Ative as notificações para não perder as publicações de saúde e bem estar mais interessantes.

Melatonina: o que é, para que serve, benefícios e como usar

A melatonina é um hormônio produzido naturalmente pelo organismo, que possui como principal função regular o ciclo circadiano, fazendo com que funcione normalmente. Além disso, a melatonina promove o bom funcionamento do organismo e atua como antioxidante.

Este hormônio é produzido pela glândula pineal, que só é ativada quando não há estímulos luminosos, ou seja, a produção de melatonina só ocorre à noite, induzindo o sono. Por isso, na hora de dormir, é importante evitar a luminosidade, estímulos sonoros ou aromáticos que possam acelerar o metabolismo e diminuir a produção de melatonina. Geralmente, a produção de melatonina diminui com o envelhecimento e é, por isso, que os distúrbios de sono são mais frequentes em adultos ou idosos.

Melatonina: o que é, para que serve, benefícios e como usar

Para que serve

A melatonina é um hormônio que apresenta inúmeros benefícios para a saúde, como:

1. Melhora a qualidade do sono

Vários estudos demonstram que a melatonina contribui para uma melhor qualidade do sono e ajuda a tratar a insônia, por aumentar o tempo total de sono, e diminuir o tempo necessário para adormecer em crianças e adultos.

2. Possui ação antioxidante

Devido ao seu efeito antioxidante, foi demonstrado que a melatonina contribui para o fortalecimento do sistema imune, ajudando a prevenir diversas doenças e a controlar doenças psicológicas e relacionadas ao sistema nervoso.

Assim, a melatonina pode ser indicada para auxiliar no tratamento do glaucoma, retinopatia, degeneração macular, enxaqueca, fibromialgia, Alzheimer ou isquemia, por exemplo.

Além disso, alguns estudos utilizando células do câncer de mama, próstata, endométrio e ovário mostram que a melatonina pode ajudar a melhorar o efeito do tratamento do câncer ou diminuir os efeitos colaterais da quimioterapia ou radioterapia [1]. No entanto, ainda são necessários mais estudos em humanos que comprovem esse benefício.

3. Ajuda a melhorar a depressão sazonal

O transtorno afetivo sazonal é um tipo de depressão que acontece durante o período de inverno e que provoca sintomas como tristeza, sono em excesso, aumento do apetite e dificuldade de concentração.

Este transtorno ocorre com mais frequência em pessoas que vivem em regiões em que o inverno dura muito tempo, e está associado à diminuição de substâncias do corpo ligadas ao humor e ao sono, como a serotonina e a melatonina.

Nestes casos, a ingestão de melatonina pode ajudar a regular o ritmo circadiano e a melhorar os sintomas da depressão sazonal. Saiba mais sobre o tratamento do transtorno afetivo sazonal.

4. Reduz a acidez do estômago

A melatonina contribui para a redução da produção de ácido no estômago e também de óxido nítrico, que é uma substância que induz o relaxamento do esfíncter do esófago, reduzindo o refluxo gastroesofágico. Assim, a melatonina pode ser usada como auxiliar no tratamento desta condição ou isolado, em casos mais leves.

Saiba mais sobre o tratamento para o refluxo gastroesofágico.

Como tomar 

A produção de melatonina diminui ao longo do tempo, devido à idade ou devido à exposição constante a estímulos luminosos e visuais. Assim, a melatonina pode ser consumida em forma de suplemento, como o Melatonin, ou medicamentos, como a Melatonina DHEA, devendo ser sempre recomendado por um médico especialista, para que o sono e outras funções do organismo sejam reguladas. Saiba mais sobre o suplemento de melatonina Melatonin.

A ingestão recomendada pode variar entre de 0,3 mg a 0,5 mg de melatonina, que corresponde à quantidade de melatonina produzida normalmente pelo corpo. No entanto, os suplementos de melatonina são vendidos na forma de cápsulas, nas doses de 1 mg, 2 mg, 3 mg, 5 mg ou 10 mg, e por isso, é recomendado iniciar o uso com a dose mais baixa de 1 mg, tomado 30 minutos antes de dormir. Essa dose pode ser aumentada para até 10 mg por dia, conforme orientação médica, mas doses maiores que 1 mg, aumentam o risco de efeitos colaterais.

