Melão-de-são-caetano: para que serve e como usar

Revisão clínica: Manuel Reis
Enfermeiro

O melão-de-são-caetano, também conhecido como melão amargo, erva-de-são-caetano, fruto de cobra e melãozinho, é uma planta medicinal com ação cicatrizante e antimicrobiana, sendo muito usada para ajudar no tratamento de alguns problemas de pele, como picada de inseto, feridas ou eczema, que é uma inflamação na pele causada por alergia a algum medicamento, tecidos ou cremes, por exemplo.

Além disso, essa planta medicinal, cujo nome científico é Momordica charantia, também possui ação hipoglicemiante, podendo ser indicado na forma de chás para complementar o tratamento da diabetes. Veja outros chás para complementar o tratamento da diabetes.

O melão-de-são-caetano é geralmente encontrado em feiras locais e mercados municipais, tem um sabor amargo e pode ser usado em receitas, como suco, refogados e saladas. Além disso, as folhas dessa planta também podem ser usadas para preparar chás e compressas, por exemplo, ou ainda encontrada na forma de cápsulas.

Para que serve o melão-de-são-caetano

Entre as propriedades do melão-de-são-caetano estão a ação cicatrizante, anti-reumática, hipoglicemiante, antibiótica, antiviral, antidiabética e adstringente. Assim, essa planta pode ser usada para:

  • Regular os níveis de açúcar no sangue, ajudando, por isso, no tratamento da diabetes;
  • Ajudar no tratamento de problemas de pele, como feridas, lesões e eczemas;
  • Aliviar as picadas de insetos;
  • Ajudar no tratamento da prisão de ventre.

O melão-de-são-caetano também é eficaz no processo de desintoxicação, ajudando a eliminar toxinas do organismo pela urina, fezes ou suor, após o uso prolongado de medicamentos ou excessos na alimentação, por exemplo. Veja outras sugestões para ajudar a desintoxicar o organismo.

Como usar

O melão-de-são-caetano pode ser consumido em preparações como sucos, picles, saladas ou refogados. Além disso, as folhas dessa planta também são usadas para o preparo de chás e compressas, para serem aplicadas na pele.

1. Chá de melão-de-são-caetano

O chá de melão-de-são-caetano pode ser indicado para complementar o tratamento de diabetes e para ajudar no combate à verminose, por exemplo.

Ingredientes

  • 1 colher de sopa de folhas de melão-de-são-caetano;
  • 1 xícara de água fervente.

Modo de preparo

Colocar as folhas do melão-de-são-caetano em uma xícara com a água fervente. Tampar e deixar repousar por 10 minutos. Coar e beber de 2 a 3 xícaras por dia, por no máximo 8 semanas, conforme orientação do médico ou do fitoterapeuta.

O chá de melão-de-são-caetano também pode ser usado em compressas para aplicar sobre a pele com lesões, feridas, sarna ou eczemas.

2. Cápsulas de melão-de-são-caetano

O melão-de-são-caetano pode ser também encontrado na forma de cápsulas, em farmácias de manipulação ou lojas de produtos naturais, preparados com o extrato seco dessa planta medicinal.

As doses podem variar de acordo com a quantidade de melão-de-são-caetano na composição das cápsulas, e por isso seu uso deve ser feito apenas com orientação do médico ou de um profissional com experiência em plantas medicinais, com doses individualizadas. 

Possíveis efeitos colaterais

O melão-de-são-caetano pode causar efeitos colaterais como dor abdominal, desconforto no estômago, úlcera gástrica, dor abdominal, dor de cabeça, vômitos, diarreia, palpitação, nefrite ou sangramento vaginal.

Além disso, quando consumido na forma de chá ou cápsulas, o melão-de-são-caetano pode reduzir muito a quantidade de açúcar no sangue e causar hipoglicemia que pode ser percebida através dos sintomas como tremor, fraqueza, suor frio, pele pálida, visão embaçada, palpitação cardíaca, dor no peito, ansiedade, confusão mental, dificuldade para falar, sonolência. 

A hipoglicemia quase sempre pode ser controlada com a ingestão imediata de açúcar ou glicose. No entanto, quando ocorre hipoglicemia severa, que pode levar a sintomas como  convulsões, desmaio ou até coma, deve-se procurar ajuda médica imediatamente ou o pronto socorro mais próximo caso a pessoa apresente esses sintomas. Veja como é feito os primeiros socorros da hipoglicemia

Quem não deve usar

O melão-de-são-caetano não deve ser usado por mulheres grávidas, pois pode causar contrações uterinas e aborto espontâneo. Essa planta medicinal também não deve ser usada por crianças, mulheres em período de amamentação, pessoas com diarreia crônica, hipoglicemia, problemas no fígado ou que tenham deficiência da enzima glicose-6-fosfato desidrogenase (G6PD).

Além disso, pessoas que usam insulina ou medicamentos para o controle da diabetes,  como metformina ou glibenclamida, por exemplo, devem consultar um médico antes de usar o melão-de-são-caetano, porque essa planta pode interagir com esses medicamentos, causando hipoglicemia.

Por isso, é aconselhado consumir o melão-de-são-caetano somente sob a recomendação de um médico, ou um especialista no uso de plantas medicinais.

Esta informação foi útil?

Atualizado por Flávia Costa - Farmacêutica, em maio de 2022. Revisão clínica por Manuel Reis - Enfermeiro, em maio de 2022.

Bibliografia

  • Soares, J. A.; et al. Avaliação da toxicidade do extrato seco das folhas de Momordica charantia Linn durante a gestação de ratas Wistar. Anais do IV Congresso de Extensão e Pesquisa da UEG. 4. 2017
  • BORTOLOTTI, M.; et al. Momordica charantia, a Nutraceutical Approach for Inflammatory Related Diseases. Front Pharmacol. 2019; 10: 486. 10. 486, 2019
Mostrar bibliografia completa
  • DO NASCIMENTO, E. M. M.; et al. Efeito da suplementação do Momordica charantia L. em pacientes com Diabetes mellitus: Uma revisão sistemática. Research, Society and Development. 10. 6; e2110615143, 2021
  • CONSELHO REGIONAL DE FARMÁCIA DO ESTADO DE SÃO PAULO. PLANTAS MEDICINAIS E FITOTERÁPICOS. 2019. Disponível em: <http://www.crfsp.org.br/images/cartilhas/PlantasMedicinais.pdf>. Acesso em 25 fev 2022
  • GRANDI, Telma Sueli Mesquita. Tratado das Plantas Medicinais: mineiras, nativas e cultivadas. 1ed. Minas Gerais: Adaequatio Estudio, 2014. 849.
  • WELIHINDA, J. et al. Effect of Momordica charantia on the glucose tolerance in maturity onset diabetes. Journal of Ethnopharmacology. Vol 17. 3 ed; 277-282, 1986
  • VIRDI, Jaspreet et al. Antihyperglycemic effects of three extracts from Momordica charantia. Journal of Ethnopharmacology. Vol 88. 1 ed; 107-111, 2003
  • GROVER, J. K.; YADAV, S. P. Pharmacological actions and potential uses of Momordica charantia: a review. Journal of Ethnopharmacology Volume 93, Issue 1, July 2004, Pages 123-132. Vol 93. 1 ed; 123-132, 2004
Revisão clínica:
Manuel Reis
Enfermeiro
Pós-graduado em fitoterapia clínica e formado pela Escola Superior de Enfermagem do Porto, em 2013. Membro nº 79026 da Ordem dos Enfermeiros.