Quais as chances de pegar HIV se a camisinha estourar?

“Tive uma relação sexual na qual houve rompimento da camisinha na penetração vaginal. Teve também uma pequena lesão superficial na cabeça do pênis, que não chegou a sangrar. Quais as chances de pegar HIV nessa situação?”

Dr.ª Janyele Sales

Médica de Saúde Familiar

CRM 177392-SP

Sempre existe alguma chance de se contrair HIV se a camisinha estourar, independentemente de haver, ou não, uma lesão visível no pênis. Porém, neste caso específico, se houve uma lesão visível no pênis, mesmo que não tenha sangrado, o risco de contrair HIV aumenta.

O mais indicado nessas situações é procurar um médico o mais rápido possível (até 72 horas) para iniciar o PEP (profilaxia pós-exposição), que evita a infecção definitiva pelo HIV. Entenda melhor o que é o PEP e como funciona.

Mesmo assim, o risco de ser infectado pelo HIV numa relação sem preservativo, ou em que o mesmo se rompa, não é de 100%. Esse risco depende de vários fatores. Primeiro, se a outra pessoa tem ou não o vírus. Se ela não tiver HIV, a chance de infecção é de 0%.

Por outro lado, se a outra pessoa for portadora do vírus HIV e a camisinha se romper, o risco de contaminação depende muito da carga viral (quantidade de vírus) que ela tem no organismo. Quanto mais alta, maior é a chance de contrair o HIV. Além disso, hoje já se sabe que pessoas em tratamento com carga viral indetectável por mais de 6 meses praticamente não transmitem o vírus.

Vale ainda lembrar que o risco de transmissão é maior no sexo anal, principalmente se for receptivo, do que no sexo vaginal. Sexo oral apresenta risco de transmissão baixíssimo, sendo que para a pessoa que recebe sexo oral não há risco.

Nossa recomendação
O contágio por HIV é um risco real, mas que varia de acordo com vários fatores. Dessa forma, caso tenha dúvidas sobre a transmissão do HIV, ou caso estado numa situação de possível exposição ao vírus consulte um infectologista.
Qual médico consultar: Infectologista
Marcar consulta
50% dos leitores acham este conteúdo útil (4 avaliações nos últimos 12 meses)
  • Iremos publicar sua pergunta de forma anônima.
  • Faça uma pergunta clara, curta e sem incluir dados pessoais.
  • Não peça um diagnóstico ou 2ª opinião sobre tratamentos que já esteja realizando.
Iremos utilizá-lo para o notificar sobre a resposta. O seu email nunca será publicado online.
Marque consulta com um Infectologista perto de você!

Atendemos mais de 150 convênios em 9 estados do Brasil*.

Marcar Consulta

Disponível em: São Paulo, Rio de Janeiro, Distrito Federal, Pernambuco, Bahia, Maranhão, Pará, Paraná, Sergipe e Ceará.