Ative as notificações para não perder as publicações de saúde e bem estar mais interessantes.
O que você precisa saber?

Como tratar a hipoplasia do esmalte dentário

A hipoplasia do esmalte dentário acontece quando o corpo não é capaz de produzir a quantidade suficiente da camada dura que protege o dente, conhecida como esmalte, fazendo com que surjam alterações na cor, pequenas linhas ou até que falte uma parte do dente, dependendo do grau da hipoplasia.

Embora possa surgir em qualquer idade, a hipoplasia é mais frequente em crianças, especialmente antes dos 3 anos de idade e, por isso, se por volta dessa idade a criança ainda estiver com dificuldade para falar pode ser importante ir ao dentista para confirmar se se trata de um caso de hipoplasia, já que a falta de esmalte no dente pode causar muita sensibilidade, dificultando a fala. Saiba mais sobre quando o bebê deve começar a falar e quais os problemas que podem atrasar.

Pessoas com hipoplasia do esmalte podem ter uma vida completamente normal, no entanto, têm maior risco de ter cáries, deformações dos dentes ou de sofrer com sensibilidade dentária e, por isso, devem manter uma higiene bucal adequada, além de fazer consultas regulares no dentista.

Como tratar a hipoplasia do esmalte dentário

Como é feito o tratamento

O tratamento para a hipoplasia do esmalte varia de acordo com o grau em que o dente é afetado. Assim, algumas das formas de tratamento mais usadas incluem:

  • Branqueamento dentário: é usado nos casos mais leves, quando apenas é necessário disfarçar uma mancha no dente;
  • Uso de pastas de dentes remineralizadoras, como Colgate Sensitive Prevent & Repair ou Signal White System: nos casos mais leves de manchas, sensibilidade ligeira ou pequenas deformações do dente ajudam a remineralizar o esmalte, tornando-o mais forte;
  • Enchimento dentário: é principalmente usado em casos mais graves, quando falta uma parte do dente ou existem buracos na sua superfície, ajudando a criar uma estética melhor, além de aliviar a sensibilidade dentária.

Além disso, se o dente estiver muito afetado, o dentista pode ainda recomendar retirar completamente o dente e fazer um implante dentário, de forma a curar de vez a sensibilidade dentária e evitar deformações da boca, por exemplo. Veja como é feito o implante e quais os benefícios.

Estes tratamentos podem ser usados em separado ou juntos, já que, em alguns casos, existem vários dentes afetados pela hipoplasia, em diferentes graus e, por isso, também pode ser necessário um tipo de tratamento para cada dente.

Quem tem maior risco de ter

A hipoplasia dentária pode surgir em qualquer pessoa, no entanto, existem algumas causas que podem aumentar o risco de a desenvolver, incluindo:

  • Uso de cigarro durante a gravidez;
  • Falta de vitamina D e A no organismo;
  • Nascimento prematuro;
  • Doenças que afetaram a mãe durante a gravidez, como sarampo.

Dependendo da sua causa, a hipoplasia pode ser uma situação temporário ou manter-se por toda a vida, sendo importante manter consultas regulares no dentista, assim como cuidados de higiene bucal adequados, para controlar a sensibilidade dentária, evitar o surgimento de cáries e, até, impedir a queda de dentes. Confira quais os cuidados de higiene dentários que se deve ter.

Mais sobre este assunto:


Carregando
...