pílula do dia seguinte. Além disso, também é comum nas adolescentes que ainda não têm seu ciclo regular e nas mulheres que estão entrando na menopausa, porque nessas idades ocorrem variações hormonais.

Esta informação foi útil?

Atualizado por Marcela Lemos - Biomédica, em setembro de 2022. Revisão médica por Drª. Sheila Sedicias - Ginecologista, em fevereiro de 2016.

Bibliografia

  • DEBRAS, E et al. Mioma e infertilidad. EMC - Ginecología-Obstetricia. 58. 1; 1-12, 2021
  • SOCIEDADE PORTUGUESA DE GINECOLOGIA. Consenso Nacional sobre Miomas Uterinos. 2017. Disponível em: <http://nocs.pt/wp-content/uploads/2018/10/miomas-uterinos.pdf>. Acesso em 30 ago 2022
Mostrar bibliografia completa
  • HERNÁNDEZ, Valencia et al. Miomatosis uterina: implicaciones en salud reproductiva. Ginecol Obstet Mex. 85. 9; 611-633, 2017
  • UNIVERSIDADE FEDERAL DE CEARÁ. MIOMATOSE UTERINA. 2021. . Acesso em 30 ago 2022
  • INCA. Câncer do colo do útero. Disponível em: <https://www.inca.gov.br/tipos-de-cancer/cancer-do-colo-do-utero>. Acesso em 09 dez 2021
  • TAECHAKRAICHANA, Nimit; et al. Climacteric: concept, consequence and care. J Med Assoc Thai. 85. 1; S1-15, 2002
  • TAKAHASHI, Traci A.; JOHSON, Kay M. Menopause. Med Clin North Am . 99. 3; 521-534, 2015
  • GRACIA, Clarisa R.; FREEMAN, Ellen W. Onset of the Menopause Transition: The Earliest Signs and Symptoms. Obstet Gynecol Clin North Am. 45. 4; 585-597, 2018
  • SANTORO, Nanette; EPPERSON, C. Neill; MATHEWS, Sarah B. Menopausal Symptoms and Their Management. Endocrinol Metab Clin North Am. 44. 3; 497-515, 2015
  • NHS. Cervical cancer. Disponível em: <https://www.nhs.uk/conditions/cervical-cancer/symptoms/>. Acesso em 03 dez 2020
  • PAN AMERICAN HEALTH ORGANIZATION. Treatment for cervical cancer. Disponível em: <https://www.paho.org/hq/index.php?option=com_docman&view=download&category_slug=fact-sheets-3574&alias=36303-fact-sheet-5-treatment-cervical-cancer-303&Itemid=270&lang=en>. Acesso em 03 dez 2020
  • SOCIEDADE PORTUGUESA DE GINECOLOGIA. Consenso Nacional sobre Menopausa. 2016. Disponível em: <https://www.spginecologia.pt/uploads/Consenso_Menopausa_2016.pdf>. Acesso em 04 fev 2020
  • SOCIEDADE BRASILEIRA DE ENDOCRINOLOGIA E METABOLOGIA - REGIONAL SÃO PAULO. Menopausa. 2017. Disponível em: <http://www.sbemsp.org.br/images/2017/maisbem/encarte_maisbem27.pdf>. Acesso em 04 fev 2020
Revisão médica:
Drª. Sheila Sedicias
Ginecologista
Médica mastologista e ginecologista formada pela Universidade Federal de Pernambuco, em 2008 com registro profissional no CRM PE 17459.