Esse suplemento pode ser indicado para tratar a enxaqueca, e mais frequentemente, a insônia. O uso da melatonina durante o dia normalmente não é recomendado, pois pode desregular o ciclo circadiano, ou seja, pode fazer que a pessoa sinta muito sono durante o dia e pouco durante a noite, por exemplo.

Uma boa alternativa para aumentar a concentração de melatonina no organismo é consumir alimentos que contribuam para a sua produção, como arroz integral, banana, nozes, laranja e espinafre, por exemplo. Conheça outros alimentos mais indicados para a insônia.

Veja uma receita com alguns dos alimentos que ajudam a pegar no sono:

Possíveis efeitos colaterais

A melatonina é um suplemento relativamente seguro e bem tolerado quando usado em baixas doses e a curto prazo, sendo que o surgimento de efeitos colaterais é raro. No entanto, ainda que sejam raros, os efeitos colaterais mais comuns que podem surgir são:

  • Fadiga ou sonolência excessiva durante o dia;
  • Falta de concentração;
  • Piora da depressão;
  • Dor de cabeça ou enxaqueca;
  • Dor abdominal ou diarreia;
  • Perda do apetite;
  • Irritabilidade, nervosismo, ansiedade ou agitação;
  • Sonhos vívidos ou pesadelos;
  • Tontura, fraqueza ou confusão mental;
  • Aumento da pressão arterial;
  • Náusea ou dor de estômago;
  • Aftas ou boca seca;
  • Dermatite, formação de bolhas na pele, coceira generalizada ou pele seca;
  • Dor no peito, nas articulações ou nas costas;
  • Pele ou olhos amarelados;
  • Sintomas de menopausa como ondas de calor ou suor noturno;
  • Presença de açúcar ou proteínas na urina;
  • Aumento de peso.

A intensidade dos efeitos colaterais dependerá da quantidade de melatonina ingerida. Quanto mais alta for a dose, maior será o risco de surgir  alguns destes efeitos colaterais.

Em crianças, o suplemento de melatonina, também pode causar crises convulsivas, e por isso, o uso deve sempre ser feito com indicação e orientação do pediatra.

Quem não deve usar

A melatonina não deve ser usada por mulheres grávidas ou em amamentação, ou por pessoas alérgicas a melatonina ou qualquer outro componente da fórmula. 

Além disso, deve-se evitar doses maiores que 1 mg, a não ser que tenham sido prescritas pelo médico, pois o risco de desenvolver efeitos colaterais é maior.

A melatonina pode causar sonolência durante o dia, por isso, deve-se ter precaução ou evitar atividades como dirigir, utilizar máquinas pesadas ou realizar atividades perigosas.

Esta informação foi útil?

Bibliografia

  • EMA. Circadin. Disponível em: <https://www.ema.europa.eu/en/documents/product-information/circadin-epar-product-information_pt.pdf>. Acesso em 19 Mar 2020
  • COSTA, Rui Miguel. Melatonina na insônia primária: Quais as evidências?. Rev Bras Med Fam Comunidade (Rio de Janeiro). 11. 38; 1-9, 2016
  • SWEIS, Dimah. The Uses of Melatonin . Arch Dis Child Educ Pract. 90. 74-77, 2005
  • LI, Ya; et al. Melatonin for the prevention and treatment of cancer. Oncotarget. 8. 24; 39896–39921, 2017
  • CLAUSTRAT, B.; LESTON, J. Melatonin: Physiological effects in humans. Neurochirurgie. 61. 2-3; 77-84, 2015
  • BHATTACHARYA, S.; et al. Melatonin and its ubiquitous anticancer effects. Mol Cell Biochem. 462. 1-2; 133-155, 2019
  • CIPOLLA-NETO, J; AMARAL, F. G. D. Melatonin as a Hormone: New Physiological and Clinical Insights. Endocr Rev. 39. 6; 990-1028, 2018
  • DRUGS.COM. Melatonin. 2021. Disponível em: <https://www.drugs.com/melatonin.html>. Acesso em 27 Jul 2021
  • AMARAL, F. G. D.; CIPOLLA-NETO, J. A brief review about melatonin, a pineal hormone. Arch Endocrinol Metab. 62. 4; 472-479, 2018
  • ZAWILSKA, J. B.; SKENE, D. J.; ARENDT, J. Physiology and pharmacology of melatonin in relation to biological rhythms. Pharmacol Rep. 61. 3; 383-410, 2009
Mais sobre este assunto:

Carregando
...