8 possíveis sintomas de aborto espontâneo

Drª. Sheila Sedicias
Revisão médica: Drª. Sheila Sedicias
Ginecologista
Abril 2020

Os sinais e sintomas do aborto espontâneo podem surgir em qualquer grávida até às 20 semanas de gestação.

Os principais sintomas de um aborto espontâneo são:

  1. Febre e calafrios;
  2. Corrimento vaginal com mau cheiro;
  3. Perda de sangue pela vagina, que pode começar com uma cor amarronzada;
  4. Dor abdominal forte, tipo uma intensa cólica menstrual;
  5. Perda de líquidos pela vagina, com ou sem dor;
  6. Perda de coágulos de sangue pela vagina;
  7. Dor de cabeça intensa ou constante;
  8. Ausência de movimentos fetais por mais de 5 horas.

Algumas situações que podem levar ao aborto espontâneo, isto é, que pode começar de uma hora para outra, sem causa aparente, incluem a má formação fetal, consumo exagerado de bebidas alcoólicas ou drogas, traumatismo na região abdominal, infecções e doenças como diabetes e hipertensão, quando estas não são devidamente controladas durante a gestação. Veja 10 Causas do Aborto Espontâneo.

O que fazer em caso de suspeita

Em caso de suspeita de aborto, o que se deve fazer é ir ao hospital o mais rápido possível e explicar ao médico os sintomas que apresenta. O médico deve pedir alguns exames para verificar se o bebê está bem e, se necessário, indicar o tratamento adequado que pode incluir o uso de medicamentos e o repouso absoluto.

Como evitar um aborto

A prevenção do aborto pode ser feita através de algumas medidas, como, por exemplo não ingerir bebidas alcoólicas e evitar tomar qualquer tipo de medicamento sem o conhecimento do médico. Saiba os remédios que podem causar o aborto;

Além disso, a grávida só deve praticar exercícios físicos leves ou moderados ou especialmente indicados para gestantes e realizar o acompanhamento pré-natal, comparecendo a todas as consultas e realizando todos os exames solicitados.

Algumas mulheres possuem uma maior dificuldade em levar a gravidez até ao fim e tem maiores riscos de sofrer um aborto e, por isso, devem ser acompanhadas semanalmente pelo médico.

Tipos de aborto

O aborto espontâneo pode ser classificado como sendo precoce, quando a perda do feto acontece antes da 12ª semana de gestação ou tardio, quando a perda do feto se dá entre a 12ª e a 20ª semana de gestação. Em alguns casos, ele pode ser induzido por um médico devido, geralmente, a motivos terapêuticos.

Quando ocorre um aborto, a expulsão do conteúdo uterino pode ocorrer na totalidade, não ocorrer ou pode não se dar por completo, podendo ser classificado da seguinte forma:

  • Incompleto - quando ocorre a expulsão de apenas parte do conteúdo uterino ou há uma ruptura das membranas,
  • Completo - quando ocorre a expulsão de todo o conteúdo uterino;
  • Retido - quando o feto está retido morto no útero por 4 semanas ou mais.

O aborto é proibido no Brasil e somente as mulheres que conseguem provar na justiça que possuem um feto que não será capaz de sobreviver fora do útero, como pode acontecer em caso de anencefalia - uma alteração genética onde o feto não possui cérebro - poderão recorrer ao aborto legalmente.

Outras situações que podem ser avaliadas pelo juiz são quando a gravidez é resultado de abuso sexual ou quando coloca em risco a vida da mulher. Nestes casos a decisão pode ser acordada com o Supremo Tribunal Federal Brasileiro pela ADPF 54, votada em 2012, que neste caso descreve a prática do aborto como sendo um "parto antecipado para fim terapêutico". À exceção destas situações, o aborto no Brasil é crime e é punido por lei.

O que acontece após o aborto

Após o aborto, a mulher deve ser analisada pelo médico, que verifica se ainda há vestígios do embrião dentro do útero e, caso isto aconteça, uma curetagem deverá ser realizada.

Em alguns casos, o médico pode indicar medicamentos que provocam a expulsão dos restos embrionais ou poderá realizar uma cirurgia para retirada do feto imediatamente. Veja também o que pode acontecer após um aborto provocado.

Esta informação foi útil?

Atualizado por Manuel Reis, Enfermeiro em Abril de 2020. Revisão médica por Drª. Sheila Sedicias, Ginecologista em Fevereiro de 2016.
Revisão médica:
Drª. Sheila Sedicias
Ginecologista
Médica mastologista e ginecologista formada pela Universidade Federal de Pernambuco, em 2008 com registro profissional no CRM PE 17459.