Ative as notificações para não perder as publicações de saúde e bem estar mais interessantes.
O que você precisa saber?

Hipoestrogenismo: o que é, sintomas e como tratar

Abril 2020

O hipoestrogenismo é uma condição cujos níveis de estrogênio no organismo estão abaixo do normal, podendo causar sintomas como ondas de calor, menstruação irregular ou fadiga. O estrogênio é um hormônio feminino responsável pelo desenvolvimento dos caracteres sexuais da mulher e que está envolvido em diversas funções do organismo, como a regulação do ciclo menstrual, regulação do metabolismo e ainda metabolismo dos ossos e do colesterol.

Assim, quando os níveis se encontram baixos, à exceção da menopausa e antes da puberdade, pode ser sinal de que a mulher sofre de alguma condição que afeta a produção de estrogênio, como uma doença auto-imune ou uma doença renal, por exemplo.

Hipoestrogenismo: o que é, sintomas e como tratar

Possíveis causas

Algumas das causas que podem levar ao surgimento do hipoestrogenismo são:

  • Distúrbios alimentares, como anorexia e/ou bulimia;
  • Realização excessiva de exercício físico, que leva ao aumento da produção de testosterona e redução dos hormônios femininos;
  • Hipopituitarismo, que se caracteriza pelo funcionamento insuficiente da glândula pituitária;
  • Doenças auto-imunes ou defeitos genéticos que podem levar à falência prematura dos ovários;
  • Doença renal crônica;
  • Síndrome de Turner, que é uma doença congênita causada pela deficiência de um dos cromossomas X. Saiba mais sobre esta doença.

Além destas causas, os níveis de estrogênio também começam a diminuir quando a mulher se aproxima da menopausa, o que é perfeitamente normal.

Quais os sintomas

O hipoestrogenismo pode levar ao surgimento de sintomas como menstruação irregular, dor durante a relação sexual, aumento da frequência de infecções urinárias, alterações de humor, ondas de calor, sensibilidade das mamas, dor de cabeça, depressão, cansaço e dificuldade para engravidar.

Além disso, a longo prazo, níveis muito baixos de estrogênios podem aumentar o risco de sofrer obesidade, doenças cardiovasculares e ainda osteoporose, que pode levar a fraturas nos ossos, já que o estrogênio é muito importante para uma boa manutenção da densidade óssea.

Saiba mais sobre a importância dos hormônios femininos para o bom funcionamento do organismo.

Como é feito o tratamento

O tratamento é feito tendo em consideração a causa que está na origem do hipoestrogenismo. Se essa causa for a realização excessiva de exercício, basta reduzir a intensidade da atividade. Se o hipoestrogenismo resultar de um distúrbio alimentar, como anorexia ou bulimia, terá que se tratar primeiro esse problema, com ajuda de um nutricionista e um psicólogo ou psiquiatra. Saiba como é feito o tratamento da anorexia.

Geralmente, para os outros casos, o médico recomenda uma terapia de reposição hormonal, em que são administrados estrogênios isolados, por via oral, vaginal, cutânea ou injetável, ou associados a progestágenos, numa dose específica e adaptada às necessidades da mulher.

Saiba mais sobre a terapia de reposição hormonal.

Bibliografia >

  • CLEGG, Debora J.. Minireview: The Year in Review of Estrogen Regulation of Metabolism. Mol Endocrinol. Vol.26. 12.ed; 1957-1960, 2012
  • LIZCANO, Fernando. Estrogen Deficiency and the Origin of Obesity during Menopause. BioMed Research International. 1-11, 2014
  • CARVALHO, Annelise B. et al. Turner syndrome: a pediatric diagnosis frequently made by non-pediatricians. Jornal de Pediatria. Vol 86. 2 ed; 121-125, 2010
  • MANUAL MSD. Síndrome de Turner (Monossomia do X; disgenesia gonadal). Disponível em: <https://www.msdmanuals.com/pt-br/profissional/pediatria/anomalias-gen%C3%A9ticas-e-cromoss%C3%B4micas/s%C3%ADndrome-de-turner>. Acesso em 13 Jun 2019
  • MINISTÉRIO DA SAÚDE. Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas - Síndrome de Turner. 2010. Disponível em: <http://portalarquivos.saude.gov.br/images/pdf/2014/abril/03/pcdt-sindrome-de-turner-livro-2010.pdf>. Acesso em 13 Jun 2019
  • SOCIEDADE PORTUGUESA DE GINECOLOGIA. Consenso Estratégias Para a Saúde da Mulher na Pós-Menopausa. 2004. Disponível em: <http://www.spginecologia.pt/uploads/menopausa.pdf>. Acesso em 02 Abr 2020
  • ISOTTON, Ana Lúcia et. al.. Influências da Reposição de Estrógenos e Progestágenos na Ação do Hormônio de Crescimento em Mulheres com Hipopituitarismo. Arq Bras Endrocrinol Metab. Vol.52. 5.ed; 901-916, 2008
Esta informação foi útil?   
Sim  /  Não

Ficou alguma dúvida. Deixe aqui a sua questão para que possamos melhorar o nosso texto:

Atenção! Só poderemos responder diretamente se deixar o seu email.
Irá receber um email com um link que deverá aceder para confirmar que o email lhe pertence.
Mais sobre este assunto:

Carregando
...
Fechar Simbolo de finalizado

Pode perguntar

Fechar
É hora de acabar com todas as suas dúvidas!
Erro
Erro
Erro
Marque a caixa de verificação acima.
Enviar Mensagem