8 principais sintomas de aborto

Revisão médica: Drª. Sheila Sedicias
Ginecologista
abril 2022

Os sinais e sintomas do aborto podem surgir em qualquer grávida até às 20 semanas de gestação, sendo os principais:

  1. Febre e calafrios;
  2. Corrimento vaginal com mau cheiro;
  3. Perda de sangue pela vagina, que pode começar com uma cor amarronzada;
  4. Dor abdominal forte, tipo uma intensa cólica menstrual;
  5. Perda de líquidos pela vagina, com ou sem dor;
  6. Perda de coágulos de sangue pela vagina;
  7. Dor de cabeça intensa ou constante;
  8. Ausência de movimentos fetais por mais de 5 horas.

Algumas situações que podem levar ao aborto, que pode começar de uma hora para outra, sem causa aparente, como má formação fetal, consumo exagerado de bebidas alcoólicas ou drogas, traumatismo na região abdominal, infecções e doenças como diabetes e hipertensão, quando estas não são devidamente controladas durante a gestação. Veja as principais causas do aborto espontâneo.

O que fazer em caso de suspeita

Em caso de suspeita de aborto, o que se deve fazer é ir ao hospital o mais rápido possível e explicar ao médico os sintomas que apresenta. O médico deve pedir alguns exames para verificar se o bebê está bem e, se necessário, indicar o tratamento adequado que pode incluir o uso de medicamentos e o repouso absoluto.

Como saber se é aborto ou menstruação?

Em algumas situações pode ser mais complicado diferenciar o sangramento de menstruação atrasada e de um aborto. No caso do aborto, o sangramento costuma ser mais avermelhado e pode ter cheiro intenso, é abundante, sendo difícil de ser contido pelo absorvente, e é possível notar coágulos maiores e tecido mais acinzentado.

Por outro lado, o sangramento da menstruação atrasada é ligeiramente marrom avermelhado, pode ser facilmente contido pelo absorvente e podem ser observados pequenos coágulos, em alguns casos. Veja com mais detalhes como diferenciar menstruação atrasada e o aborto.

Como evitar um aborto

A prevenção do aborto pode ser feita através de algumas medidas, como, por exemplo não ingerir bebidas alcoólicas e evitar tomar qualquer tipo de medicamento sem o conhecimento do médico. Saiba os remédios que podem causar o aborto;

Além disso, a grávida só deve praticar exercícios físicos leves ou moderados ou especialmente indicados para gestantes e realizar o acompanhamento pré-natal, comparecendo a todas as consultas e realizando todos os exames solicitados.

Algumas mulheres possuem uma maior dificuldade em levar a gravidez até ao fim e tem maiores riscos de sofrer um aborto e, por isso, devem ser acompanhadas semanalmente pelo médico.

Tipos de aborto

O aborto pode ser classificado como sendo precoce, quando a perda do feto acontece antes da 12ª semana de gestação ou tardio, quando a perda do feto se dá entre a 12ª e a 20ª semana de gestação. Em alguns casos, ele pode ser induzido por um médico devido, geralmente, a motivos terapêuticos.

Quando ocorre um aborto, a expulsão do conteúdo uterino pode ocorrer na totalidade, não ocorrer ou pode não se dar por completo, podendo ser classificado da seguinte forma:

  • Incompleto, quando ocorre a expulsão de apenas parte do conteúdo uterino ou há uma ruptura das membranas,
  • Completo, quando ocorre a expulsão de todo o conteúdo uterino;
  • Retido, quando o feto está retido morto no útero por 4 semanas ou mais.

Após o aborto, a mulher deve ser analisada pelo médico, que verifica se ainda há vestígios do embrião dentro do útero e, caso isto aconteça, uma curetagem deverá ser realizada. Em alguns casos, o médico pode indicar medicamentos que provocam a expulsão dos restos embrionários ou poderá realizar uma cirurgia para retirada do feto imediatamente.

Consequências físicas e psicológicas do aborto

Após um aborto, algumas mulheres podem desenvolver a síndrome pós aborto, que é caracterizada por alterações psicológicas que podem interferir diretamente na sua qualidade de vida, como sentimento de culpa, angústia, ansiedade, depressão, comportamentos auto-punitivos, transtornos alimentares e alcoolismo.

As complicações físicas do aborto são mais comuns quando o aborto é provocado e quando o procedimento é realizado em um ambiente com condições sanitárias precárias ou quando é feito por um médico pouco capacitado, podendo haver maior risco de:

  • Perfuração do útero;
  • Retenção de restos da placenta que pode levar à infecção uterina;
  • Tétano, quando o procedimento é realizado em um ambiente com condições sanitárias precárias;
  • Esterilidade, já que podem haver danos irreversíveis ao aparelho reprodutor da mulher;
  • Inflamações nas trompas e no útero que podem se espalhar por todo corpo, colocando em risco a vida da mulher.

Essa lista de complicações tende a aumentar com o tempo de gravidez porque quanto mais desenvolvido estiver o bebê, piores serão as consequências para a mulher.

No caso de um aborto espontâneo, as consequências podem acontecer quando a mulher não vai ao médico após o aborto para verificar se houve expulsão completa dos restos embrionários, já que a permanência desses tecidos no organismo da mulher pode favorecer a ocorrência de infecções.

Esta informação foi útil?

Atualizado por Equipe Editorial do Tua Saúde, em abril de 2022. Revisão médica por Drª. Sheila Sedicias - Ginecologista, em fevereiro de 2016.
Revisão médica:
Drª. Sheila Sedicias
Ginecologista
Médica mastologista e ginecologista formada pela Universidade Federal de Pernambuco, em 2008 com registro profissional no CRM PE 17459.